O amor é que faz o homem irmão do outro

Jo 13,16-20
Depois de lavar os pés dos discípulos, Jesus lhes disse: “Em verdade, em verdade vos digo: o servo não está acima do seu senhor e o mensageiro não é maior que aquele que o enviou. Se sabeis isto, e o puserdes em prática, sereis felizes.Eu não falo de vós todos. Eu conheço aqueles que escolhi, mas é preciso que se realize o que está na Escritura: ‘Aquele que come o meu pão levantou contra mim o calcanhar’. Desde agora vos digo isto, antes de acontecer, a fim de que, quando acontecer, creiais que eu sou.Em verdade, em verdade vos digo, quem recebe aquele que eu enviar, me recebe a mim; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou”.

Reflexão: Através do gesto do Lava-pés Jesus nos ensina a convertermos o amor fraterno em serviço pela salvação daqueles que o Senhor ama. O amor fraterno, com efeito, não é somente uma lei ou mandamento e sim uma maneira de atuar de cada cristão pela qual todos serão reconhecidos como seguidores de Cristo (cf. Jo 13,35). É o amor que faz o homem livre. O amor é que faz o homem salvo. É o amor que faz alguém crescer saudavelmente. O amor é que dá segurança e não as armas. O amor é que faz o homem irmão do outro. O amor é que faz uma comunidade de irmãos. É o amor que nos leva ao céu. O amor fraterno é uma maneira de atuar dos cristãos e dos que têm boa vontade (cf. Mt 25,37-40). O amor e o serviço estão sempre unidos. Quem ama, serve e quem serve é porque ama. Cristão que não serve por amor não serve como cristão.

E durante o lava-pés, Jesus é chamado de Mestre e de Senhor: “Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, pois eu sou” (Jo 13,13). Sendo o Mestre e o Senhor, Jesus se faz servidor de todos. E no texto do evangelho de hoje Jesus diz aos discípulos: “O servo não está acima do seu senhor e o mensageiro não é maior que aquele que o enviou” (Jo 13,16). “Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz” (v.15), Jesus disse anteriormente. Continuar as ações de Cristo não é repetir ritos, mas atitudes: amor e serviço. O amor sincero e o serviço alegre, ao estilo de Jesus, há de ser o modo de presença de cada cristão neste mundo. Amar e servir verdadeiramente nos fazem felizes (Jo 13,17). Em outras palavras, o amor que se manifestou em Jesus, deve manifestar-se também nos cristãos através do amor mútuo. Jesus Cristo deve ficar bem transparente no modo de viver de cada cristão através do amor que se concretiza também no serviço ao irmão, especialmente ao necessitado.

O Lava-pés quer destacar a centralidade da pessoa. Em nossa sociedade parece que fazer é o termômetro do valor de uma pessoa. Por isso, dentro desta dinâmica é fácil que as pessoas sejam tratadas como instrumentos e facilmente nos utilizamos uns aos outros. Hoje o evangelho nos urge a transformarmos esta dinâmica em uma dinâmica de serviço: o outro nunca é um puro instrumento. Trata-se de viver uma espiritualidade de comunhão onde o outro se torna dom para mim; trata-se de “ser pelos demais”. Segundo Jesus a verdadeira felicidade se encontra no serviço aos demais e em não pensar que um seja maior que os demais. Quem se imagina superior aos demais está usurpando o lugar de Deus. Só ele é o Senhor, todos nós somos irmãos (cf. Mt 23,8). Por isso, qualquer tentativa de classificar as pessoas em mais ou em menos importantes será sem cabimento e não pode ser chamado de cristão.

Fé em Jesus é o seguimento. E seguir o exemplo de Jesus não é repetir ritos, e sim atitudes: amor que se traduz no serviço, entrega e renúncia. O amor sincero e o serviço alegre, ao estilo de Jesus, têm de ser o modo de presença de qualquer cristão no nosso mundo e na nossa sociedade.

Jesus viveu o amor aos homens e o serviço alegre até a morte na cruz. Ele morreu amando e perdoando os que praticaram a maldade contra ele (cf. Lc 23,34). O cristão é aquele que faz aquilo que Jesus fez. De que modo minha vida como cristão é um “serviço até a morte”?. Não até a morte física e sim um serviço até a morte do meu tempo, do meu dinheiro, da minha comodidade, do meu egoísmo, da minha razão humana, dos meus sentimentos? De que modo sou servidor? De quem sou “servidor até a morte”? Até onde chega meu serviço?

