Sejamos o sal que dá bom gosto ao amor, ao serviço e à caridade

Mc 9,41-50
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Quem vos der a beber um copo de água, porque sois de Cristo, não ficará sem receber a sua recompensa. E se alguém escandalizar um desses pequeninos que creem, melhor seria que fosse jogado no mar com uma pedra de moinho amarrada ao pescoço. Se tua mão te leva a pecar, corta-a! É melhor entrar na Vida sem uma das mãos, do que, tendo as duas, ir para o inferno, para o fogo que nunca se apaga. Se teu pé te leva a pecar, corta-o! É melhor entrar na Vida sem um dos pés, do que, tendo os dois, ser jogado no inferno. Se teu olho te leva a pecar, arranca-o! É melhor entrar no Reino de Deus com um olho só, do que, tendo os dois, ser jogado no inferno, ‘onde o verme deles não morre, e o fogo não se apaga’”. Pois todos hão de ser salgados pelo fogo. Coisa boa é o sal. Mas se o sal se tornar insosso, com que lhe restituireis o tempero? Tende, pois, sal em vós mesmos e vivei em paz uns com os outros.”

Reflexão: Jesus é muito exigente com seus seguidores. Simplesmente, Jesus nos diz que temos que saber renunciar às coisas que nos fazem mal, ainda que sejam coisas que gostamos muito, mas que podem ser motivo de pecado e de vicio. São Gregório deixou escrito « não temos que desejar as coisas que só nos satisfazem as necessidades materiais e pecaminosas». Jesus exige que sejamos radicais. Em outro trecho do Evangelho também diz: «Quem buscar sua vida a perderá, e quem perder sua vida por causa de mim a encontrará» (Mt 10,39). Por outro lado, esta exigência de Jesus quer ser uma exigência de amor e crescimento. Não ficaremos sem a sua recompensa. O que dará sentido às nossas coisas tem que ser sempre o amor: temos que aprender a dar um copo de água a quem o necessita, e não por interesse pessoal, senão por amor. Temos que descobrir Jesus Cristo nos mais necessitados e pobres. Jesus só denuncia severamente e condena aos que fazem mal e escandalizam e aos que afastam os pequenos do bem e da graça de Deus. Finalmente, todos temos que passar a prova do fogo. É o fogo da caridade e do amor que purifica os nossos pecados, para poder ser o sal que dá bom gosto ao amor, ao serviço e à caridade. Na oração e na Eucaristia é onde encontramos a força da fé e o bom gosto do sal de Cristo.

Fonte: http://evangeli.net/evangelho/feria/2018-05-24

Anúncios

Aproximar-se da Cruz significa também aproximar-se do momento da Redenção

Jo 3,14-21
Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: “Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado, para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna. Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna. De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele. Quem nele crê, não é condenado, mas, quem não crê, já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho unigênito. Ora, o julgamento é este: a luz veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas à luz, porque suas ações eram más. Quem pratica o mal odeia a luz e não se aproxima da luz, para que suas ações não sejam denunciadas. Mas quem age conforme a verdade aproxima-se da luz, para que se manifeste que suas ações são realizadas em Deus”.

Reflexão: Nesse tempo de conversão, que é a Quaresma, meditemos na Cruz, na alegria da Cruz! É sempre o mesmo júbilo de estar com Cristo: “Somente d’Ele é que cada um de nós pode dizer com plena verdade, juntamente com S. Paulo: “Ele me amou e se entregou por mim” (Gal 2,20). Daí deve partir a vossa alegria mais profunda, daí deve advir também a vossa força e o vosso ponto de apoio. Se, por desgraça, deveis encontrar amarguras, padecer sofrimentos, experimentar incompreensões e até cair em pecado, que o vosso pensamento se dirija rapidamente para Aquele que vos ama sempre e que, com o seu amor ilimitado, faz vencer todas as provas, preenche todos os nossos vazios, perdoa todos os nossos pecados e nos impele com entusiasmo para um caminho novamente seguro e alegre” (São João Paulo II).

