É convertendo o coração, é nos arrependendo de nossas faltas, buscando o perdão de Deus que encontramos a salvação

Lucas 3,1-6
No décimo quinto ano do império de Tibério César, quando Pôncio Pilatos era governador da Judéia, Herodes administrava a Galileia, seu irmão Filipe, as regiões da Itureia e Traconítide, e Lisânias a Abilene; quando Anás e Caifás eram sumos sacerdotes, foi então que a palavra de Deus foi dirigida a João, o filho de Zacarias, no deserto. E ele percorreu toda a região do Jordão, pregando um batismo de conversão para o perdão dos pecados, como está escrito no Livro das palavras do profeta Isaías: “Esta é a voz daquele que grita no deserto: ‘preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas. Todo vale será aterrado, toda montanha e colina serão rebaixadas; as passagens tortuosas ficarão retas e os caminhos acidentados serão aplainados. E todas as pessoas verão a salvação de Deus’”.

Reflexão: Que graça sublime, neste segundo domingo do Advento, colocarmos em destaque o papel de João Batista. Maria foi toda de Deus, mas João também foi todo d’Ele desde o ventre de sua mãe, quando lá foi santificado. João nasceu com uma missão divina, nasceu para ser profeta do Deus Altíssimo e veio para preparar e aplainar os caminhos por onde o Senhor deveria passar.

João é para nós uma seta que nos indica o caminho do Céu. Como ele mesmo vai nos dizer, ele não é o caminho, mas nos aponta Jesus, que é o caminho. Ele não é a salvação, mas nos aponta Jesus como nosso Salvador.

O modo de João fazer esse percurso e nos mostrar por onde devemos andar é por aquilo que ele fez pregando um batismo de conversão. É convertendo o coração, é nos arrependendo de nossas faltas, buscando o perdão de Deus que encontramos a salvação.

Vemos a salvação de Deus entre nós quando nos arrependemos, sinceramente, dos nossos pecados. O caminho que João traça para a nossa vida, neste tempo de graça que chamamos de Advento, é pararmos para tomar consciência de que todos nós somos pecadores. Essa consciência do todo precisa ser trazida para o nosso individual, para o nosso singular, porque o que precisamos é, de forma pessoal e não coletiva, simplesmente nos arrependermos dos nossos próprios pecados, deixar que aquilo que o batismo fez em nós, quando éramos crianças, nos removendo da consequência do pecado original, que o nosso batismo seja atualizado sempre, seja vivo sempre, que entremos pelas águas do rio Jordão, para que Deus nos lave, purifique-nos e renove para termos a graça de recebermos Jesus, o nosso divino Salvador.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

Preparai o Caminho do Senhor

 

fonte: https://jesus-cvv.webnode.com.br/news/o-caminho-do-senhor/

ORAÇÃO

Espírito que converte, toca o coração de todas as pessoas para que, abandonando seus erros e vícios, voltem-se para Jesus, por uma sincera conversão. Amém!

Fonte: http://liturgia.catequisar.com.br/voz-de-quem-clama-no-deserto-preparai-o-caminho-do-senhor-lc-31-6/

Anúncios

E preciso ter fé confiante, orante e verdadeira

Mt 8,5-11
Naquele tempo, quando Jesus entrou em Cafarnaum, um oficial romano aproximou-se dele, suplicando: “Senhor, o meu empregado está de cama, lá em casa, sofrendo terrivelmente com uma paralisia”. Jesus respondeu: “Vou curá-lo”. O oficial disse: “Senhor, eu não sou digno de que entres em minha casa. Dize uma só palavra e o meu empregado ficará curado. Pois eu também sou subordinado e tenho soldados sob minhas ordens. E digo a um: ‘Vai!, e ele vai; e a outro: ‘Vem!, e ele vem; e digo a meu escravo: ‘Faze isto!, e ele o faz”.Quando ouviu isso, Jesus ficou admirado e disse aos que o seguiam: “Em verdade, vos digo: nunca encontrei em Israel alguém que tivesse tanta fé. Eu vos digo: muitos virão do Oriente e do Ocidente, e se sentarão à mesa no Reino dos Céus, junto com Abraão, Isaac e Jacó”.

