Quais são os sentimentos que você guarda no seu coração?

Mt 13,44-46
Naquele tempo, disse Jesus à multidão: ‘ O Reino dos Céus é como um tesouro escondido no campo. Um homem o encontra e o mantém escondido. Cheio de alegria, ele vai, vende todos os seus bens e compra aquele campo. O Reino dos Céus também é como um comprador que procura pérolas preciosas. Quando encontra uma pérola de grande valor, ele vai, vende todos os seus bens e compra aquela pérola.

Reflexão: Nas duas mensagens deste Evangelho, Jesus nos apresenta o reino dos céus como algo muito valioso que alguém busca, e encontra. Na nossa caminhada aqui na terra, desde cedo saímos à procura da felicidade nos mais diversos lugares, nas ocasiões e situações que nos atraem, assim como também no amor das pessoas, na realização profissional, no sucesso nos empreendimentos, etc. e nem sempre isso nos torna pessoas alegres e felizes. Alcançamos muitas metas, galgamos cargos, amealhamos dinheiro, mas nem sempre tudo isso nos alegra ou nos faz ser feliz. Um dia nós percebemos que alcançamos o reino da terra, mas estamos longe do reino do céu. Nas duas situações que Jesus nos apresenta, porém, nós constatamos que a conquista do reino dos céus desperta em quem o encontrou sentimento de alegria e felicidade assim como a decisão de vender todos os bens que possui para apossar-se daquele tesouro. Acontece que o reino dos céus não pode ser achado fora de nós, nas coisas que encontramos no nosso exterior. Ele é como um tesouro que está escondido dentro do nosso coração no meio do campo da nossa humanidade ou uma pérola preciosa que é buscada por nós, mas que só é encontrada quando nos encontrarmos conosco. Quando descobrimos que dentro de nós há a riqueza do reino de Deus, do amor do céu, aos pouquinhos vamos deixando de lado os valores que nos prendem à vida material, a qual nós tocamos e enxergamos,para nos apossar da riqueza invisível, que gera, amor, paz, alegria, consolo, fortaleza, mansidão, compreensão, esperança, vitória, felicidade, mesmo no meio das dificuldades. Aí então, nós experimentamos uma mudança de vida e de atitude que nos faz ser feliz na vivência das coisas mais simples. O reino de Deus, então, pode ser entendido como um processo de conversão, de mudança e transformação firme e gradual que vai se manifestando no nosso modo de ser e de agir. Dessa forma nós vamos descobrindo que aquilo que tanto buscávamos e procurávamos, na verdade, só acontece na medida em que caminhamos na trilha que o Evangelho nos desvenda. Seguindo esse caminho percebemos também, que o dom da misericórdia acompanha a nossa caminhada e as nossas ações e nos tornamos pessoas mais compreensivas, mais amorosas e mais comunicativas. – Você também tem buscado a felicidade? – Você já sente as primícias do reino de Deus? – Você já tem vislumbrado a pérola e o tesouro que existem no seu coração? – Onde está o reino dos céus? – Quais são os sentimentos que você guarda no seu coração?

Fonte: http://blogs.diariodonordeste.com.br/egidio/fe-em-deus/evangelho-de-hoje-mt-13-44-46/

 

Fonte: https://www.slideshare.net/mobile/DeborahGutierrez/venha-o-teu-reino-54711809

ORAÇÃO

Senhor Jesus, que eu me desfaça, com coragem e alegria, de tudo quanto me impede de colocar o Reino como centro de minha vida. Amém!

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2012/07/homilia-comentario-e-reflexao-do_31.html

Anúncios

Saibamos viver no amor e na fraternidade, sem dependência das coisas materiais que nos escravizam

Mc 6,7-13
Naquele tempo, Jesus chamou os doze e começou a enviá-los dois a dois, dando-lhes poder sobre os espíritos impuros. Recomendou-lhes que não levassem nada para o caminho, a não ser um cajado; nem pão, nem sacola, nem dinheiro na cintura. Mandou que andassem de sandálias e que não levassem duas túnicas. E Jesus disse ainda: “Quando entrardes numa casa, ficai ali até vossa partida. Se em algum lugar não vos receberem, nem quiserem vos escutar, quando saírdes, sacudi a poeira dos pés, como testemunho contra eles!” Então os doze partiram e pregaram que todos se convertessem. Expulsavam muitos demônios e curavam numerosos doentes, ungindo-os com óleo.