A Igreja quer recordar-nos que a alegria é perfeitamente compatível com a mortificação e a dor. O que se opõe à alegria é a tristeza, não a penitência!Vivendo com profundidade o tempo da Quaresma que conduz à Paixão – e portanto à dor -, compreendemos que aproximar-se da Cruz significa também aproximar-se do momento da Redenção, e por isso a Igreja e cada um dos seus filhos se enchem de alegria. A mortificação que procuramos viver nestes dias não deve ofuscar a nossa alegria interior, mas, pelo contrário, deve fazê-la crescer, porque está prestes a realizar-se essa prova máxima de amor pelos homens que é a Paixão, e é iminente o júbilo da Páscoa. Por isso queremos estar muito unidos ao Senhor, para que também na nossa vida se repita o mesmo processo da sua: chegarmos, pela sua Paixão e Cruz, à glória e à alegria da sua Ressurreição.

Os sofrimentos e as tribulações acompanham todos os homens na terra, mas o sofrimento, por si só, não transforma nem purifica; pode até causar revolta e ódio. Alguns cristãos separam-se do Mestre quando chegam até a Cruz, porque esperavam uma felicidade puramente humana, que estivesse isenta de dor e acompanhada de bens naturais.

Para O amarmos com obras, o Senhor pede-nos que percamos o medo à dor, às tribulações, e o procuremos onde Ele nos espera: na Cruz. A nossa alma ficará então mais purificada e o nosso amor mais forte. Então compreenderemos que a alegria está muito perto da Cruz. Mais ainda: que nunca seremos felizes se não amarmos o sacrifício.

Essas tribulações que, à luz exclusiva da razão, nos parecem injustas e sem sentido, são necessárias para a nossa santidade pessoal e para a salvação de muitas almas. No mistério da co-redenção, a nossa dor, unida aos sofrimentos de Cristo, adquire um valor incomparável para toda a Igreja e para toda a Humanidade. A dor, quando lhe damos o seu verdadeiro sentido, quando serve para amar mais, produz uma paz íntima e uma profunda alegria. Por isso, em muitas ocasiões, o Senhor abençoa-nos com a Cruz.

Assim temos que percorrer “o caminho da entrega: a Cruz às costas, com um sorriso nos lábios, com uma luz na alma” (São Josemaria Escrivá, Via Sacra, II º est.).

Sigamos Jesus com alegria, até Jerusalém, até o Calvário, até a Cruz. Além disso, “não é verdade que, mal deixas de ter medo à Cruz, a isso que a gente chama de cruz, quando pões a tua vontade em aceitar a Vontade divina, és feliz, e passam todas as preocupações, os sofrimentos físicos ou morais?” (São Josemaria Escrivá, Via Sacra, IIº est.).

Fonte: http://www.presbiteros.com.br/site/homilia-do-mons-jose-maria-–-iv-domingo-da-quaresma-–-ano-b/

Fonte: http://www.senhoradasgracas.org/2017/06/08/quem-nao-crer-ja-esta-condenado-condenado-a-que-jo-314-21/

ORAÇÃO

Deus e Pai, nós vos louvamos pelo vosso infinito amor e vos agradecemos por ter enviado Jesus, o Filho amado, nosso irmão. Ele veio trazer paz e fraternidade à terra e, cheio de ternura e compaixão, sempre viveu relações repletas de perdão e misericórdia. Derrama sobre nós o Espírito Santo, para que, com o coração convertido, acolhamos o projeto de Jesus e sejamos construtores de uma sociedade justa e sem violência, para que, no mundo inteiro, cresça o vosso Reino de liberdade, verdade e de paz. Amém.
Fonte: http://liturgia.catequisar.com.br/deus-deu-ao-mundo-o-seu-filho-unico-jo-314-21/

 

 
 

A Lei da vida é justamente amar, acima de tudo a Deus e depois ao próximo

Mateus 22,34-40

Naquele tempo, os fariseus ouviram dizer que Jesus tinha feito calar os saduceus. Então eles se reuniram em grupo, e um deles perguntou a Jesus, para experimentá-lo: ”Mestre, qual é o maior mandamento da Lei?” Jesus respondeu: “ ‘Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento!’ Esse é o maior e o primeiro mandamento. O segundo é semelhante a esse: ‘Amarás ao teu próximo como a ti mesmo’. Toda a Lei e os profetas dependem desses dois mandamentos”.

Reflexão:  Todos nós precisamos de instruções para caminhar na vida. Algumas instruções e regras são básicas e fundamentais, e se as cumprirmos, se as colocarmos como fio condutor daquilo que fazemos, as outras coisas serão iluminadas; teremos capacidade, força e luz interior para colocarmos em prática as obrigações da vida.

Muitas pessoas dizem assim: “A vida não tem manual. Temos de descobrir como se vive. É como se Deus tivesse nos jogado no mundo. O que faremos com essa vida?”.

