Precisamos deixar que a palavra de Jesus transforme a nossa vida

Lc 4,21-30
Naquele tempo, estando Jesus na sinagoga, começou a dizer: “Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir”. Todos davam testemunho a seu respeito, admirados com as palavras cheias de encanto que saíam da sua boca. E diziam: “Não é este o filho de José?” Jesus, porém, disse: “Sem dúvida, vós me repetireis o provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo. Faze também aqui, em tua terra, tudo o que ouvimos dizer que fizeste em Cafarnaum”. E acrescentou: “Em verdade eu vos digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria. De fato, eu vos digo: no tempo do profeta Elias, quando não choveu durante três anos e seis meses e houve grande fome em toda a região, havia muitas viúvas em Israel. No entanto, a nenhuma delas foi enviado Elias, senão a uma viúva que vivia em Sarepta, na Sidônia. E no tempo do profeta Eliseu, havia muitos leprosos em Israel. Contudo, nenhum deles foi curado, mas sim Naamã, o sírio”. Quando ouviram estas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos. Levantaram-se e o expulsaram da cidade. Levaram-no até o alto do monte sobre o qual a cidade estava construída, com a intenção de lançá-lo no precipício. Jesus, porém, passando pelo meio deles, continuou o seu caminho.

Reflexão: Jesus estava de volta a Jerusalém, na cidade de Nazaré. Ele nasceu em Belém mas foi criado em Nazaré; nessa cidade Ele recebeu toda a instrução, educação e formação. Ele recebeu, de fato, todos os valores que, de modo evangélico, trouxe para nós.

Foi em Nazaré que seus pais O criaram. E, nós, muitas vezes, assumimos o lugar onde fomos criados como se fosse o nosso berço. E, por esse motivo, O chamamos de Jesus de Nazaré, pois foi lá que Ele desenvolveu toda a Sua vida. E, quando já adulto e começando a Sua missão pública, Ele voltou para aquela sinagoga, tomou a Palavra de Deus e a assumiu para Si mesmo.

As pessoas se admiravam com as palavras cheias de sabedoria que brotavam da boca de Jesus. Mas não bastava admirar, era preciso crer, assumir, tomar posse e aceitar a Jesus como Senhor e Salvador.

Muitas vezes, somos como aquelas pessoas: admiramos as coisas de Deus, mas não tomamos posse. E, se não tomarmos posse, se não aceitarmos a Jesus como Senhor e Salvador, se não permitirmos que a Palavra d’Ele nos provoque mudança de vida e conversão, iremos rejeitá-Lo.

Quando o Mestre disse que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria, é porque O receberam como amigo, mas não O receberam como o Senhor; e não receberam a palavra d’Ele para que ela entrasse na vida deles. Por isso, depois de tudo aquilo que Jesus falou, anunciou e proclamou, inclusive sobre a incredulidade deles, eles ficaram furiosos, levantaram-se e expulsaram Jesus da cidade.

Vejam que tragédia, a própria cidade que O viu crescer, os amigos, vizinhos e parentes d’Ele expulsaram-O da cidade. Eles O levaram para um alto monte com a intenção de jogá-Lo no precipício. Então, Ele saiu do meio deles e continuou o Seu caminho.

Jesus quer entrar em nossa casa, na nossa vida e família, no entanto, para transformar a nossa casa, mudar a nossa vida e fazer a diferença, não podemos expulsá-Lo do nosso meio. Não coloquemos Jesus para fora da nossa vida.

A sociedade pagã em que vivemos expulsa Jesus em tantas atitudes, porém, nós que somos os seus discípulos, não podemos fazer o mesmo. Precisamos acolhê-Lo, amá-Lo e deixar que a Palavra d’Ele mude e transforme a nossa vida, senão faremos parte do grupo dos indiferentes que não acolheram a sua mensagem.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

Fonte: http://www.laboratoriodafe.net/2013/02/todos-ficaram-furiosos-na-sinagoga.html

ORAÇÃO

Oração a Jesus de Nazaré

Nós te adoramos como Sabedoria do Pai,Verbo encarnado, Luz do mundo. Nós cremos que foste escolhido e cumpriste a missão de levar boas notícias aos pobres, de anunciar a liberdade aos presos, de dar vista aos cegos, libertar os que estão sendo oprimidos e anunciar que chegou o tempo da salvação. Pedimos-te perdão por todos os que te rejeitaram e ainda hoje te rejeitam. Nós te acolhemos para que nos dê sabedoria em nossas palavras, em nosso trabalho, em nossa família, em nossos relacionamentos. Só tu tens Palavras de vida! Amém!