Reflexão: As instruções que Jesus deu a Seus discípulos nos servem hoje como orientação para a trajetória da nossa vida aqui na terra. Jesus veio instaurar no mundo uma nova maneira de ser e de viver, no amor e na fraternidade sem dependência das coisas materiais que nos escravizam. Por isto, Ele nos ensina a caminhar em unidade com os irmãos, nunca seguindo sozinhos (as), e a nos desapossar de coisas que não são as essenciais para a nossa trajetória. E para que sejamos fiéis seguidores desse Projeto e obedientes ao Evangelho de Cristo nós também somos enviados (as) a caminhar aqui na terra tendo o nosso próximo como companheiro com a consciência de que não podemos viver isolados como uma ilha. Jesus enviou Seus discípulos, dois a dois, pelo mundo a fora levando a Sua paz e anunciando o Seu reino de amor, deu-lhes poder sobre os espíritos impuros e recomendou-lhes que não “levassem nada para o caminho, a não ser um cajado”. E ordenou-lhes: “nem pão, nem sacola, nem dinheiro na cintura”, mas acrescentou “que andassem de sandálias e não levassem duas túnicas”.Jesus também nos dá consciência de que algumas coisas nos são necessárias, outras, são supérfluas. O cajado é a Sua Palavra posta em nossas mãos e acolhida no nosso coração. É Ela quem nos dá perseverança e nos sustenta, orienta os nossos passos e nos faz ir por caminho seguro. O pão, a sacola e o dinheiro são as nossas preocupações, apreensões e inquietações com a nossa sobrevivência, o nosso bem-estar, cuidados que mantemos com o alimento, vestimenta e necessidades do dia a dia. Jesus, no entanto, nos recomenda a usar “sandálias” para que os nossos pés não se machuquem com a dureza da estrada. Significa a vida de oração e adoração na intimidade do Espírito Santo que nos dá respaldo e firmeza para caminhar sem machucar os nossos pés e nos motiva a dar passos e a sair do lugar a fim de enfrentar a vida. Finalmente, Jesus nos diz para não levarmos “duas túnicas”, isto é, o que nós mantemos como reserva para quando nos faltar o principal. Todas estas recomendações nos levam à consciência de que a confiança na Providência do Pai é a melhor poupança que podemos nutrir em nós mesmos. Quando fazemos a experiência de depender completamente do Amor de Deus Pai que se manifestou por meio de Jesus Cristo, verificamos que nada trazemos nas mãos, no entanto, nada nos falta. Dessa forma, nós temos poder até sobre os espíritos impuros, pois a capacidade de Deus habita em nós. Não precisamos também ficar mudando de lugar a todo instante. Jesus nos recomenda para que tenhamos perseverança. Ele não nos envia para longe, Ele quer nos ensinar essa nova mentalidade a partir dos nossos relacionamentos familiares. – Como você tem feito a caminhada da sua vida? – Você tem se preocupado em levar, pão, sacola, dinheiro, duas túnicas? – A oração tem sido sandália para os seus pés? Em qual cajado você tem se apoiado? – Você acha que precisa de muitas coisas para viver e dar testemunho de Jesus? – Quais as armas que você está usando para conquistar a sua família? – Qual a impressão que você está deixando dentro da sua casa em relação à influência do Evangelho na sua vida?