“Aquele que come o meu pão levantou contra mim o calcanhar”, alerta Jesus aos discípulos. Ele fala de Judas. Judas, o traidor, representa os que não abrem mão de seus privilégios e não querem partilhar os bens nem pôr a própria vida a serviço dos outros. O traidor pode estar dentro de qualquer um de nós e dentro de qualquer comunidade. Precisamos estar atentos para não sermos vendedores de Jesus Cristo.

Fonte: http://vitus-passoadiante.blogspot.com.br

Fonte: http://www.eradomilagre.com/2015/04/

ORAÇÃO

Pai, inculca no meu coração a certeza de que só tu és Senhor, e que entre os seres humanos deve reinar igualdade e solidariedade, sem opressão. Amém!
Fonte: http://liturgia.catequisacr.com.br/o-servo-nao-e-maior-do-que-seu-senhor-jo-1316

Anúncios

Sejamos humildes…

Lc 18,9-14

Subiram dois homens ao templo para orar. Um era fariseu; o outro, publicano. O fariseu, em pé, orava no seu interior desta forma: Graças te dou, ó Deus, que não sou como os demais homens: ladrões, injustos e adúlteros; nem como o publicano que está ali. Jejuo duas vezes na semana e pago o dízimo de todos os meus lucros. O publicano, porém, mantendo-se à distância, não ousava sequer levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, tem piedade de mim, que sou pecador! Digo-vos: este voltou para casa justificado, e não o outro.

Reflexão: O texto do evangelho de hoje fala da oração de um publicano humilde e de um fariseu arrogante. Sobre a oração o Novo Catecismo da Igreja Católica diz: “… Reza-se como se vive, porque se vive como se reza” (Compêndio do Novo Catecismo, 572; Novo Catecismo, no. 2725).

