A felicidade está relacionada com a gratuidade e com a gratidão

Lc 6,17.20-26
Naquele tempo, Jesus desceu da montanha com os discípulos e parou num lugar plano. Ali estavam muitos dos seus discípulos e grande multidão de gente de toda a Judeia e de Jerusalém, do litoral de Tiro e Sidônia. E, levantando os olhos para os seus discípulos, disse: “Bem-aventurados vós, os pobres, porque vosso é o Reino de Deus! Bem-aventurados vós, que agora tendes fome, porque sereis saciados! Bem-aventurados vós, que agora chorais, porque havereis de rir! Bem-aventurados sereis quando os homens vos odiarem, vos expulsarem, vos insultarem e amaldiçoarem o vosso nome, por causa do Filho do Homem! Alegrai-vos, nesse dia, e exultai, pois será grande a vossa recompensa no céu; porque era assim que os antepassados deles tratavam os profetas. Mas, ai de vós, ricos, porque já tendes vossa consolação! Ai de vós, que agora tendes fartura, porque passareis fome! Ai de vós, que agora rides, porque tereis luto e lágrimas! Ai de vós quando todos vos elogiam! Era assim que os antepassados deles tratavam os falsos profetas”.

Reflexão: “Ser feliz”: não há outra meta mais importante na vida de todos nós. De fato, é tão importante que se converteu em um desejo que repetimos de maneira muito frequente e, de forma especial, para as pessoas que mais amamos. Proferimos os votos de felicidade em qualquer evento, em todos os aniversários, no início de cada ano… Não podemos desprezar o excesso de nossas felicitações, por mais rotineiras que nos pareçam. Elas expressam um desejo profundo, talvez o desejo mais íntimo de nós mesmos.

“Que sejas feliz!” Que melhor sentimento que isso podemos desejar a alguém, seja ele(ela) quem for?

A proposta evangélica de felicidade tem algo a nos dizer em nosso momento atual?

A impressão que temos é que a vivência de muitos cristãos está longe de apresentar a Deus como amigo da felicidade humana, fonte de vida, alegria, saúde; na experiência de fé de muitas pessoas, o seguimento de Jesus, muitas vezes, não se associa com a ideia de “felicidade”.  Predomina, em certos ambientes ou grupos cristãos, uma doutrina dolorida e uma catequese afastada da busca humana da felicidade. O cristianismo se apresentou, durante muito tempo, como a religião da cruz, da dor, do sofrimento, da renúncia, da repressão ao prazer e à felicidade neste mundo.

Diante de tal situação, Jesus, no Evangelho de hoje, afirma categoricamente: “Felizes sois vós!”. Jesus, ao “descer à planície”, promulga seu programa “com” vida, fundado não numa ética de “deveres e obrigações”, mas numa ética de “felicidade e ventura”. Aqui está a surpreendente novidade do projeto oferecido por Jesus. Sem sombra de dúvida, o significado das bem-aventuranças e, portanto, do programa de Jesus, é algo mais humano, mais próximo e mais ao alcance de ser entendido e vivido por qualquer pessoa de boa vontade.

O Evangelho, a “boa notícia”, é o tesouro que enche o ser humano de uma felicidade indescritível. Com efeito, a primeira característica que aparece nas bem-aventuranças é que o programa de Jesus para os seus é um programa de felicidade”. Cada afirmação de Jesus começa com a palavra “makárioi”, “ditosos”. Essa palavra, significa, em grego, a condição de quem está livre de preocupações e atribulações cotidianas.

As bem-aventuranças substituem os mandamentos que proíbem por um anúncio que atrai para a felicidade. E a promessa de felicidade não é para depois da morte. Jesus fala da felicidade nesta vida.

Conhecemos duas listas de Bem-aventuranças: a de Lucas e a de Mateus. São bastante distintas, porque uma fala dos pobres e a outra fala dos pobres “em espírito”; uma fala de fome e outra de fome de “justiça”… Costuma-se dizer que as Bem-aventuranças de Lucas são bem-aventuranças “de situação”, e as de Mateus são “de atitude”. Ou seja, enquanto Lucas diz: os que se encontram assim, os que estão nesta situação, são bem-aventurados (os que estão chorando, os que tem fome, os que são pobres…), Mateus diz: os que reagem desta maneira diante dos que choram, dos que são pobres, dos que tem fome… são bem-aventurados. É como a atitude que se toma frente aqueles que Lucas descreveu.