Reflexão: Jesus está louvando com muita admiração a fé desse oficial romano. É muito importante prestar atenção neste detalhe: ele não é um judeu, não é um homem que frequenta a sinagoga, não é um homem de religiosidade ou que faz parte da religião oficial. Pelo contrário, ele faz parte do império romano, daquilo que é o domínio do império romano sobre Israel. Mas é um homem de fé e foi com essa fé que ele clamou a Jesus pela cura do seu empregado, pelo restabelecimento do seu empregado.

A fé desse homem tem muito a nos ensinar. Primeiro, é uma fé movida por um amor. Ele não vai ali buscar uma cura, um milagre para si, ele vai buscar para o seu empregado. Ele poderia ter recorrido à medicina, a todo dinheiro que ele tinha, mas recorre a fé, porque ele sabe quem é Jesus, ele sabe que Jesus pode curá-lo, sabe que Jesus pode por ele. Por isso, deposita toda a sua fé em Jesus. Não deposita na sua autoridade de oficial romano, não deposita no dinheiro que ele tem e nem no prestígio que ele pode ter enquanto oficial.

É uma fé confiante e humilde; é uma fé de súplica; é uma fé de quem acredita que Jesus pode fazer. Por isso, Jesus exclama: “Eu nunca encontrei em Israel alguém de tamanha fé”.

Ora, se em Israel o povo escolhido não teve tamanha fé em Jesus, um oficial pagão teve. Por isso, Jesus está afirmando que muitos virão do Oriente e do Ocidente para se sentarem com os nossos pais na fé, Abraão, Isaac e Jacó.

Abraão, Isaac e Jacó não são pais somente do povo de Israel, mas são os patriarcas de toda a fé espalhada pela face da Terra. Somos a feliz descendência de Abraão, por isso, todos aqueles que tem fé única, verdadeira, singular e sincera no Senhor, há de sentar-se à mesa do Reino dos Céus.

Todos os povos, todas as pessoas são convidadas para participar da mesa do Senhor, mas é preciso ter fé confiante, orante e verdadeira. Fé que faz desprender-se de si mesmo, do seu orgulho, da sua autossuficiência, da sua soberba, do confiar em si mesmo para confiar no Senhor e saber que Ele tudo pode. Que a fé do oficial romano nos ensine que independente do que somos e de onde viemos é no Senhor que está a nossa confiança.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

ORAÇÃO

Pai Santo, aumenta a nossa fé! Ainda que não compreendamos o Mistério da Encarnação do teu Verbo, dá-nos coragem para nos lançarmos confiantes em teus braços, proclamando ao mundo que o Reino de Amor já chegou, trazido pelo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, que contigo reina na unidade do Espírito Santo. Amém!

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2012/12/homilia-comentario-e-reflexao-do_2.html

É preciso parar diante Jesus; é preciso escutá-Lo mas, sobretudo, rasgar o nosso coração

Lc 19,1-10
Naquele tempo, Jesus tinha entrado em Jericó e estava atravessando a cidade. Havia ali um homem chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores de impostos e muito rico. Zaqueu procurava ver quem era Jesus, mas não conseguia, por causa da multidão, pois era muito baixo. Então ele correu à frente e subiu numa figueira para ver Jesus, que devia passar por ali. Quando Jesus chegou ao lugar, olhou para cima e disse: “Zaqueu, desce depressa! Hoje eu devo ficar na tua casa”. Ele desceu depressa, e recebeu Jesus com alegria. Ao ver isso, todos começaram a murmurar, dizendo: “Ele foi hospedar-se na casa de um pecador!” Zaqueu ficou de pé, e disse ao Senhor: “Senhor, eu dou a metade dos meus bens aos pobres, e se defraudei alguém, vou devolver quatro vezes mais”.Jesus lhe disse: “Hoje a salvação entrou nesta casa, porque também este homem é um filho de Abraão.Com efeito, o Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido”.

Reflexão: Olho para o Zaqueu, esse homem de baixa estatura, mas de boa situação de vida: publicano, cobrador de impostos, rico e com muito dinheiro. Mas, quem se perde em meio aos prazeres e ao dinheiro que tem, não consegue enxergar a vida como ela precisa ser vista.