Quem conversa com Deus permanentemente, torna-se mais humano ou se humaniza. Quem se humaniza, torna-se irmão do outro. A oração nos serena, pois confiamos totalmente n’Aquele que torna tudo existir e possibilita o que é impossível (cf. Lc 1,37). Quanto mais crescermos na espiritualidade, mais rezaremos, pois “O combate da oração é inseparável do progresso da vida espiritual”. A verdadeira oração nos torna mais humildes ou mais nós mesmos. A oração potencia nossa humanidade.
Estamos na parte do evangelho de Lucas na qual se fala do caminho de Jesus para Jerusalém onde será morto e ressuscitado (Lc 9,58-19,28). Jesus está na etapa final de seu caminho (Lc 17,11-19,28). Durante esse caminho Jesus dá muitas lições importantes para seus discípulos.
Na passagem do evangelho deste dia Jesus continua a enfatizar sobre a importância da oração perseverante e humilde (Lc 18,1-14) que já se iniciou na passagem anterior deste texto. Para falar da oração humilde Jesus conta uma parábola na qual ele coloca em confronto dois tipos de atitude diante de Deus representados por um fariseu e um publicano, como protagonistas da parábola: o fariseu que se elogia desprezando o outro e o publicano que simplesmente pede a misericórdia de Deus sem desprezar ninguém, porque ele tem consciência de seus pecados.
Na “oração” do fariseu, Deus ficou esquecido e somente o EU predomina: Eu não sou como os demais, eu jejuo, eu pago o dízimo. A arrogante consciência de ter feito alguma coisa, o faz acreditar que Deus se tornou seu Devedor, mas é inútil. Ele abusava da oração para demonstrar sua própria grandeza a fim de se colocar em destaque diante dos demais. É um verdadeiro exibicionista. O exibicionismo é a linguagem que demonstra a ausência de um valor. Quando um valor cresce na experiência espiritual de uma pessoa, ela ama discrição, que é a linguagem do tesouro escondido, e se comunica pelo caminho da simplicidade e da discrição. Toda a arrogância é contra ao amor fraterno que é essencial para uma convivência mais humana.
É curioso comprovar que os santos, os que estão de verdade mais perto de Deus, se consideram sempre uns grandes pecadores, pois eles compreendem verdadeiramente o que o pecado significa. Somente à luz de Deus é possível reconhecer a própria miséria. O aproximar-se de Deus consiste em perder ou em abandonar nosso egoísmo e auto-suficiência para encontrar a felicidade de Deus.
Na parábola o publicano se sente pequeno, não se atreve a levantar os olhos ao céu, e por isso, sai do templo engrandecido. Reconhece-se pobre e por isso, sai enriquecido. Reconhece-se pecador e por isso, sai justificado. Com razão o Livro de Eclesiástico afirma: “Quem serve a Deus como Ele o quer, será bem acolhido e suas súplicas subirão até as nuvens. A prece do humilde atravessa as nuvens” (Eclo 35,20-21).
Somos fariseus quando vamos à igreja não para escutar Deus e suas exigências, mas para convidá-Lo a nos admirar pelo bom que somos. Somos fariseus quando esquecemos a grandeza de Deus e nosso nada, e cremos que as virtudes próprias exigem o desprezo dos demais. Somos fariseus quando nos separamos dos demais e nos cremos mais justos, menos egoístas e mais puros/limpos que os outros. Somos fariseus quando entendemos que nossas relações com Deus têm de ser quantitativas e medimos somente nossa religiosidade pelas missas das quais participamos e não pelo amor que vivenciamos com os demais. A vaidade nos faz perder tempo em coisas fúteis e sem valor.
O evangelho deste dia nos chama a nos vestirmos da humildade. E para que nos mantenhamos humildes jamais podemos nos esquecer que quem presencia nossa vida e nossas obras é o próprio Senhor a Quem temos que procurar agradar em cada momento. Se não estivermos vigilantes nisso, a soberba vai nos dominar. E a soberba tem manifestações em todos os aspectos de nossa vida: faz-nos susceptíveis, injustos em nossos juízes e em nossas palavras e ações, faz-nos crer melhores do que os demais e negar as boas qualidades dos outros e a soberba nos convence ter virtudes que não possuímos.
O Senhor se comove e esbanja suas graças diante de um coração humilde. A soberba é o maior obstáculo que o homem põe diante da graça de Deus. A soberba é o vício capital mais perigoso: se insinua e tende até infiltrar-se até nas boas obras. Por causa da soberba as boas obras perdem até seu mérito sobrenatural, pois as boas obras praticadas são uma participação na bondade de Deus.
Nossa oração deve ser como a do publicano: humilde, atenta, confiada, procurando que não seja monólogo em que damos voltas a nos mesmos, às virtudes que cremos possuir. A humildade é o fundamento de toda nossa relação com Deus e com os demais. Por isso, a humildade atrai a bênção de Deus e a simpatia dos homens.
Sabendo que todos nós somos pecadores não podemos desprezar aqueles que vivem dominados pela maldade, pelo vício e assim por diante. Deus ama os pecadores e odeia o pecado. Por isso, o Senhor tomou nossa natureza humana para nos salvar e nos levar junto de Si como Seus amados. Por isso, fica a pergunta: temos rezado por as pessoas que vivem dominadas por algum vício e alguma maldade? Sejamos compassivos nas nossas orações por essas pessoas, pois quem é compassivo e justo brilhará com a mesma Luz de Deus para os demais. Sejamos um sinal de Cristo, Luz do mundo, dando-lhes nosso afeto, carinho e a caridade cristã. Rezemos/oremos uns pelos outros, principalmente nesta Quaresma, para que o amor de Deus e sua salvação cheguem a todos. ”Há pensamentos que são orações. Há momentos nos quais, seja qual for a posição do corpo, a alma está de joelhos” (Victor Hugo)
Sempre que nós rezamos de verdade, a nossa oração é eficaz não porque modificamos Deus, mas porque nos modificamos, assim saímos diferentes do que entramos do templo.
Reflita o que São Paulo escreveu: “Verdade é que a minha consciência de nada me acusa, mas nem por isto estou justificado; meu juiz é o Senhor” (1Cor 4,4). “As melhores e as mais lindas coisas do mundo não se pode ver nem tocar. Elas devem ser sentidas com o coração” (Charles Chaplin).

fonte: http://vitus-passoadiante.blogspot.com.br/
imagem fonte: http://pt.slideshare.net/Tarbone/sabedoria-do-alto