Deus nos chamou e nos deu condições para vivermos no mundo como está, com todas as riquezas que ele tem. Mais do que isso: Ele nos deu também regras para bem vivermos neste mundo. Se não negligenciarmos, mas nos aplicarmos para vivê-las, podemos ter a certeza de que não nos faltará luz.

A primeira delas é amarmos a Deus sobre todas as coisas. Se há desordem na vida, é por falta de amor, pois o amor dá toda ordem para a vida, mas a falta dele cria todas as desordens. Muitos dizem: “Eu amo!”. Não é simplesmente questão de amar, mas o fazer de forma correta, amar o que tem que de ser amado em primeiro lugar.

Se Deus não é o amor primeiro da nossa vida, os outros amores estarão em desordem dentro de nós. Podemos amar Deus, mas se Ele não é o nosso primeiro amor, se não é o amor fundamental e primordial da nossa vida, perdemo-nos. Temos de amar a Deus com todo entendimento, com força, vontade e tudo aquilo que somos. Assumamos essa primazia do amor de Deus na nossa vida.

Quando amamos Deus sobre todas as coisas, temos a graça d’Ele para amar nosso próximo, que não é menos importante, mas tão determinante e sério quanto Seu amor. É com o amor que temos de Deus que vamos também amar nosso próximo. Aí, sim, vamos poder cuidar das outras coisas da nossa vida.

Não deixemxzos de seguir a Lei da vida, que é justamente amar, acima de tudo, Aquele que nos criou, e depois amar aqueles que Deus colocou ao nosso lado para ser nossos irmãos. Se assim fizermos, abençoados seremos, e a nossa vida caminhará sempre na graça.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

Fonte: http://paroquiasfassis.blogspot.com.br/2015/08/homilia-do-dia-que-o-amor-deus-seja.html

ORAÇÃO

 

Senhor Deus, Pai Santo, todo Teu é o nosso amor de Filhos. Sim, Te amamos com toda nossa força, alma e coração. O nosso amor a Ti, incondicional e total, nada mais é do que uma “reposta” ao imenso amor que tens pela humanidade, por cada uma de nós. E como é belo o Teu amor, sempre cheio de ternura, misericórdia, paciência conosco, pronto a perdoar nossos pecados, a nos acolher na Tua presença e comunhão de vida. Glórias sejam dadas a Ti, o Deus Uno e Trino, pelo Teu poder demonstrado no gesto mais profundo de amor: a doação de Teu Filho na Cruz para nos salvar das trevas da morte e do pecado. Diante da Tua Palavra de hoje, oh Cristo, sentimos o quanto nos ama e quão profunda É tua relação de Amor com o Pai. Ensina-nos que o amor a Deus se revela no amor ao próximo. Pede-nos, exorta-nos, a amar sempre, a não descurar do amor aos homens em favor do amor a Deus, bem como deixar de servir a Deus em função do amor dos homens. Ajuda-nos a não separar fé e obras, oração e vida, fazer e ser. Que o amor a Ti, por meio de nosso culto, oração e adoração, seja encontrado especialmente na nossa caridade, solidariedade, capacidade de perdoar e acolher a cada irmão de nós se aproxima e pede ajuda e socorro. Amém.
Fonte: http://blogs.odiario.com/padredivanpedro/2014/10/26/evangelho-amar-a-deus-e-a-proximo/

O sinal e o milagre que devemos buscar

Mateus 12,38-42

Naquele tempo, alguns mestres da Lei e fariseus disseram a Jesus: “Mestre, queremos ver um sinal realizado por ti”. Jesus respondeu-lhes: “Uma geração má e adúltera busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal do profeta Jonas.
Com efeito, assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim também o Filho do Homem estará três dias e três noites no seio da terra. No dia do juízo, os habitantes de Nínive se levantarão contra essa geração e a condenarão, porque se converteram diante da pregação de Jonas. E aqui está quem é maior do que Jonas. No dia do juízo, a rainha do Sul se levantará contra essa geração, e a condenará, porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. E aqui está quem é maior do que Salomão”.