Fonte: http://blogs.diariodonordeste.com.br/egidio/fe-em-deus/evangelho-de-hoje-mc-67-13-4/

Fonte: http://www.combonianos.pt/cgi-bin/getfromdb.pl?nid=EFAEylFkFpkBiAVEsk&offset=

ORAÇÃO

Pai Santo, a bagagem que levamos pela vida afora tenta compensar a nossa falta de fé e torna a caminhada pesada e cansativa. Liberta-nos, Pai amado, das nossas inseguranças, para que sejamos caminhantes leves e alegres nestas estradas que já são do teu reino de Amor, desde que nelas caminhou Jesus de Nazaré, o Cristo, teu Filho e nosso Irmão, que contigo reina na unidade do Espírito Santo.
Amém!

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2012/07/homilia-comentario-e-reflexao-do_14.html

O tesouro que acumulamos no Céu é o amor que depositamos no coração de Deus

Mt 6,19-23
Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: “Não junteis tesouros aqui na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e os ladrões assaltam e roubam. Ao contrário, juntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça e a ferrugem destroem, nem os ladrões assaltam e roubam. Porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração. O olho é a lâmpada do corpo. Se o teu olho é sadio, todo o teu corpo ficará iluminado. Se o teu olho está doente, todo o corpo ficará na escuridão. Ora, se a luz que existe em ti é escuridão, como será grande a escuridão.

Reflexão: Não podemos deixar que o tesouro do nosso coração esteja preso às coisas da Terra, porque essa é a tendência da vida, é olharmos para ela como se fosse aqui e agora. A qualidade de vida para algumas pessoas é o dinheiro que elas acumulam, são os bens que elas têm e a rentabilidade financeira que move a sua vida, de modo que, quando uma dessas três coisas não estão bem, muitas vezes, o coração não está bem, a vida não está bem. É um tremendo engano e uma tremenda ilusão.

A verdade é que se olharmos para as pessoas que têm muito dinheiro, elas estão sofrendo para ter o muito dinheiro que têm, para guardar o muito dinheiro que acumularam. É a preocupação com segurança e em fazer render mais o que têm.

É bom trabalhar honestamente para conseguir melhorar de vida, para ter o que é preciso para uma vida digna, saudável, que é bom para todos. O problema é onde está o seu coração, pois onde ele estiver, ali estará o seu tesouro. Se o seu coração está preso aos bens deste mundo, aos tesouros que você acumula, ali seu coração vai estar preso, e o coração preso a este mundo não consegue absorver as coisas do Céu.

Com os pés no chão, trabalhando para ter uma vida digna, correta, ajustada, pagando as contas, podendo ter só o que precisa, mas com o coração em Deus, no Alto, acumulando o verdadeiro tesouro que traça, ferrugem nem ladrão poderão nos roubar.

Nenhum ladrão pode tirar a alegria do coração de quem é de Deus, nenhuma perda desse mundo tem comparação com o tesouro que acumulamos no Céu. Acumular tesouros no Céu não é transpor realidades materiais nem mundanas para lá. Às vezes, alguém diz: “O dinheiro que eu deposito na igreja é ponto que vou acumular no Céu”. Não nos deixemos iludir nem nos enganar por essa retórica pervertida!

O tesouro que nós acumulamos no Céu é o amor que depositamos no coração de Deus, é o amor que temos para as coisas d’Ele e para com o nosso próximo, é o bem que praticamos, a generosidade do nosso coração, a caridade da nossa alma, a misericórdia nas nossas atitudes. O tesouro que acumulamos no Céu é o perdão que oferecemos, sem medida, ao próximo.

Acumular tesouros no Céu é viver a reconciliação com os nossos irmãos, com o mundo em que vivemos. Onde promovemos a paz e o bem não promovemos a guerra, a disputa nem a competição por causa dos bens materiais.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

tesouroFonte:http://blogs.diariodonordeste.com.br/egidio/fe-em-deus/evangelho-de-hoje-mt-619-23-4/

ORAÇÃO

Senhor Jesus, Tu que és a minha maior riqueza, não permitas que eu me perca na busca de coisas materiais. Que minha inteligência, dom da Tua infinita sabedoria, me faça ter o discernimento suficiente para não confundir as riquezas eternas com as efêmeras riquezas da terra. Concede-me a graça, Jesus, de juntar muitos tesouros no céu. Amém!