Antes de proclamá-las, Jesus vive intensamente as bem-aventuranças; elas são a expressão daquilo que é mais humano no seu interior; elas são seu auto-retrato. Jesus é o bem-aventurado. Ele personaliza tais atitudes: é o pobre, aquele que se comoveu diante da dor e misérias humanas, que expressa uma fome e sede de plenitude e humanização, que é incompreendido e perseguido por causa dos seus sonhos.

O Jesus que os Evangelhos nos apresentam deixa transparecer, permanentemente, um sentimento sereno e agradecido diante da vida. Ele vive apaixonado pelo Reino do Pai; Ele é um homem aberto e próximo das pessoas, com uma enorme capacidade de relação, de maneira especial diante dos mais pobres e excluídos. Mostra uma infinita confiança nas pessoas que encontra, seja qual for sua situação existencial. Ele é o portador definitivo de boas notícias. O evangelho da salvação chega até às barreiras e fronteiras humanas. Seu tempo é tempo de alegria; é a festa das bodas. Jesus nos convida a entrar na nova vida de felicidade e fraternidade. As bem-aventuranças são o caminho da felicidade.

Jesus, ao proclamar “bem-aventurados” os pobres, os famintos, os que choram, os que são perseguidos… jamais quis sacralizar a dor humana. Ao contrário, são bem-aventurados, sim, os pobres, porque, vazios de apegos e cheios de esperança, anunciam o sonho de Deus para a humanidade, uma nova sociedade baseada na solidariedade e na partilha; são bem-aventurados, sim, os famintos, porque trazem nas entranhas a fome de liberdade e sabem que o ser humano e o mundo carregam infinitas possibilidades de crescimento; são bem-aventurados, sim, os que choram porque suas lágrimas demonstram que eles ainda não perderam a sensibilidade, que eles sentem o mundo como injusto e que, por isso, são verdadeiramente os únicos a sonharem, a buscarem e a lutarem por um mundo novo; são bem-aventurados, sim, os que são perseguidos porque seguem corajosamente a estrela do Reino e são sinal de grande transformação realizada por Deus.

As bem-aventuranças nos revelam que somos habitados por um impulso que nos torna “buscadores de felicidade”. A sociedade de consumo que invadiu tudo, realça a felicidade como a meta imediata de nossas buscas, algo ao qual temos direito e que depende de fatores externos. Esta felicidade é passageira, pois quando a alcançamos, invade de novo a insatisfação, a inquietude, o ressentimento, a inveja… e de novo empreendemos nossa busca. Assim, pois, a felicidade nos escapa quando a buscamos “fora”, como fim em si mesma, para saciar nosso ego insaciável.

A felicidade nasce dentro de nós: daquilo que sentimos, que valorizamos, que vivemos… Por isso, as bem-aventuranças não são algo externo, mas atitudes que plenificam nossos corações. A chave da felicidade está em permitir que se revele o sentido da luminosidade que se encontra no fundo de nosso ser. O que nos tira a energia e nos torna impotentes é afastar-nos desse princípio vital que é o Divino em cada ser.

Ser o que somos, em serenidade e profundo sentido. A felicidade, tal como a verdade e a beleza, ao se revelar a nós, desata a potencialidade daquilo que somos e de tudo o que é. Nesse sentido, felicidade pode ser entendida como um “estado de espírito”; felicidade é viver sem chegada, sem partida; é experimentar uma sensação de renascimento de satisfação interior… ou sentir despertar em si um potencial de bondade, de compaixão, de solidariedade…muitas vezes desconhecida.

A verdadeira felicidade coincide com a paz interior; é o prazer de descobrir, cada dia, que a vida se inicia novamente em cada amanhecer; é fazer da mesma vida uma grande aventura… Por isso, a felicidade está relacionada com a gratuidade e com a gratidão.

Fonte: https://centroloyola.org.br/revista/outras-palavras/espiritualidade/1588-a-felicidade-escondida-nas-bem-aventurancas

Fonte: https://centroloyola.org.br/revista/outras-palavras/espiritualidade/1588-a-felicidade-escondida-nas-bem-aventurancas

ORAÇÃO

Pai, dá-me um coração sensível às carências do meu próximo, fazendo-me solidário com ele, a ponto de me desapegar do que tenho, para ajudá-lo em suas necessidades. Amém!

