Mantendo nossa mentalidade em Deus seremos pedra de salvação

Mt 16,13-23
Naquele tempo, Jesus foi à região de Cesaréia de Filipe e ali perguntou a seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?” Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; Outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”.

Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”.

Jesus, então, ordenou aos discípulos que não dissessem a ninguém que ele era o Messias. Jesus começou a mostrar aos seus discípulos que devia ir a Jerusalém e sofrer muito da parte dos anciãos, dos sumos sacerdotes e dos mestres da Lei, e que devia ser morto e ressuscitar no terceiro dia.

Então Pedro tomou Jesus à parte e começou a repreendê-lo, dizendo: “Deus não permita tal coisa, Senhor! Que isto nunca te aconteça!” Jesus, porém, voltou-se para Pedro, e disse: “Vai para longe, Satanás! Tu és para mim uma pedra de tropeço, porque não pensas as coisas de Deus, mas sim as coisas dos homens!”

Reflexão: Talvez você possa se assustar com o Evangelho de hoje, porque Jesus está primeiro elogiando, enaltecendo e exaltando a fé de Pedro, inclusive, está confirmando que ele é a pedra de salvação. Quando Pedro pensa como Deus, quando ele tem a mentalidade de um homem de Deus e se deixa guiar pela revelação divina e professa a sua fé em Jesus: “Tu és Cristo, o filho do Deus vivo”, Pedro se torna pedra de salvação e de edificação, usada para construir o Reino de Deus.

Quando o mesmo Pedro repreende Jesus, porque não quer que Ele passe pelo caminho da cruz, ele está pensando como os homens, e pior do que pensar como os homens, ele está pensando como o maligno. É por isso que Jesus o repreende: “Vai para longe, satanás! Tu és para mim uma pedra de tropeço, porque não pensas as coisas de Deus, mas sim as coisas dos homens!”.

No Reino de Deus também é assim, podemos ser pedra de salvação, pois a pedra de salvação é uma bênção. Queremos atravessar um rio e tem aquela pedra que podemos pisar para caminhar adiante, mas se tem uma pedra de tropeço, tropeçamos, caímos e a tragédia é grande.

Precisamos ser pedra de salvação no caminho dos homens e da construção do Reino de Deus. Se pensarmos com a mentalidade mundana, se renegarmos a cruz de Cristo, se não abraçarmos o Cristo crucificado, se não abraçarmos a nossa cruz de cada dia, tornaremo-nos pedra de tropeço no Reino de Deus, e é triste constatar que estamos nos atropelando demais.

Existem muitas pedras de tropeço nos nossos caminhos, porque nós, muitas vezes, nos tornamos pedras de tropeço no caminho de outros, pensamos com uma mentalidade mundana, pensamos no Reino dos Céus de forma humana e mundana, e não com a mentalidade de Deus.

Deus não quer que sejamos pedras de tropeço na vida de ninguém. Vai para longe de nós todo pensamento do mal, pois precisamos ser pedra de salvação no caminho e na vida dos nossos irmãos.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

Fonte: https://www.bibliatodo.com/Pt/reflexoes-biblicas/deus-fala-com-voce/

ORAÇÃO

Mestre, caminho entre o Pai e nós, tudo vos ofereço e de vós tudo espero. Jesus, caminho da santidade, tornai-me vosso fiel seguidor. Jesus caminho, tornai-me perfeito como o Pai que está nos céus. Jesus vida, vivei em mim, para que eu viva em vós. Jesus vida, não permitais que eu me separe de vós. Jesus Vida, fazei-me viver eternamente na alegria do vosso amor. Jesus verdade, que eu seja luz para o mundo. Jesus caminho, que eu seja vossa testemunha autêntica diante das pessoas. Jesus vida, fazei que minha presença contagie a todos com o vosso amor e a vossa alegria. Amém!

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2012/08/homilia-comentario-e-reflexao-do_8.html

Anúncios

Estamos do lado de fora ou estamos no meio destes que escutam a palavra e a colocam em prática

Mt 12,46-50
Naquele tempo, enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele. Alguém disse a Jesus: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo”. Jesus perguntou àquele que tinha falado: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?” E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.

Reflexão: Hoje esta palavra nos leva a nos questionar onde estamos no seguimento a Jesus, se somos estes que estamos do lado de fora ou estamos no meio destes que escutam a palavra e a colocam em prática.