Fonte: http://ironispuldaro.com.br/site/evangelho-mateus-619-23/

O Reino dos céus é a Palavra de Deus agindo em nós

Mt 10,7-13
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Em vosso caminho, anunciai: ‘O Reino dos Céus está próximo’. Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios. De graça recebestes, de graça deveis dar! Não leveis ouro nem prata nem dinheiro nos vossos cintos; nem sacola para o caminho, nem duas túnicas nem sandálias nem bastão, porque o operário tem direito ao seu sustento. Em qualquer cidade ou povoado onde entrardes, informai-vos para saber quem ali seja digno. Hospedai-vos com ele até a vossa partida. Ao entrardes numa casa, saudai-a. Se a casa for digna, desça sobre ela a vossa paz; se ela não for digna, volte para vós a vossa paz”.

Reflexão: O Espírito Santo é o amor que recebemos do Senhor. Ele é um dom gratuito, incondicional e poderoso para nos curar e nos libertar. É com este amor que nós também poderemos sair pelo mundo afora anunciando que “o reino dos céus está próximo”. As graças que recebemos por meio do Espírito Santo nos levam a um estado de espírito em que a paz que usufruímos são os sinais da justiça que praticamos. “Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos e expulsai os demônios”. É esta a nossa incumbência! Mas para que possamos desempenhá-la, precisamos, nós mesmos (as), nos sentirmos curados (as), ressuscitados (as), purificados (as) e livres de todas as artimanhas do inimigo. Deus quer dar a todos os Seus filhos uma qualidade de vida digna, porque somos criados à Sua Imagem e semelhança e nos chama a sair da nossa redoma para anunciar ao mundo que o reino dos céus é Jesus e que Ele está no meio de nós. A alegria, a felicidade e o perdão, são atributos do reino dos céus que estão dentro do nosso coração e, que, por isso, devemos levar ao mundo. Recebemos de graça, de graça devemos dar, é nosso dever, é nosso chamado e nossa missão. Porém, Ele nos recomenda que na nossa caminhada não levemos nada do que o mundo considera importante, mas tão somente os dons que Dele recebemos, de graça. Assim fazendo nós estaremos livres dos nossos achismos, dos nossos apegos, das nossas ideias desvirtuadas pelo pecado e poderemos anunciar o reino dos céus que é a Palavra de Deus agindo em nós. – O que você tem anunciado no caminho da sua vida? – Você conversa com seus amigos sobre o que vê e ouve na TV, na Internet? – Por que você não anuncia também o Evangelho? – Você tem acolhido no coração as delicadezas de Deus para a sua vida ou tem deixado passar pensando que é mérito seu?

Fonte: http://blogs.diariodonordeste.com.br/egidio/fe-em-deus/evangelho-de-hoje-mt-107-13-4/

Fonte: https://manuroma86.wordpress.com/2015/06/10/mt-107-13-gratuitamente-avete-ricevuto-gratuitamente-date/

ORAÇÃO

Pai Santo, teu Filho fez de nós seus discípulos missionários. Dá-nos sabedoria, força e coragem para segui-lo, convertendo-nos e nos tornando mensageiros do teu Reino de Amor, que Ele trouxe para que o anunciemos ao mundo com o testemunho de nossa vida. Pelo mesmo Cristo Jesus, teu Filho e nosso Irmão, na unidade do Espírito Santo. Amém!