Reflexão: Precisamos saber o que está por detrás do “ sinal de Jonas” e o que tem a ver a Rainha do Sul e Salomão com Jesus, para entender melhor a resposta de Jesus no Evangelho de hoje. Fazendo uma releitura de Jonas e encontraremos o sentido dela.
Ora, pois bem, Jonas foi um profeta que recebeu uma mensagem de Deus para ir à cidade de Nínive, capital da Assíria, e avisar que Deus iria destruir a cidade se o povo não se convertesse, pois a malícia de Nínive tinha subido até o Senhor! Jonas não realizou nenhum milagre em Nínive, mas toda a população, inclusive o rei, vestiu-se de saco dos pés a cabeça e se sentou sobre as cinzas. Aconteceu que Nínive se converteu, e Deus desistiu de destruir a cidade.
A Rainha do Sul, mais especificamente de Sabá, era matriarca de um dos reinos mais ricos da Antiguidade. Ela ouviu falar da Sabedoria de Salomão e não acreditou até que foi comprovar, com os próprios olhos, se era verdade. Preparou as perguntas mais difíceis e Salomão respondeu todas. Ela ficou bastante admirada e presenteou Salomão com a maior quantidade de ouro, especiarias, pedras preciosas e madeira que ele já recebera.
Jesus afirmou que para aquela geração que queria um sinal para poder acreditar nEle, seria dado o sinal de Jonas, ou seja, a profecia. Se Nínive, que era cheia de malícia, foi capaz de acreditar em Jonas, então aquela geração também deveria acreditar em Jesus, que foi maior do que Jonas.
Do mesmo jeito que a Rainha do Sul veio de longe para comprovar a sabedoria de Salomão, muitos vieram de longe para comprovar a sabedoria de Jesus. A Rainha de Sabá acreditou em Salomão, então aquela geração também deveria acreditar em Jesus, que foi maior que Salomão.
E a nossa geração, seria classificada de má por Jesus? Não tenha dúvida que sim! Nós buscamos o Senhor somente quando a nossa situação aperta, voltamos para a igreja somente quando precisamos e nos esquecemos de buscar o Senhor porque o maior sinal que o mundo poderia receber do seu amor já foi dado quando Ele deu o seu próprio Filho Jesus por nossa salvação, esse é o maior sinal que Deus poderia dar a humanidade.
Jesus morreu por cada um de nós e ainda pedimos um sinal ao Senhor, ainda murmuramos, ainda dizemos que Deus se esqueceu de nós. Devemos buscar o Senhor porque Ele é bom e se faz presente diariamente em nossa vida. A cada momento o Senhor toca o seu coração revelando a ti a sua misericórdia.
Veja as palavras do Senhor hoje: uma geração má e adultera busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, a não ser o do profeta Jonas. É para mim e para ti que Jesus dirige estas palavras, pois vivemos em uma geração, numa sociedade adúltera e depravada, onde os valores familiares e cristãos estão se perdendo a cada dia, os ensinamentos do Senhor não estão sendo levado a sério, seus pastores estão ensinando o que pensam e o que acham, e ainda pedimos um sinal do Senhor: Mestre queremos ver um sinal realizado por ti…
… Devemos buscar a santidade. Alías, não temos outra finalidade senão a de ser santos, justos para com o Senhor, não podemos nos ajuntar aos demais que insistem em agredir e adulterar o amor de Deus em seus corações.
Devemos deixar que o Espírito Santo reinflame em nós a fidelidade para com nosso Deus que é eterno e que nos deu o maior sinal que poderíamos ter. E veja que interessante: nós devemos “ser sinal” para as outras pessoas. Devemos ser outro Jesus que supera a sabedoria de Salomão e maior do Jonas no profetismo. Sabe para que Deus escolheu povo de Israel? Para difundir a Boa Nova do Reino dos Céus. Hoje, você, que está lendo esta homilia, faz parte do povo escolhido, que tem a missão de difundir o Reino a toda criatura. Como seria bom se Deus aceitasse nossa oferta de uma dose extra de fé e amor por todos aqueles que não crêem, não esperam, não adoram, e não O amam! Por todos esses, Senhor, estamos aqui! Dá-nos a graça de sermos fortes e firmes na fé, na esperança e na confiança em Vós para que possamos ser verdadeiros apóstolos e missionários seus cada um vivendo na íntegra a sua missão!
Fonte Padre Bantu Mendonça

fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2014/07/homilia-diaria-comentario-e-reflexao-do_1383.html

imagem fonte:http://ew-willianlira.blogspot.com.br/2015/05/distancia-zero-oracao-deus.html

 