Que hoje possamos ter a coragem de nos perguntar: Onde estou? Sinto-me parte desta família de Jesus? Como tenho vivido o meu Cristianismo? Sabemos que somos parte desta família se realizamos e fazemos a vontade de Deus, se vivemos segundo a sua palavra. Ser Cristão vai além de participar de missas, de rezar o terço ou de fazer parte de algum grupo da igreja, somos Cristãos quando a nossa vida está no centro da vontade de Deus, quando a nossa vida caminha de mãos dadas com a palavra de Deus e não vivemos uma vida divorciada da fé.

É muito fácil ser cristão dentro da igreja, o desafio ao qual somos chamados é sermos Cristãos dentro da faculdade, no ônibus, na empresa e nos ambientes onde o evangelho não se faz presente. A vida do Cristão é chamada a exalar o perfume de Cristo, quem se encontrar conosco precisa encontrar com a pessoa de Jesus. Que possamos nos questionar profundamente: Como tem sido os meus diálogos com as pessoas? Quem olha pra minha vida vê a Jesus? Que possamos neste momento fazer uma revisão de nosso seguimento e diante do olhar amoroso do Pai perguntar o que precisa ser mudado, o que está faltando para a caminhada tornar-se verdadeiramente cristã.

“Pois quem faz a vontade do meu Pai, que está no céu, é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.

E qual é vontade de Deus? A palavra de Deus nos diz que a Sua vontade é que todos tenham a vida e a tenham em abundância, somos chamados para a sermos estes doadores da vida, mas não podemos dar qualquer tipo de vida, temos que dar a vida de Deus, vida esta fruto de uma vida íntima com Deus, uma vida de oração diária.

Tem uma frase que Diz: “As palavras convencem, mas os testemunhos arrastam”. Que a nossa vida seja uma constante pregação e que pelo nosso testemunho muitos possam se encontrar com a palavra de Jesus. “Deus não chama os capacitados, mas capacita os chamados”.

Peçamos a Jesus e a Maria, que nos ensine e nos dê a sabedoria de viver a palavra de uma forma que atrai e que leve os outros a conhecer a Deus.

Fonte: http://www.lectionautas.com.br/2013/884/
foto

fonte:http://www.lectionautas.com.br/2013/884/

ORAÇÃO

Hoje, com Maria, irei ao encontro de Jesus, na certeza de que sou da sua família, porque faço a vontade de Deus. Amém!

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2012/07/homilia-comentario-e-reflexao-do_23.html

 

O maior milagre é a conversão e a mudança de vida

Mt 11,20-24
Naquele tempo, Jesus começou a censurar as cidades, onde tinha feito grande número de seus milagres, por terem recusado arrepender-se: “Ai de ti, Corozaim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se tivessem sido feitos em Tiro e em Sidônia os milagres que foram feitos em vosso meio, há muito tempo elas se teriam arrependido sob o cilício e a cinza. Por isso, vos digo: no dia do juízo, haverá menor rigor para Tiro e para Sidônia que para vós! E tu, Cafarnaum, serás elevada até o céu? Não! Serás atirada até o inferno! Porque, se Sodoma tivesse visto os milagres que foram feitos dentro dos teus muros, subsistiria até este dia. Por isso, te digo: no dia do juízo, haverá menor rigor para Sodoma do que para ti!”.

Reflexão: As pessoas querem milagres, curas e coisas mágicas, mas o maior milagre é a conversão e a mudança de vida. O milagre não é o espetáculo realizado em nome da fé, mas a nossa vida transformada.

Olhamos para a vida dos santos e queremos os milagres. Muitas vezes, as pessoas procuram santos que nem conhecem a história, mas sabem que ele realiza milagres, a causa dos impossíveis, as causas difíceis. Entretanto, precisamos olhar o milagre que Deus realizou na vida daquele santo, daquele homem e daquela mulher. Quando olhamos para a vida deles e vemos o que Deus fez, dizemos: “Realiza-se em mim, Senhor”.

O nosso impossível, as nossas causas difíceis estão projetadas, muitas vezes, em conquistas materiais, são dívidas que temos para pagar, situações que temos para resolver, curas que temos de alcançar. Às vezes, até conseguimos essas coisas, mas o essencial não se realizou.

Jesus está censurando as cidades onde Ele realizou boa parte de Seus milagres, pois as pessoas não compreenderam nem mergulharam na essência dos Seus milagres. Por isso, Jesus vai realizar pouquíssimos prodígios nessas cidades, como muitas vezes Ele não vai os realizar no nosso meio como muitos querem que aconteça.