ORAÇÃO

Pai santo, vosso Filho Jesus,
conduzido pelo Espírito
e obediente à vossa vontade,
aceitou a cruz como prova de amor à humanidade.
Convertei-nos e, nos desafios deste mundo,
tornai-nos missionários
a serviço da juventude.
Para anunciar o Evangelho como projeto de vida,
enviai-nos, Senhor;
para ser presença geradora de fraternidade,
enviai-nos, Senhor;
para ser profetas em tempo de mudança,
enviai-nos, Senhor;
para promover a sociedade da não violência,
enviai-nos, Senhor;
para salvar a quem perdeu a esperança,
enviai-nos, Senhor;
para… (continue esta oração)

fonte: http://leituraorantedapalavra.blogspot.com.br/

A RECOMPENSA DIVINA

Todo gesto de piedade visa ser agradável a Deus. Nele, o ser humano busca manifestar o mais íntimo de si mesmo, na esperança do reconhecimento divino. Realiza o que lhe parece corresponder aos anseios do Pai. Transforma, em ação, seus sentimentos profundos de amor e gratidão. A esmola, a oração e o jejum são expressões excelentes de piedade, por parte de quem procura viver uma intensa vida de comunhão. Elas supõem a capacidade de ir ao encontro do irmão carente, a quem se deve socorrer; transcender os próprios limites e viver em comunhão com o Senhor; ordenar as paixões que impedem o ser humano de ser solidário e fraterno. A piedade é, pois, vivida como comunhão. A recompensa divina advém, na medida em que a piedade é praticada na humildade e no escondimento, prescindindo do reconhecimento humano. O Pai vê e reconhece o valor do gesto humano, quando praticado com sinceridade de coração. A busca consciente de louvor por parte dos outros mina, pela raiz, os gestos de piedade e lhes desvirtua o sentido, impedindo-os de atingir seu objetivo. Somos instruídos a vivenciar nossa piedade, de maneira secreta. Só assim, quem vê o que é feito em segredo, dar-nos-á a recompensa esperada.
fonte: http://saojoaobosco.com.br/liturgiadiaria/mateus-61-6-16-18

imagem fonte: http://pscjminduri.blogspot.com.br/

ORAÇÃO

Jesus, divino Mestre, nós vos adoramos, Filho muito amado do Pai, caminho único para chegarmos a ele. Nós vos louvamos e agradecemos, porque sois o exemplo que devemos seguir. Com simplicidade queremos aprender de vós o modo de ver, julgar e agir. Queremos ser atraídos por vós, para que, caminhando nas vossas pegadas, possamos viver dia a dia a liberdade dos filhos de Deus, renunciando a nós mesmos, para buscar em tudo, a vontade do Pai. Aumentai nossa esperança, impulsionando plenamente o nosso ser e o nosso agir. Ajudai-nos a retratar em nossa vida a vossa imagem, para que assim vos possamos possuir eternamente no céu. Amém.

fonte: https://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=evangelho

Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem! (Mt 5,44)

Amar e rezar pelos nossos inimigos e perseguidores é o conselho de Jesus. Do mesmo jeito que o Pai age conosco. Por isso, não podemos nos limitar a amar somente aqueles que nos amam, não haveria mérito. Não somos obrigados a gostar ou admirar, Jesus nos ordena que amemos. E amar é querer o bem, é ajudar, é reconhecer que todas as pessoas são objeto do Amor de Deus. À primeira vista, nós não encontramos nenhuma coerência, nem mesmo sentido, para a ação de rezar pelos inimigos. Mas, se nos dizemos filhos do Pai que está no céu e, se de fato queremos sê-lo, não podemos agir de outra maneira. Aqui na terra, quando os nossos pais são pessoas de bem, nós alimentamos o propósito de imitá-los. Mais ainda, nós precisamos copiar o Pai perfeito do céu, que nos ama do jeito que somos, que não nos cobra, que nos perdoa, mesmo quando somos filhos e filhas ingratos. A perfeição, a grandeza e o poder do Pai estão no amor e o Seu Amor foi derramado nos nossos corações pelo Espírito Santo, portanto podemos amar os nossos inimigos.