Fonte: http://liturgia.catequisar.com.br/felizes-vos-que-agora-estais-chorando-lc-617-20-26/

Anúncios

Não é bom ficar sem luz nem guia na vida

João 6, 60-69
“Naquele tempo, muitos dos discípulos de Jesus, que o escutaram, disseram: ‘Esta palavra é dura. Quem consegue escutá-la?’ Sabendo que seus discípulos estavam murmurando por causa disso mesmo, Jesus perguntou: ‘Isto vos escandaliza? E quando virdes o Filho do Homem subindo para onde estava antes? O Espírito é que dá vida, a carne não adianta nada. As palavras que vos falei são espírito e vida. Mas entre vós há alguns que não crêem’. Jesus sabia, desde o início, quem eram os que não tinham fé e quem havia de entregá-lo. E acrescentou: ‘É por isso que vos disse: ninguém pode vir a mim a não ser que lhe seja concedido pelo Pai’. A partir daquele momento, muitos discípulos voltaram atrás e não andavam mais com ele. Então, Jesus disse aos doze: ‘Vós também vos quereis ir embora?’ Simão Pedro respondeu: ‘A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós cremos firmemente e reconhecemos que tu és o Santo de Deus’”.

Reflexão: O discurso de Nosso Senhor na sinagoga de Cafarnaum, sobre o pão da vida, a Eucaristia foi para aquele povo uma palavra dura. Como..? Diziam, murmuravam uns aos outros; comer de sua carne e beber de seu sangue..? E diziam: É verdade que o Rabi fez grandes milagres, multiplicou os pães, alimentou cinco mil homens, nos revelou grandes profecias, falou-nos de um Reino do Céu, que não sabíamos existir, ressuscitou mortos; mas comer de sua carne e beber de seu sangue..? Não.. isso…não..! É demais, um absurdo para ouvir, comer sua carne humana! O Mestre pirou, enlouqueceu, longe de nós seguirmos sua louca doutrina..!? A fé dos discípulos encontrou um obstáculo difícil. Os discípulos começaram a murmurar-se, por causa da nova novidade da doutrina dizendo: “Esta palavra é dura. Quem pode escuta-la?” Jesus sabendo dos seus pensamentos lhes disse: “Isto vos escandaliza? E quando virdes o filho do homem subindo para onde estava antes? O Espírito e que dá vida, a carne não adianta nada. As palavras que vós falei são espírito e vida. Mas entre vós alguns que não crêem.”Jesus escolheu discípulos, tornou-se um pai para eles; alguns eram pescadores, um publicano, um zelote, isto é, gente que viviam à margem da lei, da sociedade, e da religião hebraica. Chegou agora também para eles o momento de dar sua resposta à dramática alternativa de escolher: “Quereis ficar comigo, ou quereis ir embora? “Os discípulos não conseguem dar o passo esperado… muitos abandonaram Jesus. Estavam depois do entusiasmo da novidade do Reino de Deus, decepcionados com a doutrina da Eucaristia, entraram em crise diante da novidade que devia proceder a Nova e Eterna Aliança. Estão livres; muitos se retiram, outros ficam…Ficam só os doze que formarão a Igreja, mas ficam não mais como antes, sem compromisso; agora sabem que escolheram a Ele para a vida a para a morte. “Tu tens palavras de vida eterna – Nós cremos firmemente e reconhecemos que és o santo de Deus”.O debate entre Jesus e os discípulos a respeito do “Pão da vida”, aumenta em tensão quando Ele fala da necessidade de comer sua carne e beber seu sangue ( Jo 6,51-52 ) Na mentalidade judaica, seria uma abominação, porque corresponde a uma atitude que vai contra qualquer sentido de pureza religiosa. São João no Evangelho às comunidades cristãs quer imprimir na Igreja, que Nosso Senhor tem plena consciência de sua missão e identidade. Sua fala refere-se em primeiro lugar a seu gesto de entrega em favor da humanidade, ou seja, sua vida – corpo e sangue – em favor da vida de todos. Nunca como hoje, os cristãos se encontram diante daquela pergunta explicita de Jesus: “Quereis vós também retirar-vos?” – “Quereis ir embora também..? Todos os dias encontramos alguém que “volta para trás e não vai mais com Ele”, porque julga seu discurso duro demais… – “Quereis ficar comigo, ou quereis ir embora”.?! Muitos de nós parecem não ter se dado conta disto, porque continuam a dobrar um joelho a Deus e outro ao anti-cristo. Da escuta da verdade do Evangelho, retrocedem à escuta entusiástica do anti-evangelho relativista do mundo. O caminho que Deus nos propõe, por meio de seu Filho Jesus, nos liberte de todo o egoismo, orgulho, autossuficiência e da escravidão. Diante desse dois caminhos, a quem iremos? Nosso Senhor Jesus Cristo é o único que tem palavra de vida eterna, pois nos conduz ao Pai. Nele, esta a vida em plenitude. Digamos hoje e sempre para o Senhor Jesus: “A onde iremos Senhor, só tu tens palavras de vida eterna.’ ( Jo 6,68 ) Amém!