Nossos olhares querem coisas mágicas no Céu, nossos olhares estão em busca de coisas extraordinárias. E não há nada mais extraordinário do que vidas convertidas e transformadas!

Quando eu olho para Francisco de Assis, nunca pedi uma graça para ele, mas eu só olho para ele e fico admirado, fico olhando e penso: “Que milagre é esse homem! O que ele era e o que se tornou depois que se encontrou com Jesus!”. Quando eu olho para Inácio de Loyola ou para Paulo, que era Saulo e se transformou.

Quando olho para a minha vida, encontro nela o milagre de Deus? Ele tem feito o milagre da transformação na minha vida? Eu vejo muitas convicções mudadas, mas eu sei que preciso que Deus realize o Seu milagre em mim. Eu não peço nada de material, não peço para Ele nada que seja focado em necessidades humanas. A minha humanidade tem sede de conversão, de santidade e mudança de santidade de vida. É esse milagre que eu quero e preciso a cada dia da minha vida.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

Fonte: http://paroquiadosnavegantestra.blogspot.com/2017/07/evangelho-do-dia-no-dia-do-julgamento.html

ORAÇÃO

Senhor, nós te agradecemos por este dia.

Abrimos nossas portas e janelas para que tu possas

Entrar com tua luz.

Queremos que tu Senhor, definas os contornos de

Nossos caminhos,

As cores de nossas palavras e gestos,

A dimensão de nossos projetos,

O calor de nossos relacionamentos e o

Rumo de nossa vida.

Podes entrar, Senhor em nossas famílias.

Precisamos do ar puro de tua verdade.

Precisamos de tua mão libertadora para abrir

Compartimentos fechados.

Precisamos de tua beleza para amenizar

Nossa dureza.

Precisamos de tua paz para nossos conflitos.

Precisamos de teu contato para curar feridas.

Precisamos, sobretudo, Senhor, de tua presença

Para aprendermos a partilhar e abençoar!

Amém!

Fonte: http://paroquiadosnavegantestra.blogspot.com/2017/07/evangelho-do-dia-no-dia-do-julgamento.html

Defender a vida é, entre as tarefas humanas, a que mais agrada a Deus

Mc 12,13-17

Naquele tempo, as autoridades mandaram alguns fariseus e alguns partidários de Herodes, para apanharem Jesus em alguma palavra. Quando chegaram, disseram a Jesus: “Mestre, sabemos que tu és verdadeiro, e não dás preferência a ninguém. Com efeito, tu não olhas para as aparências do homem, mas ensinas, com verdade, o caminho de Deus. Dize-nos: É lícito ou não pagar o imposto a César? Devemos pagar ou não?” Jesus percebeu a hipocrisia deles, e respondeu: “Por que me tentais? Trazei-me uma moeda para que eu a veja”. Eles levaram a moeda, e Jesus perguntou: “De quem é a figura e a inscrição que estão nessa moeda?” Eles responderam: “De César”. Então Jesus disse: “Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”. E eles ficaram admirados com Jesus.

Reflexão: Como é bom saber que Deus não olha a aparência dos seres humanos, mas a interioridade. Como é bom saber que Deus não faz acepção de pessoas. Todos fomos feitos à Tua imagem e semelhança. Para Deus somos todos lindos, cheios de talentos e com capacidade de mudar tantas coisas. Basta que acreditemos em nós mesmos e nas qualidades que recebemos de Deus. Todavia, os talentos recebidos não são para nosso gozo pessoal. Temos que ser capazes de colocar em comum os dons recebidos, sobretudo em ações de solidariedade. O Evangelho de hoje nos ensina que temos obrigações com Deus e com o mundo. O que não devemos fazer jamais é colocar Deus e César no mesmo patamar. Tudo o que pertence a este mundo é fugaz, termina. Só Deus e eterno. Ainda que fiquemos indignados com o mau uso do dinheiro público por parte de alguns “César” que atuam no poder público, temos que ter a capacidade de viver bem essas duas instâncias: a divina e a terrena. A boa educação e o respeito pelas realidades terrenas têm início dentro de nós mesmos. Temos direitos, mas também deveres, é verdade. E a melhor forma de sermos responsáveis com as realidades terrenas, é ajudando os seres humanos a terem vida com dignidade. É decepcionante constatar que nem todo o dinheiro dos nossos impostos são revertidos em benefício dos mais necessitados. Defender a vida é, entre as tarefas humanas, a que mais agrada a Deus e a que mais gera santidade e salvação. E só defenderá a vida quem coloca Deus em primeiro lugar na sua própria vida. Deus tem o primeiro lugar em nossas vidas? Conseguimos provar a presença d’Ele em nós com ações concretas? Então, realmente, temos fé. Fé sem obras perde a sua consistência.