Zaqueu percebeu que ele estava fora da graça e da vida, por esse motivo, de qualquer forma ele queria ver Jesus. Veja o esforço que esse homem faz quando sobe na árvore para poder vê-Lo.

Antes que Zaqueu quisesse ver Jesus, Ele já tinha enxergado o coração desse homem há muito tempo. Por isso, que assim que o avista diz: “Desce dessa árvore! Porque, hoje, eu quero estar na sua casa”. A resposta de Jesus a Zaqueu é a resposta d’Ele a cada um de nós. Ele nos vê mesmo que nós não O enxerguemos e, mais ainda, Ele quer estar em nossa casa, em nossa vida, em nosso trabalho.

Duas coisas podem acontecer: acharmo-nos muito santos, muito de Deus e da Igreja; acharmos que Ele já está conosco e, de fato, não darmos espaço para que Ele venha. Por outro lado, podemos nos achar muito pecadores e pensar: “Jesus não viria na casa de um pecador”. Os dois pecadores precisam de Jesus: o pecador que se acha muito santo e o pecador que entende que é muito pecador, porém, ambos precisam se libertarem do pecado. Ou seja, eu e você precisamos ver Jesus!

Precisamos deixar que Jesus, hoje, entre em nossa casa, em nossa vida e em nossa família. Para,assim, iluminar situações que precisam de luz, para iluminar a nossa vida com a graça que, muitas vezes, não conseguimos enxergar.

Hoje, o Senhor quer estar conosco, precisamos acolhê-Lo. Não basta dizermos: “Jesus já é da minha casa, é muito bem-vindo”. É preciso parar diante d’Ele; é preciso escutá-Lo mas, sobretudo, rasgar o nosso coração.

Não foi só Zaqueu quem acolheu Jesus, outros pecadores, também, O acolheram, mas Zaqueu foi diferente, ele rasgou o seu coração.

Quando Jesus foi na casa de Simão, esse O acolheu com uma soberba sem igual. A misericórdia não entrou no seu coração. Já, Zaqueu, desprendeu e rasgou o seu coração para Jesus. Então Ele disse: “A salvação, hoje, entrou nessa casa, a salvação entrou nesse coração”.

Quando acolhemos Jesus, quando rasgamos o nosso coração e nos colocamos, humildemente, na presença d’Ele, a salvação entra na nossa vida, na nossa casa e no meio de nós.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

31-TO

 Fonte: https://www.gruposdejesus.com/31-tempo-ordinario-c-lucas-191-10-2/

ORAÇÃO

 

Jesus, Mestre:

que eu pense com a tua inteligência, com a tua sabedoria.

Que eu ame com o teu coração.

Que eu veja com os teus olhos.

Que eu fale com a tua língua.

Que eu ouça com os teus ouvidos.

Que as minhas mãos sejam as tuas.

Que os meus pés estejam sobre as tuas pegadas.

Que eu reze com as tuas orações.

Que eu celebre como tu te imolaste.

Que eu esteja em ti e tu em mim. Amém.

(BV. Alberione)

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2012/11/homilia-comentario-e-reflexao-do_19.html

 

A gratuidade do serviço

Lucas 17,7-10
Naquele tempo, disse Jesus: “Se algum de vós tem um empregado que trabalha a terra ou cuida dos animais, por acaso vai dizer-lhe, quando ele volta do campo: ‘Vem depressa para a mesa?’ Pelo contrário, não vai dizer ao empregado: ‘Prepara-me o jantar, cinge-te e serve-me, enquanto eu como e bebo; depois disso poderás comer e beber?’ Será que vai agradecer ao empregado, porque fez o que lhe havia mandado? Assim também vós: quando tiverdes feito tudo o que vos mandaram, dizei: ‘Somos servos inúteis; fizemos o que devíamos fazer’”.