ORAÇÃO

Jesus, Mestre,
que eu pense com a tua inteligência, com a tua sabedoria.
Que eu ame com o teu coração.
Que eu veja com os teus olhos.
Que eu fale com a tua língua.
Que eu ouça com os teus ouvidos.
Que as minhas mãos sejam as tuas.
Que os meus pés estejam sobre as tuas pegadas.
Que eu reze com as tuas orações.
Que eu celebre como tu te imolaste.
Que eu esteja em ti e tu em mim. Amém.
(Bem-aventurado Tiago Alberione)

fonte: http://leituraorantedapalavra.blogspot.com.br/2011/07/mt-1238-42-cada-dia-muitos-sinais-de.html

São as ações concretas que revelarão os verdadeiros discípulos de Jesus

Jesus e João Batista – Mt 11,16-19
Com quem vou comparar esta geração? É parecida com crianças sentadas nas praças, gritando umas para as outras: “Tocamos flauta para vós, e não dançastes. Entoamos cantos de luto e não chorastes!”. Veio João, que não come nem bebe, e dizem: “Tem um demônio”. Veio o Filho do Homem, que come e bebe, e dizem: “É um comilão e beberrão, amigo de publicanos e de pecadores”. Mas a sabedoria foi reconhecida em virtude de suas obras.

Reflexão: Esse evangelho me lembra uma comparação interessante e que cai bem para esse momento:
“(…) Você compra uma casa nova e lhe perguntam como ela é. Você responde que tem seis (6) quartos, sendo três (3) suítes, duas cozinhas, duas salas, área reservada para lazer, com churrasqueira, (…). Creia, vai ter sempre um que vai dizer que você é SOBERBO. Você então aprende com a correção e ao ser perguntado novamente diz que é uma casa boa e de bom padrão e convidá-os para conhecê-la. Ao chegar lá e dar de cara com todos aqueles quartos, banheiros e salas, sempre vai ter aquele que vai dizer: HUM! CARINHA DE FALSA MODÉSTIA! FINGINDO DE HUMILDE”! (risos)
Reparem se o exemplo dado não cabe certinho com a situação de Jesus? Não adiantava o que o Senhor dissesse ou fizesse, Ele estaria sempre equivocado aos olhos daqueles que não queriam ver a verdade, ou melhor, só queriam ouvir a SUA VERDADE.
“(…) Há homens que se agarram a sua opinião, não por ser verdadeira, mas simplesmente por ser sua” (Santo Agostinho)
Mas o que fazer? Como não perder a motivação, o brilho e principalmente a fé mediante as perseguições, as calúnias, as injúrias que recebemos? Aprendemos que, quando isso ocorre no trabalho a Justiça nos ampara pela lei que pune o assédio moral; quando somos pequenos temos nossos pais para nos defender, mas e agora, quem pode nos defender das persistentes frentes de caluniadores que nos cercam? “(…) Porém é pelos seus resultados que a sabedoria de Deus mostra que é verdadeira”.
Carrego comigo uma fé e um pensamento que diz que todas as vezes que um filho de Deus for caluniado injustamente por alguém, até mesmo no mesmo dia aparecem dois ou três anjos de Deus que nos fazem acreditar do contrário. Que por maior que seja a dureza do opressor, é a força enraizada na fé do oprimido, que hoje se faz pequena e humilhada, que acaba gerando frutos. Quantas pessoas conhecemos que mesmo mediante a tantas críticas e fofocas consegue mesmo assim obter êxito nas suas tarefas?
Jesus se fez pequeno e indefeso numa manjedoura de uma cidade pequena de uma terra muito pobre; cresceu e foi majestoso sem perder a humildade. Humano, mas 100% divino. Olhou no coração e nos olhos de 12 homens sem talento algum, onde semeou a esperança de ver um mundo melhor, mais humano e fraterno. Esses doze homens simples deram frutos 100 por um. Todos foram perseguidos, quase na totalidade deles foram martirizados, mas não abandonaram a fé.
Outro homem precisou cair do cavalo pra entender a dinâmica da vida. Sonhou um dia poder ver a volta de Jesus, mas não se frustrou na velhice por não ter conseguido antecipar o momento que o Senhor voltaria. Olhou dentro de si, lembrou por onde percorreu e que mesmo manco conseguiu alcançar. Talvez estivesse olhando ou contemplando o céu quando escreveu aos seus a mensagem: “Combati o bom combate e guardei a fé”.
E nós? Como estamos?

fonte: http://deusemaior.com.br/2011/12/09/evangelho-de-hoje-09122011-mateus-11-16-19/

fonte: http://leituraorantedapalavra.blogspot.com.br/2011/12/mt-1116-19-onde-se-ve-sabedoria-de-deus.html