Fonte:http://ironispuldaro.com.br/site/evangelho-marcos-1213-17/

fonte: http://paroquiaperpetuosocorro.net/3a-feira-da-9a-semana-do-tempo-comum.html

ORAÇÃO

Senhor Jesus, Tu que vês a minha interioridade e sabes que fui criado à Tua imagem e semelhança, renova em mim a Tua imagem sagrada. Desse modo serei capaz de reconhecer-Te novamente, sobretudo no rosto de cada irmão e de cada irmã. A Tua fortaleza em mim, Jesus, me ajude a ser capaz de entregar a vida na defesa da vida. Livra-me de fazer mau uso do dinheiro ou dos bens que disponho. Liberta-me da tentação do consumismo desenfreado. Educa-me para que eu consiga dar a César o que é de César, mas, a Ti, o que efetivamente Te pertence: o meu existir. Dá-me, Jesus, o dom da sensatez para que eu saiba cada vez mais que devo entregar a Ti o que tenho de melhor: A minha própria vida. Amém.

Fonte: http://ironispuldaro.com.br/site/evangelho-marcos-1213-17/

Muita coisa não muda em nossa vida, porque não deixamos Deus cuidar

Mc 11,11-26
Tendo sido aclamado pela multidão, Jesus entrou, no Templo, em Jerusalém, e observou tudo. Mas, como já era tarde, saiu para Betânia com os doze. No dia seguinte, quando saíam de Betânia, Jesus teve fome. De longe, ele viu uma figueira coberta de folhas e foi até lá ver se encontrava algum fruto. Quando chegou perto, encontrou somente folhas, pois não era tempo de figos. Então Jesus disse à figueira: “Que ninguém mais coma de teus frutos”. E os discípulos escutaram o que ele disse.

Chegaram a Jerusalém. Jesus entrou no Templo e começou a expulsar os que vendiam e os que compravam no Templo. Derrubou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos vendedores de pombas. Ele não deixava ninguém carregar nada através do Templo. E ensinava o povo, dizendo: “Não está escrito: ‘Minha casa será chamada casa de oração para todos os povos?’ No entanto, vós fizestes dela uma toca de ladrões”. Os sumos sacerdotes e os mestres da Lei ouviram isso e começaram a procurar uma maneira de o matar. Mas tinham medo de Jesus, porque a multidão estava maravilhada com o ensinamento dele. Ao entardecer, Jesus e os discípulos saíram da cidade. Na manhã seguinte, quando passavam, Jesus e os discípulos viram que a figueira tinha secado até a raiz. Pedro lembrou-se e disse a Jesus: “Olha, Mestre: a figueira que amaldiçoaste secou”. Jesus lhes disse: “Tende fé em Deus. Em verdade vos digo, se alguém disser a esta montanha: ‘Levanta-te e atira-te no mar’, e não duvidar no seu coração, mas acreditar que isso vai acontecer, assim acontecerá. Por isso vos digo, tudo o que pedirdes na oração, acreditai que já o recebestes, e assim será. Quando estiverdes rezando, perdoai tudo o que tiverdes contra alguém, para que vosso Pai que está nos céus também perdoe os vossos pecados”.

Reflexão: Jesus, no Evangelho de hoje, dá conselhos fundamentais e importantes para a nossa vida. Quero me deter em dois deles. O primeiro é a confiança na oração, a fé que precisamos ter quando nos dirigimos a Deus, quando elevamos o nosso coração a Ele.A oração acontece, primeiro, dentro do nosso coração, mas esperamos sempre resultados externos da oração. Nessa ocasião está o verdadeiro engano, pois a oração alcança, primeiro, o coração, que entra na comunhão e na sintonia com Deus.

Muitas vezes, rezamos, porque estamos passando por aflições, medos, receios, dúvidas e intranquilidades, as quais invadem a nossa alma. Quando nos colocamos, verdadeiramente, em espírito de oração, Deus tira as trevas que estão dentro de nós. Essa é a confiança que devemos ter, porque o coração está tenso, perturbado, inquieto, com medo do fracasso, da derrota, medo de não dar conta e não acontecer.