Reflexão: O discípulo é alguém que serve. É aquela pessoa que aprendeu a superar o próprio egoísmo. Compreendeu a sua missão de discípulo servidor e reconhece até, ser um “servo inútil”, quer dizer não é indispensável. Há uma outra compreensão desta expressão. Os santos a entenderam assim: o discípulo apenas é um instrumento de Deus, um canal do qual Deus se serve para comunicar a sua graça, o seu amor. O canal por si não realiza nada. É preciso que a graça de Deus passe por ele, É Deus quem age!
Somos todos servos inúteis. Deus não precisa de nós, uma vez que ele pode, por si só, realizar todas as coisas. Mas Deus quis contar conosco, com a nossa colaboração, e isso não em vista da pessoa dele, mas sim em vista do nosso próprio bem, uma vez que, quando colaboramos com a obra da salvação da humanidade, estamos de fato participando de uma obra que não é humana, mas divina, o que se torna para nós causa de santificação e caminho de perfeição. O amor de Deus por nós é tão grande que faz da nossa inutilidade fonte de santificação e de vida nova, não só para nós mesmos, mas também para toda a Igreja, para todas as pessoas.

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2013/11/homilia-diaria-comentario-e-reflexao-do_12.html

 

Evangelho (Lc 17,7-10)

O Evangelho de hoje não se dirige à atitude do Senhor, mas à dos servos. Jesus convida os seus apóstolos, através do exemplo de uma parábola a considerar a atitude de serviço: o servo tem que cumprir o seu dever sem esperar recompensa. Jesus utiliza esse tema com objetivo de descrever nossa posição em relação a Deus. Ao colocar-se a serviço de Deus precisamos abandonar a ideia de recompensa e de direitos adquiridos. Assim, orientados por uma atitude religiosa e espiritual, não nos cabe estabelecer condições, nem colocar limites ao dom recebido de Deus, pois ele próprio se fez nosso “servidor”, “entregue” por nós, corpo e alma, até à morte e morte de cruz. E a nossa recompensa: o dom gratuito da bondade do Senhor e a Sua misericórdia, que não deixa de premiar o servo que ama generosamente e, na humildade, dá o melhor de si, para que o Reino de Deus possa de fato acontecer. Que não nos preocupemos com reconhecimento ou gratidão, mas coloquemos com alegria a serviço, tudo o que temos e somos. Pois antes mesmo de Jesus dizer essas palavras do Evangelho, sua Mãe já havia se declarado serva do Senhor: “Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra” ( Lc 1,38). Maria nos ensina a sermos discípulos de Jesus. Ensina-nos a importância de ouvir e contemplar serena e confiantemente, mesmo nos momentos mais difíceis pelos quais ela passou. De onde vinha tanta força? Da comunhão com a palavra de Deus. Que ela nos ajude a sermos servos fiéis da vinha do Senhor e verdadeiramente comprometidos com a Tua Palavra.  #compromissocomaPalavradeDeus  #mãesqueorampelosfilhos

#curta 
#comente 
#compartilhe 
#EVANGELIZE

Fonte:https://deskgram.net/explore/tags/CompromissoComAPalavraDeDeus

ORAÇÃO

Pai Santo, dá-nos sabedoria e coragem para sermos generosos. Que nas nossas relações com o próximo nós não procuremos buscar vantagens pessoais, mas sejamos movidos unicamente pela compaixão e a generosidade. Pelo Cristo Jesus, teu Filho que se fez nosso Irmão e contigo reina na unidade do Espírito Santo. Amém!

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2013/11/homilia-diaria-comentario-e-reflexao-do_12.html

 

O melhor testemunho que podemos dar ao mundo, é o de testemunhar como perdoamos e amamos uns aos outros

Lc 17,1-6
Naquele tempo, Jesus disse a seus discípulos: “É inevitável que aconteçam escândalos. Mas ai daquele que produz escândalos! Seria melhor para ele que lhe amarrassem uma pedra de moinho no pescoço e o jogassem no mar, do que escandalizar um desses pequeninos. Prestai atenção: se o teu irmão pecar, repreende-o. Se ele se converter, perdoa-lhe. Se ele pecar contra ti sete vezes num só dia, e sete vezes vier a ti, dizendo: ‘Estou arrependido’, tu deves perdoá-lo”. Os apóstolos disseram ao Senhor: “Aumenta a nossa fé!” O Senhor respondeu: “Se vós tivésseis fé, mesmo pequena como um grão de mostarda, poderíeis dizer a esta amoreira: ‘Arranca-te daqui e planta-te no mar’, e ela vos obedeceria”.