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2012/09/homilia-comentario-e-reflexao-do_2.html

Anúncios

A conversão acontece com a mudança da mentalidade e do coração

Mc 1,14-20
Depois que João Batista foi preso, Jesus foi para a Galileia, pregando o Evangelho de Deus e dizendo: “O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos, e crede no Evangelho!” E, passando à beira do mar da Galileia, viu Simão e André, seu irmão, que lançavam a rede ao mar, pois eram pescadores. Jesus lhes disse: “Segui-me e eu farei de vós pescadores de homens”. E eles, deixando imediatamente as redes, seguiram a Jesus. Caminhando mais um pouco, viu também Tiago e João, filhos de Zebedeu. Estavam na barca, consertando as redes; e logo os chamou. Eles deixaram seu pai Zebedeu na barca com os empregados, e partiram, seguindo Jesus.

Reflexão: A missão de Jesus acontece com o anúncio o Reino de Deus, o qual nos diz quais são os ingredientes necessários para que a nossa vida seja introduzida à vida do Senhor.

Primeiro, é preciso converter-se. Não precisamos esperar que aconteça alguma coisa, que vivamos o tempo da Quaresma para nos convertermos. A conversão é agora, ela não pode ser depois, não podemos esperar e dizer: “Lá na frente eu vou me converter”, pois essa hora não chega. A conversão acontece com a mudança da mentalidade e do coração.

Muitas vezes, estamos vivendo uma vida em Deus, mas não nos deixamos converter. Deixar-se converter é deixar-se convencer por Deus, pela graça d’Ele, pelo Evangelho, e por isso Ele está dizendo: “Convertei-vos e crede no Evangelho”.

Crer no Evangelho, na Palavra do Senhor, é acreditar que nenhuma outra palavra pode nos transformar e nos renovar, a não ser a Palavra de Deus. Por isso, creiamos n’Ele e levemos a vida em nome de Jesus, em nome desse Evangelho.

A conversão começa na cabeça, porque é a cabeça que manda em cada um de nós, é a cabeça que nos direciona e nos dá os pensamentos que devemos ter a cada dia. É na cabeça que está a nossa mentalidade. Se temos uma mentalidade mundana e pagã, se temos uma mentalidade que foi, muitas vezes, nutrida com os elementos deste mundo, precisamos mudar essa mentalidade, a forma de pensar, de agir, de conversar.

Quando olhamos para a nossa vida, logo percebemos que existem coisas essenciais para as quais precisamos mesmo nos converter, mas se não nos deixamos convencer por Deus, não somos um convertido, e Deus e a graça d’Ele não nos convertem.

A cada dia, coloco-me de pé para ouvir o Evangelho, para deixar que Deus fale ao meu coração, para que Ele traga a luz para as situações mais sombrias da minha alma e do meu ser, para que Ele me convença que preciso me converter, que preciso ter atitudes novas, pensamentos e sentimentos novos. Se ontem eu pensava assim, a graça do Evangelho me permite pensar diferente. Jesus converte o meu coração.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

 

5-OQueEConversao

Fonte: https://voltemosaoevangelho.com/blog/2014/10/o-que-e-conversao-2/

ORAÇÃO

Pai, torna-me solícito em atender o convite à conversão, proclamado por Jesus. Que eu não perca a chance que me é dada de aderir, com sinceridade, ao teu Reino. Amém!

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2013/01/homilia-comentario-e-reflexao-do_13.html

Você se considera um filho(a) amado(a) por Deus?

Lc 3,15-16.21-22
Naquele tempo, o povo estava na expectativa e todos se perguntavam no seu íntimo se João não seria o Messias. Por isso, João declarou a todos: “Eu vos batizo com água, mas virá aquele que é mais forte do que eu. Eu não sou digno de desamarrar a correia de suas sandálias. Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo”. Quando todo o povo estava sendo batizado, Jesus também recebeu o batismo. E, enquanto rezava, o céu se abriu e o Espírito Santo desceu sobre Jesus em forma visível, como pomba. E do céu veio uma voz: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho o meu bem-querer”.