O Amor Perfeito! É assim que prefiro chamar o amor de Deus. Aquele que passa por cima do ódio que deveríamos sentir pelos nossos inimigos: «Vocês ouviram o que foi dito: “Ame os seus amigos e odeie os seus inimigos.” Mas eu lhes digo: amem os seus inimigos e orem pelos que perseguem vocês, para que vocês se tornem filhos do Pai de vocês, que está no céu». Nestas palavras de Jesus está a perfeição do amor.

Jesus hoje nos exorta longamente para que respondamos ao ódio com amor. Este texto, aparecendo nessa situação, ajuda-nos a compreender, que Mateus vê no amor aos adversários, a característica específica dos discípulos de Cristo.

As palavras de Jesus indicam duas maneiras de viver: A primeira é a dos que se comportam sem referência a Deus e sua Palavra. Esses agem em relação aos outros em função da maneira como eles os tratam, a sua reação é de fato uma reação. Dividem o mundo em dois grupos, os amigos e os que não o são, e fazem prova de bondade só em relação aos que são bons para eles. A segunda forma de viver não põe em primeiro lugar um grupo de homens, mas sim o próprio Deus. Deus, por seu lado, não reage de acordo com a maneira como o tratam; pelo contrário, «Ele é bom até para os ingratos e os maus» (Lucas 6,35).

Jesus chama assim a atenção para a característica essencial do nosso Deus. Fonte transbordante de bondade. Deus não se deixa condicionar pela maldade de quem está à sua frente. Mesmo esquecido, mesmo injuriado, Deus continua fiel a si próprio, só pode amar. Isto é verdadeiro desde a primeira hora. Diferentemente dos homens, Deus está sempre pronto a perdoar: «Os meus planos não são os vossos planos, os vossos caminhos não são os meus caminhos» (Isaías 55,7-8). O profeta Oséias, por seu lado, ouve o Senhor dizer-lhe: «Não desafogarei o furor da minha cólera… porque sou Deus e não um homem» (Oséias 11,9). Numa palavra, o nosso Deus é misericordioso (Êxodo 34,6; Salmo 86,15; 116,5 etc.), «não nos trata de acordo com os nossos pecados, nem nos castiga segundo as nossas culpas» (Salmo 103,10).

A grande novidade do Evangelho não é tanto o fato de que Deus é Fonte de bondade, mas que os homens podem e devem agir à imagem do seu Criador: « Sede misericordiosos, como o vosso Pai é misericordioso!» (Lucas 6,36). Através da vinda do seu Filho até nós, esta Fonte de bondade está agora acessível. Tornamo-nos, por nosso lado, «filhos do Altíssimo» (Lucas 6,35), seres capazes de responder ao mal com o bem, ao ódio com amor. Vivendo uma compaixão universal, perdoando aos que nos fazem mal, damos testemunho de que o Deus de misericórdia está no coração de um mundo marcado pela recusa do outro, pelo desprezo em relação àquele que é diferente.

Este amor, longe de ser um simples sentimento, reconcilia as oposições e cria uma comunidade fraterna a partir dos mais diversos homens e mulheres, da vida desta comunidade sai uma força de atração que pode agitar os corações. É este o amor que eu chamo de perfeito.

Fonte: http://homilia.cancaonova.com/homilia/o-amor-perfeito-mt-543-48-2/

 

imagem fonte: http://www.paroquiaaparecida.com.br/7o-domingo-comum/

ORAÇÃO

Senhor, ensina-nos a não amar somente os que são nossos,
a não amar somente os que amamos.
Ensina-nos a pensar nos outros e a
amar, em primeiro lugar,
aqueles a quem ninguém ama.

fonte: http://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=evangelho&id=4518