Na oração, vem a convicção mais profunda que precisamos: tudo está nas mãos de Deus, já não somos mais nós que cuidamos, é Deus que cuida daquilo que confiamos a Ele. Por isso, tudo o que pedirmos, na oração, tenhamos a convicção de que assim será cuidado por Deus, estará nas mãos d’Ele.

Muita coisa não muda em nossa vida, porque não deixamos Deus cuidar. Queremos orações mágicas, mas esta é a elevação da alma ao coração de Deus, é o encontro de corações, é o encontro do Deus amor, Deus bondade e ternura, que cuida do nosso coração aflito, tenso, preocupado e perturbado. Na oração, confiamos que o Senhor está cuidando de nós!

A segunda coisa importantíssima quando estivermos rezando é perdoar tudo que temos contra alguém. Essa é a segunda grande graça da oração, porque nós sempre temos alguma coisa contra o outro, sempre ficamos chateados, revoltados, magoados, aflitos, porque alguém nos machucou, feriu.

Quando o bálsamo do perdão invade nossa alma, experimentamos a paz mais profunda que nada neste mundo pode nos dar ou fazer alcançar. Por isso, a oração é verdadeira quando experimentamos a confiança e o abandono em Deus, quando tiramos as amarras do ressentimento, da mágoa e do ódio que estão em nós pela força do perdão.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com/homilia/oracao-e-elevacao-da-alma-ao-coracao-de-deus/?sDia=1&sMes=06&sAno=2018

ORAÇÃO

“Jesus, Mestre:

que eu pense com a tua inteligência, com a tua sabedoria.

Que eu ame com o teu coração.

Que eu veja com os teus olhos.

Que eu fale com a tua língua.

Que eu ouça com os teus ouvidos.

Que as minhas mãos sejam as tuas.

Que os meus pés estejam sobre as tuas pegadas.

Que eu reze com as tuas orações.

Que eu celebre como tu te imolaste.

Que eu esteja em ti e tu em mim. Amém”.

Fonte:http://www.catequisar.com.br/texto/ev/2010/maio/28.htm

Quanto mais nos alimentarmos de Jesus, mais nos pareceremos com Ele e mais seremos reconhecidos pelo Pai

Mc 14,12-16.22-26
No primeiro dia dos Ázimos, quando se imolava o cordeiro pascal, os discípulos disseram a Jesus: “Onde queres que façamos os preparativos para comeres a Páscoa?” Jesus enviou então dois dos seus discípulos e lhes disse: “Ide à cidade. Um homem carregando um jarro de água virá ao vosso encontro. Segui-o e dizei ao dono da casa em que ele entrar: ‘O Mestre manda dizer: onde está a sala em que vou comer a Páscoa com os meus discípulos?’ Então ele vos mostrará, no andar de cima, uma grande sala, arrumada com almofadas. Aí fareis os preparativos para nós!” Os discípulos saíram e foram à cidade. Encontraram tudo como Jesus havia dito, e prepararam a Páscoa. Enquanto comiam, Jesus tomou o pão e, tendo pronunciado a bênção, partiu-o e entregou-lhes, dizendo: “Tomai, isto é o meu corpo”. Em seguida, tomou o cálice, deu graças, entregou-lhes, e todos beberam dele. Jesus lhes disse: “Isto é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos. Em verdade vos digo, não beberei mais do fruto da videira, até o dia em que beberei o vinho novo no Reino de Deus”. Depois de ter cantado o hino, foram para o monte das Oliveiras.

Reflexão:  No Oriente antigo, o sangue simbolizava a totalidade da vida de um ser, animal ou humano. Por isso, quando o sangue de um animal era oferecido a Deus, na verdade o que se ofertava era a vida da pessoa que fazia a oferenda.
O termo sacrifício significa “tornar sagrado”; portanto, quando o sacerdote colocava o sangue do animal sobre o altar, a vida da pessoa ofertante é que se tornava sagrada, ou seja, consagrada a Deus. A ideia de “Sacrifício” não tinha a atual conotação de “realização de algo difícil ou penoso”, mas de santificação ou sacralização da vida.
Antes de derramar o sangue na cruz, Jesus fez de sua vida uma oferta a Deus e à humanidade. Por isso ele antecipa, no gesto profético da última ceia, o que se dará no momento culminante do dom de si mesmo, a morte na cruz. É por causa de uma vida inteira ofertada, a Deus e ao outro, que a morte de Jesus, cume dessa oferta, pode ser chamada de sacrifício. A vida inteira de Jesus é sacrifício, é uma vida consagrada, santificada. Jesus oferta a própria vida como nosso representante.
Sua obediência e fé integral nos substituem, já que não conseguimos ser obedientes e fiéis da mesma forma. Sua vida humana sem pecados nos liberta do pecado, sua ressurreição nos liberta da morte. Em tudo isso Jesus nos representa e nos substitui. Cessam daqui por diante os antigos sacrifícios de animais. O sangue, a vida ofertada da nova aliança é o que vigora doravante.
As palavras do Senhor: “Isto é o meu corpo… isto é o meu sangue”, “tomai e comei… tomai e bebei”, deveriam nos recordar de que nos compete assimilar em nossa vida as características da vida de Jesus.
Dessa forma, no Corpo e Sangue de Cristo vive e cresce a Igreja, com os fiéis continuamente se alimentando de amor, de fidelidade, de doação ao outro, de perdão e de todos os aspectos de vida de Jesus.