ORAÇÃO

Pai, que eu não me deixe bloquear pelas críticas, quando minha vida for um testemunho de serviço ao Reino, expressão de minha adesão a teu Filho Jesus. Amém.

fonte: http://www.paulinas.org.br/diafeliz/pt-br/?system=evangelho&id=5435

 

Deus não quer saber se frutificamos muito ou pouco, mas que frutifiquemos

Reflexão: O evangelista Lucas nos relatou que um homem nobre entregou cem moedas de prata para cada empregado para que eles pudessem multiplicá-los. A palavra “entregar” nos faz pensarmos no dom. Isto significa que ninguém escolhe os dons recebidos. Simplesmente cada um recebeu os dons de Deus. Eles são fruto da benevolência divina e não por nossos méritos. Ao Deus nos dar os talentos conforme a capacidade de cada um de nós, o evangelho quer nos dizer que Deus nos ama, tem confiança em nós e na nossa capacidade, nos estima, e por isso, deu-nos uma missão a realizar na vida conforme a capacidade de cada um de nós. Deus nunca dá seus dons ou talentos acima de nossa capacidade. Diante da confiança depositada em mim por Deus, eu tenho que ter uma justa confiança em mim mesmo, porque, se assim não for, não posso revelar os meus dons ou talentos, não posso pôr a render os talentos que Deus me deu, não posso agir e produzir e fechar-me em mim mesmo, triste, na minha árida esterilidade e terminarei minha passagem neste mundo como pessoa ressentida pela vida vivida pela metade. Como é triste morrer sem ter sabido viver e como é triste viver sem aprender a morrer.

Se os dons são dados por Deus para cada um de nós gratuitamente, isto significa que estamos no mundo de gratuidade. Viver no mundo de gratuidade nos faz vivermos na constante gratidão e na permanente ação de graças que se traduz na generosidade com os demais. Viver na gratidão e na permanente ação de graças é uma grande revelação de que somos capazes de olhar para a vida e seus acontecimentos com o olhar positivo, com o olhar do Senhor. Quem vive na constante gratidão suas forças se renovam, sua auto-estima aumenta e seu ânimo de viver se dobra cada dia. E se tudo que temos e somos é o fruto da generosidade de Deus, cada um precisa ser prolongamento dessa generosidade divina partilhando e dividindo com os outros o que se tem e o que se é. A generosidade é o caminho de libertação das garras do apego das coisas terrenas. Mesmo que tenhamos dificuldade de largar o apego, um dia, quando chegar nosso momento nós seremos obrigados a renunciar a tudo que temos.

Para o evangelista Lucas, a história da salvação é dividida em três partes. Primeiro, o tempo de Israel. A história da salvação tem suas raízes no passado representado pelo Antigo Testamento, isto é, no tempo de Israel e em suas promessas. Segundo, o tempo de Jesus. Para Lucas, Jesus e seu ministério público representam o centro do tempo. Terceiro, o tempo da Igreja. O Espírito Santo (Pentecostes) funda a missão da Igreja.

Lendo a parábola dentro dessa divisão de tempo entendemos que o tempo da Igreja, isto é, o espaço da vida terrena é um tempo de plantio, floração, frutificação. Semear a bondade é a tarefa de cada cristão. A bondade é o único investimento que nunca falha. Ninguém pode esperar trigo, se na vida vive plantando o joio que só danifica o que é bom. Mas a bondade triunfará, pois Deus é o Supremo Bem. Nós não somos os donos do espaço e do tempo de nossa vida. Somos criaturas de Deus. O documento Lúmen Gentium do Concílio Vaticano II afirma: “Todos os fieis cristãos são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade” (LG 40). Ou na linguagem de São Paulo: “A caridade é o pleno cumprimento da lei” (Rm 13,10).

O Senhor confiou à Sua Igreja uns ministérios, uns dons ou talentos. E um dia todos serão chamados a prestar contas. Dons são de Deus. O homem é administrador dos dons. Alguns os fazem frutificar em serviços, solidariedade e fortalecimento dos ministérios para o bem comum. Estes verão o fruto de suas boas obras. Outros, somente esperam que seus ministérios lhes sirvam como um simples título de prestígio. Os que foram negligentes com seu ministério e sepultaram seus dons, verão como seu nome desaparecerá.