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2018/06/homilia-diaria-comentario-e-reflexao-do_11.html

A paz de Deus transforma nosso coração e a nossa vida

Lc 24,35-48
Naquele tempo, os discípulos contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão. Ainda estavam falando, quando o próprio Jesus apareceu no meio deles e lhes disse: “A paz esteja convosco!”Eles ficaram assustados e cheios de medo, pensando que estavam vendo um fantasma. Mas Jesus disse: “Por que estais preocupados, e por que tendes dúvidas no coração? Vede minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo! Tocai em mim e vede! Um fantasma não tem carne, nem ossos, como estais vendo que eu tenho”.E dizendo isso, Jesus mostrou-lhes as mãos e os pés. Mas eles ainda não podiam acreditar, porque estavam muito alegres e surpresos. Então Jesus disse: “Tendes aqui alguma coisa para comer?” Deram-lhe um pedaço de peixe assado. Ele o tomou e comeu diante deles. Depois disse-lhes: “São estas as coisas que vos falei quando ainda estava con­vosco: era preciso que se cumprisse tudo o que está escrito sobre mim na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”.Então Jesus abriu a inteligência dos discípulos para entenderem as Escrituras, e lhes disse: “Assim está escrito: o Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia e no seu nome, serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Vós sereis testemunhas de tudo isso”.

Reflexão: O grande dom do Ressuscitado no meio de nós chama-se “paz”. A paz que vem de Deus cura os nossos medos, as nossas inquietações e vence toda a ansiedade do nosso coração. Precisamos da paz que vem de Deus, é por isso que Ele nos dá a paz.

A paz não é apenas uma saudação: “A paz esteja contigo”; a paz é um dom, é aquilo que vem do mais profundo do coração de Deus. Quem está em Deus, vive em paz.

Talvez você possa pensar: “Como vou ter paz em meio a tantas chateações, problemas, dificuldades, tormentos, situações dolorosas, enfermidades, dificuldades?”. Poderíamos enumerar tantas coisas negativas, mas no meio de tantas coisas obscuras da vida, a luz de Deus traz paz para enfrentarmos as adversidades que estão na nossa frente.

A questão é que nos deixamos perturbar, deixamos os problemas falarem mais alto, as situações obscuras tomarem conta dos nossos sentimentos, porém, precisamos da paz de Jesus para enfrentarmos todas as situações da vida.

Só somos derrotados pelas situações emblemáticas da vida, porque nos deparamos diante dessas circunstâncias com agressividade e não com a paz que é necessária para enfrentá-las. Às vezes, somos agressivos, nos agitamos, nos perturbamos, nos desesperamos.

O desespero é perder a esperança, e, quem não tem esperança, não tem paz. A nossa esperança está n’Ele. Uma vez que Jesus é a nossa esperança, Ele acalenta, acalma e silencia o nosso coração. Ele coloca ordem nas coisas que estão bagunçadas dentro de nós para que, movidos pela paz, instruídos e plenos da paz, tenhamos a serenidade para enfrentar as dificuldades e tormentos da nossa vida.

Pode ser que os tormentos da nossa vida até aumentem, alguns até dizem: “Deus está me castigando”. Entretanto, Deus está nos abençoando, pois, temos a paz do Ressuscitado para enfrentarmos todas as situações atribuladas e difíceis da vida.

Que a paz do Ressuscitado esteja em nós para que, semeemos a paz e sejamos cheios da paz que transforma o nosso coração e a nossa vida.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com/homilia/paz-ressuscitado-esta-entre-nos/?sDia=5&sMes=04&sAno=2018

Fonte: http://www.divinojatiuca.com.br/2015/04/evangelho-do-dia-domingo-19042015.html

 ORAÇÃO

Senhor Jesus, que tua paz aconteça na minha vida e na vida das comunidades cristãs, para sermos, assim, testemunhas da tua Ressurreição. Amém!