Dar gratuitamente o que gratuitamente tem recebido

Um dia, Jesus participava de uma festa de casamento e, alertado por sua mãe, percebe o constrangimento do dono da casa. Tinha acabado o vinho, e para que o organizador da festa não se envergonhasse, Ele manifesta, pela primeira vez, o seu poder. O fato impressiona vivamente seus discípulos, que tinham deixado as redes sem hesitar para segui-lo. Mais tarde, Jesus escolhe dentre eles doze Apóstolos e os “envia a proclamar o Reino de Deus e a curar”. Com ênfase, recomenda-lhes que nada levem consigo, pois Ele os quer livres de todo apego aos bens materiais e de toda preocupação em obter posses terrenas. A partir daquele dia, eles viverão desapegados de tudo, sem preocupações como os pássaros do céu.
No entanto, nas areias áridas do desprendimento e da renúncia, suspirando por um refrigério, eles vislumbram no horizonte, num oásis de paz, o vulto do Senhor, que os proverá. “A glória deles, reflete S. Cirilo de Alexandria, não é a de não possuírem nada, mas a de se colocarem nas mãos divinas”. A renúncia alcança então seu sentido original de adesão pessoal e profunda a Deus, o que lhes permite contemplar, no cumprimento da missão confiada pelo Senhor, a aurora da alegria sobrenatural. Neles, o antigo ideal dos “pobres de Deus” (anawim) se perpetua e eles se assemelham Àquele que lhes “ordena dar gratuitamente o que gratuitamente tinham recebido”. Ao mandato de dar gratuitamente corresponde a ordem de evangelizar, fruto não de um capricho, mas do amor, “energia divina”, que os inflama sem cessar na oferenda total de sua vida a Deus e aos irmãos. O verdadeiro milagre não foi o que eles testemunharam na festa de bodas, mas é aquele que se realiza em seus corações, que os modifica profundamente e os introduz no mundo do Espírito de Deus. Eles nasceram de novo. Sua transformação não cessa jamais. Mais tarde, S. João Clímaco exclama: “Tu feriste minha alma, ó Amor, e meu coração não pode suportar tuas chamas. Avanço, louvando-te”.
Tomando-os à parte, Jesus confia aos Apóstolos sua própria missão terrestre, enviando-os “às ovelhas perdidas da casa de Israel”. Na simplicidade e despojamento, eles hão de realizá-la “em nome do Cristo”, que agiria neles e por meio deles. Experiência misteriosa e única. O Mestre garantia que a doação generosa aos seus semelhantes seria sintoma do verdadeiro amor a Deus, que pacificaria suas almas e os purificaria no cadinho do “amor insaciável”. Eles recebiam o poder de comunicar a paz do Senhor aos que fossem dignos dela e de imitar a doação gratuita de sua vida ao Pai e aos irmãos. “Partindo, eles pregavam que todos se convertessem. E expulsavam muitos demônios, e curavam muitos enfermos, ungindo-os com óleo”.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, o.f.m.

fonte: http://portalcatolico.org.br/portal/quinta-feira-11-de-junho-mt-10-7-13-a-missao-dos-doze/

imagem fonte: http://apenasoracao.blogspot.com.br/2013/06/rezando-o-evangelho-de-hoje-mt-107-13.html

ORAÇÃO MISSIONÁRIA

Senhor Jesus, somos teus discípulos, queremos seguir teus passos e pedimos que nos envies como missionários, sustentados e guiados pela força do teu Santo Espírito.

Que a tua graça, Senhor, se manifeste na nossa fraqueza, e que nunca deixemos de combater o bom combate da construção do teu Reino de amor, paz e justiça.
Senhor Jesus, concede-nos o dom maior, que é o teu amor derramado em nossos corações e transbordado em nossa vida. Transforma o nosso homem velho interior em construtor da humanidade nova, para a glória do Pai, que faz tudo concorrer para o bem daqueles que O amam.
Por intercessão do grande Apóstolo Paulo, que possamos também nós, cheios de ardor missionário, anunciar o teu santo Evangelho, fermentando de amor a massa do mundo.
Obrigado, Senhor, pelos imensos dons que de ti recebemos, aumenta a nossa fé, não nos deixes desanimar de lutar, que nunca nos cansemos de amar e dai-nos a graça de perseverar no bem.
Tu, que vives com o Pai, na unidade do Espírito Santo. Amém.
(Composta pela Arquidiocese de São Paulo)

FONTE: https://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=evangelho

Praticar as Leis de Deus

A Palavra hoje quer ser uma advertência para vivermos na graça, pois, para crescermos junto do coração de Deus e não diminuirmos a ponto até de corrermos o risco de desaparecer, será preciso levar com seriedade os mandamentos da Lei de Deus!