Reflexão:Hoje, o Evangelho nos apresenta três elementos fundamentais para a vida de um discípulo, de um seguidor de Jesus Cristo, Nosso Senhor e Mestre. O primeiro desses elementos é o testemunho de vida. É só pelo testemunho que evitamos escandalizar os pequenos.

Jesus é muito repressivo e duro àqueles que praticam escândalo. Praticar escândalos quer dizer, justamente, tirar a fé do coração das pessoas, não testemunhar aquilo que nós acreditamos.

O discípulo de Jesus deve, de todas as formas, primeiro, evitar escandalizar e, segundo, testemunhar com a vida aquilo que nós acreditamos.

Uma das melhores formas de testemunharmos é pela força do perdão. Um discípulo de Jesus que não perdoa, não testemunha o amor de Deus no seu coração. O discípulo de Jesus que vive cultivando ódio, ressentimento, mágoa contra o seu irmão e não consegue perdoar, escandaliza. Um casal que vive junto e não se perdoa, não se reconcilia, causa escândalo para os filhos e para outros. Às vezes, a pessoa está testemunhando na Igreja, está rezando, mas não vive o testemunho do perdão e da misericórdia.

Se o irmão pecar contra nós sete vezes num só dia, sete vezes devemos perdoá-lo. Mas, como vamos perdoar? Pela experiência com a Palavra de Deus.

Quando eu digo perdoar, não é ser complacente com o erro do outro. Perdoar quer dizer: não viver com ódio e ressentimento com o erro que o outro fez, porque é o nosso coração que ficará magoado.

O perdão reconstrói e levanta o outro. O perdão exige, com certeza, reconsideração das atitudes, dos fatos, da convivência e assim por diante. Mas, o que nunca pode faltar na vida de um cristão é o testemunho do perdão. Talvez, você possa perguntar: “Como vou conseguir perdoar se nem tamanha fé para isso eu tenho?”. Não é preciso ter muita fé.

Jesus está nos dizendo que se nossa fé for pequena como um grão de mostarda, diremos para esse ressentimento: “Sai daqui, se não consigo pelas minhas forças humanas, que eu consiga pela fé, arrancar as “plantas” que estão dentro do meu coração. Plantas venenosas e perigosas para a minha vida e para a minha saúde”.

Essas plantas são, com certeza, as plantas que temos de perdoar nesta vida. Se não conseguimos perdoar pelas nossas forças, que perdoemos pela fé e pelo amor. Se não conseguimos, é preciso buscar em Deus essa força.

O melhor testemunho que podemos dar ao mundo, é o de testemunhar como perdoamos e amamos uns aos outros.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

ORAÇÃO

Senhor Jesus, fonte perene do perdão e do amor misericordioso, concede-me a graça de nunca escandalizar ninguém. Que minhas atitudes de cristão(ã) maduro(a) e consciente das atitudes decorrentes desta opção de vida, me ajudem a viver na justiça, na paz e no perdão. Elimina do meu coração a tentação de me fixar no ódio, na vingança, na falta de perdão e compreensão de quem foi fraco na fé. “Aumenta, Jesus, a minha fé!” Faze-me ir em frente, superando a inimizade e o desamor. Jesus, Tu que és Deus de perdão e de misericórdia, robustece-me numa fé madura e operativa que me faz crescer na capacidade de agir em favor dos menos favorecidos da sociedade. Impele-me a tomar posse do dom da fé que me deste no Batismo. Que a lógica do Teu amor misericordioso me transforme e me faça crescer na santidade. Amém.

Fonte:http://diariodepositividade.blogspot.com/2016/11/evangelho-do-dia-lucas-171-6-aumenta.html

Alegrai-vos comigo!

Lucas 15,1-10
Naquele tempo, os publicanos e pecadores aproximaram-se de Jesus para o escutar. Os fariseus, porém, e os mestres da Lei criticavam Jesus. “Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”. 3Então Jesus contou-lhes esta parábola: “Se um de vós tem cem ovelhas e perde uma, não deixa as noventa e nove no deserto, e vai atrás daquela que se perdeu, até encontrá-la? Quando a encontra, coloca-a nos ombros com alegria, e, chegando a casa, reúne os amigos e vizinhos, e diz: ‘Alegrai-vos comigo! Encontrei a minha ovelha que estava perdida!’ Eu vos digo: Assim haverá no céu mais alegria por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão. E se uma mulher tem dez moedas de prata e perde uma, não acende uma lâmpada, varre a casa e a procura cuidadosamente, até encontrá-la? Quando a encontra, reúne as amigas e vizinhas, e diz: ‘Alegrai-vos comigo! Encontrei a moeda que tinha perdido!’ Por isso, eu vos digo, haverá alegria entre os anjos de Deus por um só pecador que se converte”.