Reflexão: O Batismo de João Batista era uma imersão na água para purificação dos pecados e conversão dos corações. No entanto, Jesus saiu da Galiléia a fim de ser batizado por João Batista, no rio Jordão, apesar de não precisar submeter-se a este ritual, pois Nele não havia pecado algum. “O que para os outros era sinal de arrependimento para Jesus é plenitude de justiça” nos fala a Bíblia do Peregrino. Por isso, Jesus quis batizar-se a fim de que se cumprisse toda a justiça de Deus. Jesus, que não tinha pecados, confirmou a Sua Filiação pela unção do Espírito Santo e consequentemente a nossa filiação. Portanto, o Batismo de Jesus tem para nós o significado da justiça que o Pai planejou nos conceder com o objetivo de que também nos tornássemos Seus filhos e filhas amados. A filiação atestada pelo próprio Pai deve ser relacionada com a filiação humana. Com o Batismo, Sua Morte na Cruz e Ressurreição Jesus inaugurou para nós um novo tempo de justiça e graça: somos filhos eleitos de Deus. No Batismo de Jesus nós encontramos a estrutura da Santíssima Trindade: A Voz do Pai, a Manifestação do Espírito Santo em forma de pomba e o Título de Filho de Deus amado. No nosso Batismo a Voz do Pai se faz ouvir revelando o Seu grande amor por nós quando nos concede o Seu Espírito Santo e nos adota como filhos no Seu Filho amado. No nosso Batismo também o Pai deu testemunho do Seu Amor por nós: “Tu és o meu filho, a minha filha amada”! Logo, somos irmãos de Jesus Cristo, adotados por causa da Sua Morte e Ressurreição. Não podemos ser pessoas abatidas nem deprimidas, pois o mesmo Espírito que está em Jesus mora também em nós. Se verdadeiramente nos apossarmos dessa graça de filiação, com certeza não teremos nenhuma dúvida de que somos filhos e filhas apreciadas por Deus que nos olha com carinho e está atento às nossas necessidades. – Você tem consciência da grande graça que recebeu no Batismo? – Você também se considera um filho, uma filha amada por Deus Pai? – Pare um pouquinho para escutar a voz que vem do céu apresentando você ao mundo como filho (a) amado (a).

Fonte: http://blogs.diariodonordeste.com.br/egidio/fe-em-deus/evangelho-de-hoje-lucas-315-16-21-22-2/

Fonte: https://www.qumran2.net/indice.php?c=disegni&immagine=5188

ORAÇÃO

Espírito que converte, toca o meu coração e o coração de todas as pessoas para que, abandonando os erros e vícios, voltemo-nos para Jesus, por uma sincera conversão. Amém.

Fonte: http://liturgia.catequisar.com.br/voz-de-quem-clama-no-deserto-preparai-o-caminho-do-senhor-lc-31-6/

É convertendo o coração, é nos arrependendo de nossas faltas, buscando o perdão de Deus que encontramos a salvação

Lucas 3,1-6
No décimo quinto ano do império de Tibério César, quando Pôncio Pilatos era governador da Judéia, Herodes administrava a Galileia, seu irmão Filipe, as regiões da Itureia e Traconítide, e Lisânias a Abilene; quando Anás e Caifás eram sumos sacerdotes, foi então que a palavra de Deus foi dirigida a João, o filho de Zacarias, no deserto. E ele percorreu toda a região do Jordão, pregando um batismo de conversão para o perdão dos pecados, como está escrito no Livro das palavras do profeta Isaías: “Esta é a voz daquele que grita no deserto: ‘preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas. Todo vale será aterrado, toda montanha e colina serão rebaixadas; as passagens tortuosas ficarão retas e os caminhos acidentados serão aplainados. E todas as pessoas verão a salvação de Deus’”.

Reflexão: Que graça sublime, neste segundo domingo do Advento, colocarmos em destaque o papel de João Batista. Maria foi toda de Deus, mas João também foi todo d’Ele desde o ventre de sua mãe, quando lá foi santificado. João nasceu com uma missão divina, nasceu para ser profeta do Deus Altíssimo e veio para preparar e aplainar os caminhos por onde o Senhor deveria passar.

João é para nós uma seta que nos indica o caminho do Céu. Como ele mesmo vai nos dizer, ele não é o caminho, mas nos aponta Jesus, que é o caminho. Ele não é a salvação, mas nos aponta Jesus como nosso Salvador.