A mensagem da parábola é clara. Temos que ser criativos até a chegada da segunda vinda do Senhor na nossa vida (parusia). O Senhor nos concede Seus dons para continuarmos construindo Seu projeto do Reino. Ele faz de nós pequenos criadores (ser criativos). Pode ser que a cultura atual seja uma fábrica de passividade. Mas os cristãos continuam sendo, “geneticamente”, criativos, pois o Senhor concede-lhes dons para serem frutificados ou multiplicados. Sem exageros, podemos dizer que nascemos gênios, mas muitos morrem na mediocridade por falta de esforço.

Para ter muita imaginação temos que ter muita memória. Grande parte das operações chamadas “criadoras” depende de uma hábil exploração da memória. Com efeito, a desvinculação das raízes (memória), a falta da profundidade impede a criatividade. Quando se elimina a memória (raiz), se elimina também a criatividade profunda.

Afinal, a vida cristã não consiste em estar pendente do futuro. A existência cristã se joga no presente e por isso, não consiste na simples espera ou expectativa, e sim no compromisso de amor. Deus não quer saber se frutificamos muito ou pouco com os talentos que recebemos. Mas que os frutifiquemos. O que se enfatiza é o esforço, isto é, usar todo esforço que se tem para frutificar os dons recebidos: sejam 30%, 60% ou 100% de resultado. A Bíblia não tem uma única palavra de louvor para o preguiçoso e a pobreza, quando é conseqüência da preguiça, pois a preguiça nunca é considerada como virtude.

O que eu tenho multiplicado nos meus dons até agora é a pergunta que cada um deve fazer diariamente, especialmente neste momento.

Na Eucaristia o Senhor nos entrega sua Palavra, sua Vida que nos salva, e a comunhão fraterna no amor. Este grande tesouro certamente deve ser aproveitado primeiramente por cada um de nós. Nós somos os primeiros beneficiados pelo Senhor, e Sua presença em nós há de ser uma presença transformante, transfigurante, de tal modo que, dia a dia, vamos não somente sendo iluminados pela Luz do Senhor e sim que nos convertamos em luz que ilumine o caminho daqueles que nos rodeiam. Não podemos deixar que o Senhor acende sua Luz em nós para depois apagarmos d’Ele. Sua presença em nós há de ser contínua, unidos a Ele mediante a oração e a escuta de Sua Palavra, pois a salvação não é obra do homem e sim de Deus no homem com a colaboração do homem.

Quais são seus dons? De que maneira você valoriza e multiplica seus dons na comunidade? Na nossa comunidade, será que conhecemos e valorizamos os dons dos outros membros da mesma? Nossa comunidade é um espaço para frutificar os dons?

fonte: http://vitus-passoadiante.blogspot.com.br/

Dedicação das Basílicas de São Pedro e São Paulo – Lc 19,11-28

Enquanto estavam escutando, Jesus acrescentou uma parábola, porque estava perto de Jerusalém e eles pensavam que o Reino de Deus ia se manifestar logo. Disse: “Um homem nobre partiu para um país distante, a fim de ser coroado rei e depois voltar. Chamou então dez dos seus servos, entregou a cada um uma bolsa de dinheiro e disse: ‘Negociai com isto até que eu volte’. Seus concidadãos, porém, tinham aversão a ele e enviaram uma embaixada atrás dele, dizendo: ‘Não queremos que esse homem reine sobre nós’. Mas o homem foi nomeado rei e voltou. Mandou chamar os servos, aos quais havia dado o dinheiro, a fim de saber que negócio cada um havia feito. O primeiro chegou e disse: ‘Senhor, a quantia que me deste rendeu dez vezes mais’. O homem disse: ‘Parabéns, servo bom. Como te mostraste fiel nesta mínima coisa, recebe o governo de dez cidades’. O segundo chegou e disse: ‘Senhor, a quantia que me deste rendeu cinco vezes mais’. O homem disse também a este: ‘Tu, recebe o governo de cinco cidades’. Chegou o outro servo e disse: ‘Senhor, aqui está a quantia que me deste: eu a guardei num lenço, pois eu tinha medo de ti, porque és um homem severo. Recebes o que não deste e colhes o que não semeaste’. O homem disse: ‘Servo mau, eu te julgo pela tua própria boca. Sabias que eu sou um homem severo, que recebo o que não dei e colho o que não semeei. Então, por que não depositaste meu dinheiro no banco? Ao chegar eu o retiraria com juros’. Depois disse aos que estavam aí presentes: ‘Tirai dele sua quantia e dai àquele que fez render dez vezes mais’. Os presentes disseram: ‘Senhor, esse já tem dez vezes a quantia!’ Ele respondeu: ‘Eu vos digo: a todo aquele que tem, será dado, mas àquele que não tem, até mesmo o que tem lhe será tirado. E quanto a esses meus inimigos, que não queriam que eu reinasse sobre eles, trazei-os aqui e matai-os na minha frente”. Depois dessas palavras, Jesus caminhava à frente dos discípulos, subindo para Jerusalém.