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2014/04/homilia-diaria-comentario-e-reflexao-do_24.html

 

Recolhamos as pedras para construir pontes, para edificar vidas

Jo 10,31-42

Naquele tempo, os judeus pegaram pedras para apedrejar Jesus. E ele lhes disse: “Por ordem do Pai, mostrei-vos muitas obras boas. Por qual delas me quereis apedrejar?” Os judeus responderam: “Não queremos te apedrejar por causa das obras boas, mas por causa de blasfêmia, porque sendo apenas um homem, tu te fazes Deus!” Jesus disse: “Acaso não está escrito na vossa Lei: ‘Eu disse: vós sois deuses’? Ora, ninguém pode anular a Escritura: se a Lei chama deuses as pessoas às quais se dirigiu a palavra de Deus, por que então me acusais de blasfêmia, quando eu digo que sou Filho de Deus, eu a quem o Pai consagrou e enviou ao mundo? Se não faço as obras do meu Pai, não acrediteis em mim. Mas, se eu as faço, mesmo que não queirais acreditar em mim, acreditai nas minhas obras, para que saibais e reconheçais que o Pai está em mim e eu no Pai”.

Outra vez procuravam prender Jesus, mas ele escapou das mãos deles. Jesus passou para o outro lado do Jordão, e foi para o lugar onde, antes, João tinha batizado. E permaneceu ali. Muitos foram ter com ele, e diziam: “João não realizou nenhum sinal, mas tudo o que ele disse a respeito deste homem, é verdade”. E muitos, ali, acreditaram nele.

Reflexão: Às vezes estamos com “pedras nas mãos” para atirarmos nos outros. Essa “pedra na mão” é um jeito de rejeitarmos o que não queremos acolher; e quando estamos bravos com alguém, quando estamos nos opondo a alguém, no meio do ataque usamos as pedras.

Esse é o meio mais rudimentar, mais antigo de se fazer guerra: quando os homens das cavernas ainda não tinham armas, eles usavam as pedras. Essas eram o que eles tinham para eliminar o inimigo.

Só temos um inimigo, aquele que é o inimigo de Deus, porém, Jesus não atirou pedra nele, mas ele atirou pedra em Jesus.

Quem é de Deus não atira pedras em ninguém, não faz guerras, não sai atirando para todos os lados. Quem é de Deus não promove a guerra entre os irmãos e nem fica contra os outros.

Jesus não respondeu a nenhuma das atitudes daqueles que se opuseram a Ele. Não vimos Jesus levantando a espada, promovendo guerra, pelo contrário, Ele é o príncipe da paz.

Não vamos nos mover pelo espírito do outro. Se o espírito do outro é bélico o meu não é, se o espírito do outro é de ataque o meu não é, se o espírito do outro é de morte, inimizade, esse não é não o meu espírito.

O que necessitamos no mundo de hoje é ter o espírito de Jesus e não o espírito do mundo. É preciso ter uma vigilância, porque, até em meio a fé, estamos atacando uns aos outros, jogando pedras uns nos outros. Há uma onda de violência, inclusive, virtual – nas redes sociais, onde aqueles que se dizem “seguidores do Cristo Jesus” estão atirando pedras para todos os lados.

Agora não é a hora e nem nunca será a hora do cristão atirar pedras. Recolhamos as pedras para construir pontes, para edificar vidas. Cristo é o promotor da paz e não aquele que atira pedras nos outros.
Fonte: https://homilia.cancaonova.com/homilia/cristo-e-o-promotor-da-paz/?sDia=23&sMes=03&sAno=2018

Fonte: http://paroquiadeariz.blogspot.com.br/2017/02/liturgia-19-fevereiro-2017.html

ORAÇÃO

Adoro-vos, meu Deus, amo-vos de todo o meu coração. Agradeço-vos porque me criastes, me fizestes cristão, me conservastes a vida e a saúde. Ofereço-vos o meu dia: que todas as minhas ações correspondam à vossa vontade. E que eu faça tudo para a vossa glória e a paz das pessoas. Livrai – me do pecado, do perigo e de todo o mal. Que a vossa graça, bênção, luz e presença permaneçam sempre comigo e com todos aqueles que eu amo. Amém.

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2012/03/homilia-comentario-e-reflexao-do_29.html

Senhor, fazei-nos instrumentos de paz e amor!