Sim, os mandamentos que aprendemos quando éramos ainda crianças, quando frequentamos a catequese. O mais importante não é somente decorá-los, mas aprender a vivê-los no dia a dia de nossa vida. Nossa vida seria mais justa e mais digna, nossas convivências seriam mais fraternas e a nossa relação com Deus seria mais profunda se nós, com toda força e empenho do nosso coração, nos lembrássemos, a cada dia, de colocar em prática os mandamentos da Lei de Deus. E mais do que isso: não só vivê-los, mas ensinar os outros a vivê-los também.

Nós não podemos transgredir a Lei de Deus e muito menos ensinar os outros a fazer o mesmo. Não podemos ser ocasião de queda nem de pecado para ninguém! Assim como nós não podemos banalizar as coisas de Deus e considerar que isso é simplesmente uma coisa normal. No entardecer da vida, quando estivermos diante do Senhor da nossa vida, o amor será o imperativo que vai nos julgar.

A vivência do amor em nós é a vivência dos mandamentos da Lei de Deus! Ninguém pode só dizer: “Deus, como eu te amo!” ou “Deus, como o Senhor é tudo para mim!” se não souber colocar os mandamentos d’Ele em prática. Amar a Deus sobre todas as coisas é tê-Lo como o Senhor supremo da nossa vida e não antepor ninguém nem nada a Ele.

Vida de oração e de comunhão com Deus, guardar o dia do Senhor; e ter tudo isso como norma da nossa vida, da nossa existência. E depois seguir os outros mandamentos, que nos ensinam as Sagradas Escrituras, como amar o nosso próximo, como ser verdadeiro, justo, honesto, puro e bem-intencionado ao nos relacionarmos uns com os outros.

A cobiça é uma coisa desordenada dentro de nós que nos leva a desejar e a querer ter aquilo que não nos pertence. E nisso muitos subterfúgios podem entrar, inclusive em nossa vida, como a mentira, a falsidade, a hipocrisia e, desse modo, vamos aos poucos perdendo a sensibilidade pela Lei do Senhor.

Não nos deixemos nos corromper pelo mundo nem pela mentalidade deste. É justo quem ouve a Palavra de Deus e se dedica, com toda a força do seu coração, para colocá-la em prática!

FONTE: http://homilia.cancaonova.com/homilia/precisamos-dar-mais-importancia-aos-mandamentos-de-deus/

biblia 1 300x298 Evangelho de hoje (13/06/2012) Mateus 5, 17 19

imagem fonte: http://deusemaior.com.br/2012/06/13/evangelho-de-hoje-13062012-mateus-5-17-19/

ORAÇÃO

HINO AO AMOR
Pe. Zezinho, scj

Se eu desvendasse os mistérios do universo,
mas não tivesse amor;
se o dom das línguas eu tivesse em prosa e verso,
mas não tivesse amor,
seria um sino barulhento e falador!

Se eu conhecesse umas quinhentas profecias,
mas não tivesse amor;
se eu conhecesse todas as teologias,
mas não tivesse amor;
teria tudo, menos Deus a meu favor!

Amor é graça, amor é força amor é luz,
não é vaidoso, não derruba não seduz,
não sente inveja, nem orgulho nem rancor,
sabe perder mas não se sente perdedor.
Amor aplaude mas educa o vencedor
Amor perdoa mas educa o pecador,
não atrapalha não bloqueia: faz andar,
espera e crê, porque o amor sabe esperar.

Vem do passado, mas não é ultrapassado.
Tem seus limites o saber e a religião,
mas o amor aí não acaba nunca não (2x).
Agora vemos por imagens ou sinais,
mas o amor, aí, o amor é muito mais (2x).
mas o amor, ah, o amor é bom demais!

Há mil verdades do outro lado da janela,
mas o amor é a maior de todas elas!…

fonte: http://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=evangelho&id=4529