imagem fonte: http://www.cooperadores-bilbao.com/web/?p=16830

ORAÇÃO

Pai, faze de mim um discípulo fiel de Jesus a quem deverei prestar contas do bom uso dos dons que me concedeu. Que eu seja prudente no meu agir.Amém.

fonte:http://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=evangelho&id=5412

 

A nossa missão, o nosso apostolado é anunciar a Palavra onde estivermos

Essa deve ser a primeira lição de hoje para nós: buscar uma meta, um objetivo de vida e traçar um plano para alcançá-lo. Mas tenhamos também a certeza de que, sozinhos não conseguiremos nada. Eu lhe pergunto: “Qual é o seu plano hoje?” O plano de Jesus foi difundir o Evangelho para toda a humanidade. O nosso não precisa ser tão pretensioso, mas é preciso que cada um saiba para onde vai, o que vai fazer lá e o porquê?
Outro ponto importante é que Jesus, sendo um líder servidor, com certeza acompanhava, um por um, dos Seus doze apóstolos e amigos. Devia conhecer a intimidade de cada um, seus anseios, suas preocupações, suas dúvidas, seus amores e, no decorrer dos três anos, deve ter feito um profundo processo de cura e transformação nesses doze homens para que eles soubessem como deveriam ser com os seus próprios seguidores quando chegasse a vez deles.
Jesus sabia que estava formando os doze não para Ele próprio, mas para o mundo, como um verdadeiro Pai que escuta, acolhe, compreende, perdoa e dá forças e meios para o filho superar as dificuldades, principalmente as próprias limitações.
Como seria bom se tivéssemos mais líderes, mais padres, mais coordenadores, mais pais que se sentissem responsáveis pelos seus como Jesus!
Por fim, a força que saía d’Ele curava a todos. Na linguagem de hoje, poderíamos dizer que Jesus era uma pessoa que tinha presença.
Ele é a Luz, por isso atrai a todos. Sua postura é sempre impecável. Mesmo lidando com doenças e demônios, Jesus conservava uma atitude positiva, conservando em tudo a firmeza de ânimo.
Assim como Ele, nós devemos praticar a mesma firmeza de ânimo, a fim de traçar um projeto de vida, sermos determinados e tocar para frente, contando sempre com a ajuda dos outros, pois “uma mão lava a outra” e as duas ficam limpas. Cristo, ao escolher os Seus discípulos, não faz outra coisa senão lhes confiar também a responsabilidade e os envia em missão para onde Ele mesmo deveria ir.
Precisamos ter atitudes positivas no nosso dia a dia. Uma atitude positiva mesmo frente aos problemas da vida. Isto nos fará superar todas as dificuldades.

fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2012/09/homilia-comentario-e-reflexao-do_10.html

Os doze apóstolos escolhidos por Jesus – Lc 6,12-19

Naqueles dias, Jesus foi à montanha para orar. Passou a noite toda em oração a Deus. Ao amanhecer, chamou os discípulos e escolheu doze entre eles, aos quais deu o nome de apóstolos: Simão, a quem chamou Pedro, e seu irmão André; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado zelote; Judas, filho de Tiago, e Judas Iscariotes, que se tornou o traidor. Jesus desceu com eles da montanha e parou num lugar plano. Ali estavam muitos dos seus discípulos e uma grande multidão de gente de toda a Judéia e de Jerusalém, e do litoral de Tiro e Sidônia. Vieram para ouvi-lo e serem curados de suas doenças. Também os atormentados por espíritos impuros eram curados. A multidão toda tentava tocar nele, porque dele saía uma força que curava a todos.

imagem fonte: http://www.ofminmaculada.org/

ORAÇÃO

Pai, transforma-me em apóstolo de teu Filho Jesus para que, movido pelo Espírito,

eu possa ser sinal da presença dele neste mundo tão carente de salvação. Amém.

fonte: http://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=evangelho&id=5391