Fonte: http://joseinacioh.blogspot.com/2015/08/evangelho-sao-joao-660-69-21-do-seria.html

Fonte: http://passionistas.pt/ano-b-xxi-domingo-do-tempo-comum/

ORAÇÃO

Senhor Jesus, tu és o Caminho. Em meio a sombras e luzes, alegrias e esperanças, tristezas e angústias, Tu nos levas ao Pai. Não nos deixes caminhar sozinhos. Fica conosco, Senhor!Tu és a Verdade. Desperta nossas mentes e faze arder nossos corações sedentos de justiça e santidade. Ajuda-nos a sentir a beleza de crer em Ti. Fica conosco, Senhor!Tu és a Vida. Abre nossos olhos para Te reconhecermos no “partir o Pão”, sublime sacramento da Eucaristia. Alimenta-nos com o Pão da Unidade. Sustenta-nos em nossos sofrimentos, faze-nos solidários com os pobres, os oprimidos e os excluídos. Fica conosco, Senhor!Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida, no vigor do Espírito Santo, faze-nos teus discípulos missionários. Com a humilde serva do Senhor, nossa Mãe Aparecida, queremos ser alegres no Caminho para a Terra Prometida. Corajosas testemunhas da Verdade libertadora. Promotores da vida em plenitude. Fica conosco, Senhor! Amém.(Oração composta pela Arquidiocese de Brasília)

Fonte: http://liturgia.catequisar.com.br/so-tu-tens-palavras-de-vida-eterna-jo-660-69/

 

A centralidade da Lei de Deus é o mandamento do amor

Mt 5,17-19
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: “Não penseis que vim abolir a Lei e os Profetas”. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento. Em verdade, eu vos digo: antes que o céu e a terra deixem de existir, nem uma só letra ou vírgula serão tiradas da Lei, sem que tudo se cumpra. Portanto, quem desobedecer a um só desses mandamentos, por menor que seja, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será considerado o menor no Reino dos Céus. Porém, quem os praticar e ensinar será considerado grande no Reino dos Céus.

Reflexão: 1 – Você sabe mesmo o que é lei divina? É importante refletir sobre este conceito. Muitas pessoas, talvez pela formação religiosa rígida que receberam, têm até pavor em falar sobre este assunto. Há, efetivamente, quem tem medo até de Deus, quanto mais das suas leis. Contudo, precisamos entender que a lei divina é a lei do amor. Entendendo o amor de Deus, entenderemos a lei divina. Entendendo a lei divina, entenderemos o amor de Deus. Isso resume tudo o que Deus é: amor!

2 – Faz-se necessário dizer que a Lei divina não se compara com as leis feitas por nós, mortais criaturas, para o bom ordenamento da vida em sociedade. É inegável que as leis humanas adquirem maior sentido quando tem seu fundamento na lei de Deus. Quanto mais tivermos Deus como referência, tanto mais humanos seremos. A Lei divina além de resgatar a pessoa na sua totalidade, a projeta para a santidade e a eternidade. Na Lei de Deus a vida plena e feliz do ser humano é o que realmente importa. O ponto central de convergência na Lei divina é o próprio Deus. É por isso que Jesus diz: Não penseis que vim abolir a Lei e os Profetas. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento. Não nos esqueçamos, jamais, que a Lei de Deus é amor.