O Corpo e sangue de Cristo são centro e sustentáculo da vida cristã. Por isso, quem deles se alimenta há que aceitar participar da doação de vida realizada por Cristo, em adesão à vontade do Pai e em doação ao próximo. Assim, por meio da Eucaristia, os fiéis vivem o mistério da vida, morte e ressurreição de Cristo, celebrando agora a comunhão sem fim na glória eterna.
Fonte: http://cristaocomapalavra.blogspot.com/2015/06/solenidade-do-santissimo-corpo-e-sangue.html

Fonte: http://navegarmaradentro12.blogspot.com/2015/06/evangelio-segun-san-marcos-1412-1622-26.html

ORAÇÃO

Senhor Jesus, possa a Eucaristia recordar-me sempre que pertenço ao povo redimido por ti e a caminho da casa do Pai. Amém!

Fonte: http://liturgia.catequisar.com.br/corpus-christi-mc-1412-16-22-26/?future=all

Sejamos o sal que dá bom gosto ao amor, ao serviço e à caridade

Mc 9,41-50
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Quem vos der a beber um copo de água, porque sois de Cristo, não ficará sem receber a sua recompensa. E se alguém escandalizar um desses pequeninos que creem, melhor seria que fosse jogado no mar com uma pedra de moinho amarrada ao pescoço. Se tua mão te leva a pecar, corta-a! É melhor entrar na Vida sem uma das mãos, do que, tendo as duas, ir para o inferno, para o fogo que nunca se apaga. Se teu pé te leva a pecar, corta-o! É melhor entrar na Vida sem um dos pés, do que, tendo os dois, ser jogado no inferno. Se teu olho te leva a pecar, arranca-o! É melhor entrar no Reino de Deus com um olho só, do que, tendo os dois, ser jogado no inferno, ‘onde o verme deles não morre, e o fogo não se apaga’”. Pois todos hão de ser salgados pelo fogo. Coisa boa é o sal. Mas se o sal se tornar insosso, com que lhe restituireis o tempero? Tende, pois, sal em vós mesmos e vivei em paz uns com os outros.”

Reflexão: Jesus é muito exigente com seus seguidores. Simplesmente, Jesus nos diz que temos que saber renunciar às coisas que nos fazem mal, ainda que sejam coisas que gostamos muito, mas que podem ser motivo de pecado e de vicio. São Gregório deixou escrito « não temos que desejar as coisas que só nos satisfazem as necessidades materiais e pecaminosas». Jesus exige que sejamos radicais. Em outro trecho do Evangelho também diz: «Quem buscar sua vida a perderá, e quem perder sua vida por causa de mim a encontrará» (Mt 10,39). Por outro lado, esta exigência de Jesus quer ser uma exigência de amor e crescimento. Não ficaremos sem a sua recompensa. O que dará sentido às nossas coisas tem que ser sempre o amor: temos que aprender a dar um copo de água a quem o necessita, e não por interesse pessoal, senão por amor. Temos que descobrir Jesus Cristo nos mais necessitados e pobres. Jesus só denuncia severamente e condena aos que fazem mal e escandalizam e aos que afastam os pequenos do bem e da graça de Deus. Finalmente, todos temos que passar a prova do fogo. É o fogo da caridade e do amor que purifica os nossos pecados, para poder ser o sal que dá bom gosto ao amor, ao serviço e à caridade. Na oração e na Eucaristia é onde encontramos a força da fé e o bom gosto do sal de Cristo.

Fonte: http://evangeli.net/evangelho/feria/2018-05-24