CORPUS CHRISTI

Celebramos, hoje, a festa do Santíssimo Sacramento do Corpo e do Sangue de Cristo, reafirmamos a nossa fé na presença real e substancial do Senhor no Pão e no Vinho consagrados como alimento da nossa salvação. Diante de tão grande mistério, somos chamados a elevar os nossos corações para o Alto e fazer eco à profissão de fé eucarística no Pão e Vinho.
Esta festa de Corpus Christi foi instituída pelo Papa Urbano IV, em 11 de agosto de 1264, com o intuito de destacar a dimensão sacramental que a tradição romana associou à Última Ceia de Jesus, já celebrada na Semana Santa.
A ceia é um momento de alegria, partilha e comunhão. Descartando comer o Cordeiro Pascal, Jesus se apresenta como o Pão que dá a vida, e o Vinho que alegra a todos, inaugurando a nova celebração do Reino de Deus. A Eucaristia é a celebração da comunidade viva, animada pelo Espírito, unida em torno de Jesus, empenhada em cumprir a vontade do Pai, que é vida para todos.
Por que o Senhor utilizou pão e vinho? Porque são os alimentos mais simples, mais comuns da mesa dos judeus. O pão e o vinho eram do dia-a-dia do pobre e do rico. Ainda hoje, nos países da bacia do Mediterrâneo, ao nos sentarmos para o almoço ou jantar, encontramos uma garrafa d’água na mesa, uma garrafa de vinho e pão fatiado. Jesus não quis ser o Senhor dos grandes momentos, o Homem de algumas poucas ocasiões; Ele quis ser o Jesus de todos os dias, de todos os momentos, o Cristo dos pobres e dos ricos, o Senhor de todos e de tudo. Por isso mesmo escolheu sinais tão ínfimos, tão humildes.
Obrigado, Jesus, por Sua humildade, por Sua divina disponibilidade em se dar a nós de modo tão simples, tão desprovido de grandeza! Ensina-nos, pelo Pão e Vinho Eucarístico, a virtude da humildade, da simplicidade, da arte de perceber o valor das coisas humildes e pequenas, nas quais o Senhor se esconde.
Por que Jesus disse “é meu Corpo, é meu Sangue”? Corpo ou carne, na Bíblia, não é somente a musculatura da pessoa, mas toda ela – sua inteligência, seus sentimentos, seu corpo, suas emoções, seus planos. É dito carne ou corpo para significar que o homem é frágil, murcha como a erva do campo. Pois bem, quando Jesus diz: “Isto é o meu Corpo”, Ele quer dizer: “Isto sou eu com minha vida, que tomei de vocês no seio de Maria, a Virgem. Eu lhes dou minha humanidade, meus cansaços, meus sonhos, minhas andanças. Dou-lhes tudo quando vivo no meio de vocês, feito homem, eu, o Verbo que se fez carne!”
E o sangue? Não significa simplesmente o líquido vermelho que corre em nossas artérias. Sangue, na Bíblia, significa a vida. O Sangue derramado significa a vida tirada, a vida violentada.
Veja que coisa tão linda! Ao dizer: “isto é o meu sangue”, o Senhor está dizendo: “Eu vos dou toda a minha vida que se foi derramando por vós, desde o primeiro momento da minha existência humana. Fui me derramando por vós em cada cansaço, em cada decepção; fui me derramando em cada noite de oração, em cada agonia até aquela última da cruz e da sepultura”.
Então, meus caros, “isto é o meu Corpo” e “isto é o meu Sangue” significam “isto sou eu todo, com o que tenho, com o que sou, com o que vivi e com o que morri, com o que amei e com o que sonhei, e agora entrego a vós e por vós”.
Que podemos dizer, senão, simplesmente: Obrigado, Senhor, por esse amor tão grande que O fez se entregar a nós assim, totalmente! Dê-nos a graça de, recebendo Seu Corpo e Sangue, plenos do Espírito Santo, na força do mesmo Espírito, fazer de nossa vida uma entrega ao Senhor e a todos os irmãos e irmãs. Ensina-nos a ser para os outros pão repartido e dado por amor, a fim de que, um dia, possamos chegar ao Pai do Céu, onde viveremos e reinaremos em comunhão com o Espírito Santo pelos séculos dos séculos! Amém.
Padre Bantu Mendonça

fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2012/06/homilia-comentario-e-reflexao-do_06.html

imagem fonte: http://www.modernacriativa.com/img/fotos/corpus%20christi%20frases%204.jpg

ORAÇÃO

Jesus Mestre, creio com viva fé que estais presente na Palavra e na Eucaristia,

que estais presente, junto de mim, para indicar-me o caminho que leva ao Pai.

Iluminai minha mente, movei meu coração,

para que esta meditação produza em mim frutos de vida.

Amém.

https://youtu.be/cP8opL0fT2Q