3 – Cumprir a sua Lei sagrada é participar ativamente deste amor de predileção. O problema é que nós, humanamente falando, temos uma tentação enorme em contemporizar tudo e flexibilizar tudo, de conformidade com a nossa medida de entendimento ou interesses pessoais. O que Deus tem em mente com sua Lei sagrada, efetivamente, é nos preservar dos caminhos que nos afastam d’Ele. Ele bem sabe que longe d’Ele não seremos felizes. A virtude da obediência aos mandamentos nos garante esta proximidade com Ele. A Lei divina tem uma dimensão vertical e uma dimensão horizontal. É amar a Deus sobre todas as coisas e, ao próximo, como a nós mesmos. A partir do momento que tivermos entendido isso, tudo será diferente em nós. Só o amor liberta… A Lei de Deus não tem nada de escravidão. A centralidade da Lei de Deus é o mandamento do amor. Feliz é a nação, feliz é a família, feliz é a pessoa, cujo Deus é o Senhor.

fonte: http://ironispuldaro.com.br/site/evangelho-mateus-517-19/

Fonte: http://www.lectionautas.com.br/2018/chegar-ao-coracao-da-lei-mt-5-17-19/

ORAÇÃO

Ó Deus criador, do qual tudo me vem, eu Te louvo pela beleza e perfeição que todas as coisas contêm. Tua Lei natural tudo governa e me governa. Humildemente Te peço: não me deixes viver afastado de Tua lei divina. Longe da Tua sagrada lei não serei feliz. Dá-me, Jesus, o discernimento necessário para amar-Te sobre todas as coisas e, ao próximo, como a mim mesmo. Porque És amor, tua lei é amor. Porque És perfeito, Tua lei é perfeita. Porque És eterno, Tua lei é eterna. Porque És misericordioso, Tua lei é misericordiosa. Resgata-me, Senhor, por Teu grande amor. Que meus juízos não sejam vazios da Tua presença. Mais do que conhecer, dá-me a graça de entender e viver Tua sagrada Lei que liberta e salva. Faze-me capaz de legislar tendo em mente tão somente a defesa da vida de todo ser humano. Amém!

Fonte: http://ironispuldaro.com.br/site/evangelho-mateus-517-19/

A centralidade da Lei de Deus é o mandamento do amor

Mateus 5, 17-19
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: Não pen­seis que vim abolir a Lei e os Profetas”. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento. Em verdade, eu vos digo: antes que o céu e a terra deixem de existir, nem uma só letra ou vírgula serão tiradas da lei, sem que tudo se cumpra.Portanto, quem desobedecer a um só desses mandamentos, por menor que seja, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será considerado o menor no Reino dos Céus. Porém, quem os praticar e ensinar será considerado grande no Reino dos Céus.

Reflexão:

1- Voce sabe mesmo o que é lei divina? É importante refletir sobre este conceito. Muitas pessoas, talvez pela formação religiosa rígida que receberam, têm até pavor em falar sobre este assunto. Há, efetivamente, quem tem medo até de Deus, quanto mais das suas leis. Contudo, precisamos entender que a lei divina é a lei do amor. Entendendo o amor de Deus, entenderemos a lei divina. Entendendo a lei divina, entenderemos o amor de Deus. Isso resume tudo o que Deus é: amor!

2 – Faz-se necessário dizer que a Lei divina não se compara com as leis feitas por nós, mortais criaturas, para o bom ordenamento da vida em sociedade. É inegável que as leis humanas adquirem maior sentido quando tem seu fundamento na lei de Deus. Quanto mais tivermos Deus como referência, tanto mais humanos seremos. A Lei divina além de resgatar a pessoa na sua totalidade, a projeta para a santidade e a eternidade. Na Lei de Deus a vida plena e feliz do ser humano é o que realmente importa. O ponto central de convergência na Lei divina é o próprio Deus. É por isso que Jesus diz: Não penseis que vim abolir a Lei e os Profetas. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento. Não nos esqueçamos, jamais, que a Lei de Deus é amor.

3 – Cumprir a sua Lei sagrada é participar ativamente deste amor de predileção. O problema é que nós, humanamente falando, temos uma tentação enorme em contemporizar tudo e flexibilizar tudo, de conformidade com a nossa medida de entendimento ou interesses pessoais. O que Deus tem em mente com sua Lei sagrada, efetivamente, é nos preservar dos caminhos que nos afastam d’Ele. Ele bem sabe que longe d’Ele não seremos felizes. A virtude da obediência aos mandamentos nos garante esta proximidade com Ele. A Lei divina tem uma dimensão vertical e uma dimensão horizontal. É amar a Deus sobre todas as coisas e, ao próximo, como a nós mesmos. A partir do momento que tivermos entendido isso, tudo será diferente em nós. Só o amor liberta… A Lei de Deus não tem nada de escravidão. A centralidade da Lei de Deus é o mandamento do amor. Feliz é a nação, feliz é a família, feliz é a pessoa, cujo Deus é o Senhor.