O modo de João fazer esse percurso e nos mostrar por onde devemos andar é por aquilo que ele fez pregando um batismo de conversão. É convertendo o coração, é nos arrependendo de nossas faltas, buscando o perdão de Deus que encontramos a salvação.

Vemos a salvação de Deus entre nós quando nos arrependemos, sinceramente, dos nossos pecados. O caminho que João traça para a nossa vida, neste tempo de graça que chamamos de Advento, é pararmos para tomar consciência de que todos nós somos pecadores. Essa consciência do todo precisa ser trazida para o nosso individual, para o nosso singular, porque o que precisamos é, de forma pessoal e não coletiva, simplesmente nos arrependermos dos nossos próprios pecados, deixar que aquilo que o batismo fez em nós, quando éramos crianças, nos removendo da consequência do pecado original, que o nosso batismo seja atualizado sempre, seja vivo sempre, que entremos pelas águas do rio Jordão, para que Deus nos lave, purifique-nos e renove para termos a graça de recebermos Jesus, o nosso divino Salvador.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

Preparai o Caminho do Senhor

 

fonte: https://jesus-cvv.webnode.com.br/news/o-caminho-do-senhor/

ORAÇÃO

Espírito que converte, toca o coração de todas as pessoas para que, abandonando seus erros e vícios, voltem-se para Jesus, por uma sincera conversão. Amém!

Fonte: http://liturgia.catequisar.com.br/voz-de-quem-clama-no-deserto-preparai-o-caminho-do-senhor-lc-31-6/

Somos seletivos até para amar

Lucas 10,25-37
Naquele tempo, um mestre da Lei se levantou e, querendo pôr Jesus em dificuldade, perguntou: “Mestre, que devo fazer para receber em herança a vida eterna?”Jesus lhe disse: “Que está escrito na Lei? Como lês?” Ele então respondeu: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a tua alma, com toda a tua força e com toda a tua inteligência; e a teu próximo como a ti mesmo!”Jesus lhe disse: “Tu respondeste corretamente. Faze isso e viverás”. Ele, porém, querendo justificar-se, disse a Jesus: “E quem é o meu próximo?”Jesus respondeu: “Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de assaltantes. Estes arrancaram-lhe tudo, espancaram-no, e foram-se embora deixando-o quase morto.Por acaso, um sacerdote estava descendo por aquele caminho. Quando viu o homem, seguiu adiante, pelo outro lado. O mesmo aconteceu com um levita: chegou ao lugar, viu o homem e seguiu adiante, pelo outro lado.Mas um samaritano que estava viajando, chegou perto dele, viu e sentiu compaixão. Aproximou-se dele e fez curativos, derramando óleo e vinho nas feridas. Depois colocou o homem em seu próprio animal e levou-o a uma pensão, onde cuidou dele. No dia seguinte, pegou duas moedas de prata e entregou-as ao dono da pensão, recomendando: “Toma conta dele! Quando eu voltar, vou pagar o que tiveres gasto a mais”.E Jesus perguntou: “Na tua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?” Ele respondeu: “Aquele que usou de misericórdia para com ele”. Então Jesus lhe disse: “Vai e faze a mesma coisa”.

Reflexão: Uma das passagens mais belas das Sagradas Escrituras nos ensinam, de forma muito bela e, ao mesmo tempo, com uma reflexão muito profunda quem é o nosso próximo. São três pessoas religiosas, sejam eles os sacerdotes, os levitas ou os samaritanos e, diante desses três, um homem está caído à beira do caminho; ele foi assaltado, roubado e tido como morto à beira da estrada.

Cada um tinha suas ocupações e preocupações; e quando estamos ocupados e preocupados com a nossa vida, não temos tempo para quem está caído, para quem está prostrado, com problemas e dificuldades. Até quando estamos ocupados com as coisas de Deus, com as reuniões, os trabalhos e aquilo que devemos fazer, não temos tempo de nos ocupar com os que estão caídos à beira da estrada.

É incontável a multidão que está caída à beira da estrada. São jovens que estão prostrados por causa das drogas, são pessoas que estão caídas e prostradas por causa da depressão e por tantas enfermidades emocionais, são muitos dos nossos que estão doentes e enfermos nos leitos dos hospitais, em nossas casas e famílias.