Lc 16,19-31
Naquele tempo, disse Jesus aos fariseus: “Havia um homem rico, que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias. Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico. Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico. E, além disso, vinham os cachorros lamber suas feridas. Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão. Morreu também o rico e foi enterrado. Na região dos mortos, no meio dos tormentos, o rico levantou os olhos e viu de longe a Abraão, com Lázaro ao seu lado. Então gritou: ‘Pai Abraão, tem piedade de mim! Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque sofro muito nestas chamas’.

Mas Abraão respondeu: ‘Filho, lembra-te de que recebeste teus bens durante a vida e Lázaro, por sua vez, os males. Agora, porém, ele encontra aqui consolo e tu és atormentado. E, além disso, há um grande abismo entre nós: por mais que alguém desejasse, não poderia passar daqui para junto de vós, e nem os daí poderiam atravessar até nós’. O rico insistiu: ‘Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa do meu pai, porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento’. Mas Abraão respondeu: ‘Eles têm Moisés e os Profetas, que os escutem!’ O rico insistiu: ‘Não, Pai Abraão, mas se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter’. Mas Abraão lhe disse: ‘Se não escutam a Moisés, nem aos Profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos”’.

Reflexão: Lázaro passava necessidades, enquanto o homem rico fazia banquetes refinados todos os dias, sem se importar com o clamor daquele e de outros pobres. Não tinha misericórdia. Poderíamos dizer que era alguém que só pensava no próprio sucesso e não se compadecia dos sofredores, só levava em conta seu prazer e bem-estar. Em nosso dias, fala-se muito em ter sucesso, em conquistar o máximo de bens para si. Todos sabemos que bens materiais são importantes; por isso é que, inspirada em Jesus e em seu evangelho, a Igreja nos manda assistir os necessitados em suas dificuldades, partilhar o pão com os famintos, proporcionar refúgio aos desabrigados. No entanto, o evangelho nos ensina a viver com o necessário. Quem deseja ser discípulo de Jesus não pode fazer do bem-estar, do conforto, o principal objetivo da vida.

A parábola de Lázaro e do rico nos faz considerar uma verdade de nossa fé: quem só pensa em si mesmo e não é sensível aos sofrimentos dos outros fica longe do reino de Deus, por mais dinheiro que tenha, por mais riqueza que possua. Existe até uma propaganda de cartão de crédito que diz que o dinheiro não compra tudo, mas parece que muitos ainda não se convenceram disso e têm como meta de vida possuir mais e mais. O evangelho não está sugerindo que devemos ser displicentes ou desorganizados com nossas finanças, mas quer chamar a nossa atenção para o que é mais importante na vida. Vamos ouvir agora, enquanto temos tempo, “a Lei e os profetas”. A vida passa rápido, e o tempo perdido não volta.

Muita gente não desperdiça uma ocasião sequer de ganhar dinheiro. Não há problema nisso se não está trapaceando ou prejudicando alguém. No entanto, como discípulos e missionários de Jesus, não nos convém desperdiçar as ocasiões de fazer o bem a alguém. Lázaro estava passando fome e precisando de cuidados médicos. O rico o ignorava. A companhia do pobre eram os cachorros, que vinham lamber suas feridas. Talvez o evangelho queira nos dizer que quem ignora o sofrimento dos outros, quem não cuida do irmão, está abaixo dos cães, dos animais. Tudo isso não deve nos levar a julgar as outras pessoas, mas fazer um exame de consciência. Cada pessoa se pergunte: estou cuidando do meu próximo ou só penso em minhas necessidades?

Senhor, fazei-nos instrumentos de paz e amor!

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2013/09/homilia-diaria-comentario-e-reflexao-do_2554.html

Lucas 16,19-31

 

 

 

 

 

 

Fonte: http://ocarm.org/en/content/lectio/lectio-divina-26th-sunday-ordinary-time-c

ORAÇÃO

Pai, não permitas que nada neste mundo me impeça de ver o sofrimento de meu próximo e fazer-me solidário com ele. Amém!
Fonte:http://liturgia.catequisar.com.br/o-homem-rico-e-o-pobre-lazaro-lc-1619-31/