Reflexão: O pastor que recupera a ovelha tresmalhada (e ele possuía cem!) não pode deixar de se alegrar. Mas a alegria transborda e se muda em um convite aos amigos: “Alegrai-vos comigo!” A mulher pobrezinha que recupera a moedinha enferrujada (afinal, só tinha dez!), também é inundada pelo júbilo. Daí o convite às vizinhas: “Alegrai-vos comigo!”

Ambas as imagens se referem à realidade humana: nós estávamos perdidos, extraviados, quando veio Jesus Cristo e deu sua vida por nós. Foi a forma escolhida por Deus para nos trazer de volta à casa do Pai. Se o próprio Jesus se apresenta sob a imagem de um Bom Pastor (cf. Jo 10,11.14), como não se alegraria ao nos recuperar para o Pai?

Nós também somos pastores. Não apenas os bispos e padres, que zelam pelo rebanho da Igreja. Também a nós o Senhor confiou muitas ovelhas. Os pais são pastores de seus filhos. Os médicos são pastores de seus pacientes. Os educadores pastoreiam seus alunos.

Naturalmente, o cirurgião vibra de alegria quando salva o acidentado por meio de uma intervenção cirúrgica. O mestre se alegra quando vê que seu ex-aluno agora ocupa um cargo importante na empresa. Os pais exultam de alegria quando conseguem reorientar o filho que andara por caminhos obscuros.

Esta alegria precisa ser repartida. Não só como desabafo, mas como testemunho de uma esperança que se mantém acesa. A boa notícia da “salvação” servirá de ânimo para muitos que ainda estão em combate. O estudante se motivará ao ver a formatura do colega. O enfermo recobrará o ânimo ao ver a cura de seu vizinho de leito. Mas é preciso comemorar!…

… O pai misericor­dioso nos ensina atitudes de compaixão, tolerância e misericórdia. Nosso coração esteja sempre disponível para acolher o outro e enxergá-lo em sua capacidade de mudança, e não em seus erros.

Orai sem cessar: “Que o Senhor faça a minha alegria!” (Sl 104,34)

Fonte: http://www.msc.com.br/evangelho-lucas-151-10/

http://www.cristominhacerteza.com/2013/09/homilia-diaria-comentario-e-reflexao-do_14.html

LITURGIA DIÁRIA 📖
Anúncio do Evangelho (Lc 15,1-10) — O Senhor esteja convosco. — Ele está no meio de nós! — PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas. — Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar. 2Os fariseus, porém, e os mestres da Lei criticavam Jesus. “Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”. 3Então Jesus contou-lhes esta parábola:
4Se um de vós tem cem ovelhas e perde uma, não deixa as noventa e nove no deserto, e vai atrás daquela que se perdeu, até encontrá-la? 5Quando a encontra, coloca-a nos ombros com alegria, 6e, chegando a casa, reúne os amigos e vizinhos, e diz: ‘Alegrai-vos comigo! Encontrei a minha ovelha que estava perdida!’
7Eu vos digo: Assim haverá no céu mais alegria por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão.
8E se uma mulher tem dez moedas de prata e perde uma, não acende uma lâmpada, varre a casa e a procura cuidadosamente, até encontrá-la? 9Quando a encontra, reúne as amigas e vizinhas, e diz: ‘Alegrai-vos comigo! Encontrei a moeda que tinha perdido!’
10Por isso, eu vos digo, haverá alegria entre os anjos de Deus por um só pecador que se converte”. — Palavra da Salvação.— Glória a vós, Senhor.

#AlimentoVivo #JesusNossoPastor #Conversão #AOvelhaSouEu #SalveMaria

Fonte: https://deskgram.net/explore/tags/JesusnossoPastor

ORAÇÃO

Senhor, nós te agradecemos por este dia.