Não podemos negar a grande quantidade de indigentes e famintos, pessoas que não têm o que comer, onde dormir e estão passando as mais diversas necessidades que um ser humano pode suportar. O que fazer? A humanidade está carente de bons samaritanos. Todo cristão deveria ser um bom samaritano, mas, muitas vezes, o nosso ser cristão está mais para o levita e o sacerdote do Evangelho de hoje. Demasiadamente ocupados com as nossas coisas, não temos tempo para cuidar dos próximos de nós e nem dos próximos que estão à beira do caminho.

Somos seletivos até para amar, amamos quem queremos e não amamos quem o Evangelho nos ordena amar. É preciso refletir sobre o Evangelho que escolhemos viver ou o Evangelho que pretendemos viver.

Quem é o nosso próximo? É aquele que usamos de misericórdia para com ele. Em um mundo cercado de misérias como o nosso, estamos ficando mais miseráveis do que o mundo, porque não sabemos usar de misericórdia para com o nosso próximo. Que o Senhor nos converta!

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

 

irmao

Fonte: http://www.lectionautas.com.br/2014/quem-e-o-meu-proximo-lucas-10-25-37/

ORAÇÃO

Espírito Santo peço que ilumine o nosso olhar e assim possamos enxergar o nosso próximo e nos aproximarmos.
Amém!

Fonte: http://www.lectionautas.com.br/2014/quem-e-o-meu-proximo-lucas-10-25-37/

Não há dom maior que possamos oferecer ao outro do que a paz que vem de Deus

Lc 10,1-12
Naquele tempo, o Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e os enviou dois a dois, na sua frente, a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir. E dizia-lhes: “A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos”. Por isso, pedi ao dono da messe que mande trabalhadores para a colheita.Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos. Não leveis bolsa nem sacola nem sandálias, e não cumprimenteis ninguém pelo caminho! Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: ‘A paz esteja nesta casa!’ Se ali morar um amigo da paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não, ela voltará para vós. Permanecei naquela mesma casa, comei e bebei do que tiverem, porque o trabalhador merece o seu salário. Não passeis de casa em casa.

Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos, comei do que vos servirem, curai os doentes que nela houver e dizei ao povo: ‘O Reino de Deus está próximo de vós’. Mas, quando entrardes numa cidade e não fordes bem recebidos, saindo pelas ruas, dizei: Até a poeira de vossa cidade que se apegou aos nossos pés, sacudimos contra vós. No entanto, sabei que o Reino de Deus está próximo! Eu vos digo que, naquele dia, Sodoma será tratada com menos rigor do que essa cidade.

Reflexão: Os discípulos de Jesus levavam o Reino de Deus a todos os lugares, e como precisamos levar o Reino de Deus para as nossas casas, famílias, povoados, grandes cidades, para as metrópoles ou para a zona rural. O Reino de Deus tem que ser anunciado. Como se anuncia o Reino de Deus? Com desprendimento e sem preocupações humanas. Que preocupações humanas são essas? São aquelas preocupações da nossa humanidade que está sempre tensa com as coisas. “O que vou conseguir? O que vou fazer?”.

Quando vamos anunciar o Reino de Deus nos ocupamos com ele e não com as coisas materiais ou com as vantagens que vamos levar. Quando vamos anunciar o Reino de Deus precisamos ganhar almas para Jesus, pessoas para o Reino de Deus. Não tem nada que se compare a uma alma convertida e evangelizada. Por isso, anuncie com desprendimento, tenha tempo na sua vida para anunciar o Evangelho.

Se o coração precisa estar desprendido o que vamos levar para a casa ou para as pessoas que anunciarmos o Reino de Deus? Levamos o reino da paz, levamos a paz. Em qualquer casa que entrar, dizei: “A paz esteja nesta casa!”, porque as casas do mundo inteiro estão necessitando de paz. O que entra pela televisão e pelas redes sociais, o que entra no meio em que estamos são os conflitos, guerras, disputas e desentendimentos por qualquer coisa.

Quem é de Deus promove a paz, leva a paz, faz a paz acontecer. Pode ser que você não saia da sua casa para ir pessoalmente à casa de outra pessoa mas, hoje, no mundo em que estamos das redes sociais, os vários mecanismos para se evangelizar: televisão, rádio e internet precisam promover a paz.

Se você é um homem e uma mulher de Deus não promovam a guerra, porque não é com guerra que levamos o Reino de Deus, não coloquemos as pessoas umas contra as outras, não promovamos acusações. Sejamos, de fato, promotores da paz. Desprenda-se de si mesmo, das suas convicções, das suas opiniões políticas e partidárias, desprenda-se daquilo que você acha que é o certo ou errado do outro. Tenhamos no coração a paz verdadeira, a paz que vem do coração de Deus.

Não há dom maior que possamos oferecer ao outro do que a paz que vem de Deus. Onde quer que entremos com uma mensagem, com um link que enviarmos, com o que tivermos para enviar ao outro, enviemos sobretudo a paz e não promovamos a guerra.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

Fonte: http://dapazmensageiros.blogspot.com/2015/04/cantos-da-pascoa-cifras.html

ORAÇÃO

Pai Santo, aumenta a nossa fé! Faze de nós sinais vivos do teu Reino de Amor. Que o nosso testemunho mostre aos irmãos gratidão pelo Reino que, ainda não em plenitude, já nos ofereces nesta terra abençoada. E que sejamos fontes da Paz. Por Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo. Amém!

Fonte: http://www.arquidiocesebh.org.br/mdo/pg06.php

 O reino dos céus é o Amor Eterno de Deus vivendo em nós

Mt 18,1-5.10
Naquela hora, os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Quem é o maior no Reino dos Céus?” Jesus chamou uma criança, colocou-a no meio deles e disse: “Em verdade vos digo, se não vos converterdes, e não vos tornardes como crianças, não entrareis no Reino dos Céus. Quem se faz pequeno como esta criança, esse é o maior no Reino dos Céus. E quem recebe em meu nome uma criança como esta, é a mim que recebe. Não desprezeis nenhum desses pe­queninos, pois eu vos digo que os seus anjos nos céus veem sem cessar a face do meu Pai que está nos céus”.

Reflexão: O reino dos céus é o Amor Eterno de Deus vivendo em nós e manifestando-se através de nós. Nele não existe maior e menor, pois todos nós somos os pequeninos a quem o Pai atrai e sustenta com o Seu Amor. Quem se compreende assim, pequeno, pecador, ovelha fugida e necessitada, este é que é grande no reino de Deus. Por isso, Jesus é muito firme e direto quando nos aponta o ser criança como condição para que possamos usufruir do Seu reinado e da assistência dos Seus anjos. Quando nos convertemos, nos tornamos como criança aos olhos do Pai. Somos como um filho pequeno e amado, dependentes do Seu amor. Com efeito, todos nós necessitamos saber que temos no céu, diante do trono do Pai, o nosso anjo da guarda contemplando a Sua Face e velando pela nossa vida. Peçamos, portanto, ao nosso Anjo da Guarda que nos ajude a nos tornar crianças dependentes da Sua proteção, ajuda e assistência. Aquele que não confia na proteção do Senhor através dos seus anjos não pode ser considerado pequenino, portanto não entrará no reino dos céus. Reflita: – Como você se sente aos olhos de Deus: grande ou pequeno (a)? Reflita – Será que você está perdendo tempo querendo ser “grande” e deixando passar a graça de viver aqui o reino de Deus?- Você acha que ser sábio nas coisas de Deus vai lhe ajudar na sua salvação?

Fonte: http://blogs.diariodonordeste.com.br/egidio/fe-em-deus/evangelho-de-hoje-mt-181-5-10/

Fonte: http://leituraorantedapalavra.blogspot.com/2018/08/mt-181-51012-14-quem-e-mais-importante.html

ORAÇÃO

Espírito Santo

que procede do Pai e do Filho,

tu estás em nós, falas em nós,

rezas em nós, ages em nós.

Te pedimos: ajuda-nos a fazer espaço às tuas palavras,

à tua oração, para que possamos conhecer

o mistério da vontade de Deus na história.

Acende em nós aquele mesmo fogo

que ardia no coração de Jesus,

quando ele falava do reino de Deus.

Somente tu, Espírito Santo, podes acendê-lo

e a ti, portanto, apresentamos a nossa fragilidade,

a nossa pobreza, o nosso coração apagado,

para que tu o reacendas com o calor da santidade da vida,

do amor fraterno e da potência do Reino.

Amém.

Fonte: http://leituraorantedapalavra.blogspot.com/2018/08/mt-181-51012-14-quem-e-mais-importante.html