Abrimos nossas portas e janelas para que tu possas

Entrar com tua luz.

Queremos que tu Senhor, definas os contornos de

Nossos caminhos,

As cores de nossas palavras e gestos,

A dimensão de nossos projetos,

O calor de nossos relacionamentos e o

Rumo de nossa vida.

Podes entrar, Senhor em nossas famílias.

Precisamos do ar puro de tua verdade.

Precisamos de tua mão libertadora para abrir

Compartimentos fechados.

Precisamos de tua beleza para amenizar

Nossa dureza.

Precisamos de tua paz para nossos conflitos.

Precisamos de teu contato para curar feridas.

Precisamos, sobretudo, Senhor, de tua presença

Para aprendermos a partilhar e abençoar!

Ó Jesus Mestre, Verdade-Caminho-Vida, tem piedade de nós.

Amém!

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2013/09/homilia-diaria-comentario-e-reflexao-do_14.html

O Reino dos Céus é daquele que tem gratuidade no coração

Lc 14,12-14
Naquele tempo, dizia Jesus ao chefe dos fariseus que o tinha convidado: “Quando deres um almoço ou um jantar, não convides teus amigos nem teus irmãos nem teus parentes nem teus vizinhos ricos. Pois estes poderiam também convidar-te e isto já seria a tua recompensa. Pelo contrário, quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos. Então serás feliz! Porque eles não te podem retribuir. Tu receberás a recompensa na ressurreição dos justos”.

Reflexão: O sentido do Evangelho, de hoje, é o de nos ensinar. Sobretudo, a não esperar recompensa por aquilo que fazemos. Você convida alguém para comer na sua casa esperando que, um dia, a pessoa te convide de volta. Você faz uma festa e convida os seus amigos, mas você fica muito triste se os seus amigos fazem uma festa e não te convidam, você se sente excluído, porque quer ser lembrado por aquilo que você fez ou faz.

O Reino dos Céus é daquele que tem gratuidade no coração, é daqueles que fazem as coisas por amor, por boa vontade e não esperam nada em troca dos homens. Não esperam retribuição, reconhecimento, aplausos, placas, méritos, não esperam parabéns e nem curtidas nas redes sociais. O que fazemos é pelo Reino de Deus e nada mais do que isso. É para Deus tudo aquilo que fazemos; é por causa do Reino de Deus que trabalhamos!

Não há mérito maior na vida do que fazer as obras em segredo, sem ninguém precisar saber, sem precisar de aplausos e daquelas plaquinhas de governantes ou prefeitos, dizendo “Eu inaugurei tal obra”. Não precisamos disso, porque, a recompensa que receberemos é aquela do Reino dos Céus.

Na sinceridade de coração, na sua vida, tenha sempre tempo para fazer festa com os pobres, de pegar o que você tem de roupas, de bens e ir cuidar das pessoas que estão necessitadas. Surpreenda você mesmo e os mais pobres, vá aos lugares mais paupérrimos dessa vida, visite vilas, favelas, povoados, pessoas que passam necessidades. Seja em qualquer lugar que você viva ou que esteja, isso é evangélico, é do Evangelho, isso é do discípulo de Jesus Cristo: fazer festa com os mais pobres.

Eu sei que, daqui a pouco, estamos nos preparando para os festins de Natal e de Ano Novo. E a festa é sempre a mesma, é bom estar rodeados de amigos, da família. Qual é o Natal que traz sentido à sua vida? Tire um tempo para refletir. Será que não vale a pena tirarmos sempre um dia da nossa vida, do nosso mês, da nossa semana para celebrar e festejar com os mais pobres, dar a eles a alegria de saber que o Reino dos Céus é deles em primeiro lugar? Faça isso e o seu coração vai experimentar a paz que ainda não experimentou!

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

Fonte: http://www.cooperadores-bilbao.com/web/?p=8856

ORAÇÃO

Senhor Jesus,
Nós ensine um modo de amar, o amor gratuito, sem necessidade de recompensas, que ame aos demais sem esperar nada em troca. Que este serviço me leve a ver o amor de Deus. Quero aprender de Ti, Senhor Jesus. Amém!

Fonte: http://www.cooperadores-bilbao.com/web/?p=8856