Aproveito para recordá-los os 10 mandamentos:1. Amar a Deus sobre todas as coisas.2. Não tomar seu santo nome em vão.3. Guardar domingos e festas.4. Honrar pai e mãe.5. Não matar.6. Não pecar contra a castidade (fidelidade).7. Não furtar.8. Não levantar falso testemunho.9. Não desejar a mulher do próximo.10. Não cobiçar as coisas alheias.

Fonte: http://ironispuldaro.com.br/site/evangelho-mateus-517-19/

ORAÇÃO

Ó Deus criador, do qual tudo me vem, eu Te louvo pela beleza e perfeição que todas as coisas contêm. Tua Lei natural tudo governa e me governa. Humildemente Te peço: não me deixes viver afastado de Tua lei divina. Longe da Tua sagrada lei não serei feliz. Dá-me, Jesus, o discernimento necessário para amar-Te sobre todas as coisas e, ao próximo, como a mim mesmo. Porque És amor, tua lei é amor. Porque És perfeito, Tua lei é perfeita. Porque És eterno, Tua lei é eterna. Porque És misericordioso, Tua lei é misericordiosa. Resgata-me, Senhor, por Teu grande amor. Que meus juízos não sejam vazios da Tua presença. Mais do que conhecer, dá-me a graça de entender e viver Tua sagrada Lei que liberta e salva. Faze-me capaz de legislar tendo em mente tão somente a defesa da vida de todo ser humano. Amém.
Fonte:http://ironispuldaro.com.br/site/evangelho-mateus-517-19/

Sejamos movidos pelo amor que faz nova todas as coisas

Lc 6,6-11
Aconteceu num dia de sábado que Jesus entrou na sinagoga e começou a ensinar. Aí havia um homem cuja mão direita era seca. Os mestres da Lei e os fariseus o observavam, para ver se Jesus iria curá-lo em dia de sábado, e assim encontrarem motivo para acusá-lo. Jesus, porém, conhecendo seus pensamentos, disse ao homem da mão seca: “Levanta-te, e fica aqui no meio”. Ele se levantou, e ficou de pé. Disse-lhes Jesus: “Eu vos pergunto: O que é permitido fazer no sábado: o bem ou o mal, salvar uma vida ou deixar que se perca?”Então Jesus olhou para todos os que estavam ao seu redor, e disse ao homem: “Estende a tua mão”. O homem assim o fez e sua mão ficou curada. Eles ficaram com muita raiva, e começaram a discutir entre si sobre o que poderiam fazer contra Jesus.

Reflexão:  As atitudes humanas, muitas vezes, são verdadeiros contrastes à atitude divina, à atitude de Deus no meio de nós. O Senhor é Aquele que salva, que liberta e traz para o meio quem está afastado, quem está longe e descriminado, marginalizado e sofrendo, quem está, de fato, passando por tantas situações complicadas e amarradas, as quais deixam a pessoa longe da vida. Deus é Aquele que nos traz à vida, para que esta seja vivida em abundância e plenitude.

Esse homem de mão seca, a quem a Palavra se refere, era um homem que ficava de lado, rejeitado, não era aceito, não era amado nem querido. Jesus o traz para o meio, para o centro do cuidado, da atenção, do amor e da ternura. Muitos que viram a atitude, o cuidado, o amor e a ternura de Jesus para com aquele homem ficaram com raiva d’Ele e planejaram o que poderiam fazer contra Jesus.

Muitas pessoas têm inveja e raiva de quem faz o bem. É uma atitude muito egoísta querermos o bem somente para nós, querermos que o bem chegue somente a nós. É uma atitude muito egoísta não cuidarmos de quem está sofrendo, de quem está afastado e marginalizado, de quem precisa do amor e da ternura.

Coloquemos uma coisa em nosso coração: não somos a pessoa mais sofrida do mundo, não somos a pessoa que mais necessita de atenção no mundo. Há sempre alguém que está sofrendo e passando por situações muito mais complicadas e difíceis nesta vida.

Não podemos querer que o mundo gire em torno de nós. O nosso mundo se torna melhor, menos sofrido, quando sabemos colocar o outro no centro da nossa vida, quando não fazemos de nós o centro do mundo nem o centro da vida. Mas sabemos colocar para dentro, colocar para o meio outros que estão sofrendo, sendo marginalizados e deixados de lado.

Jesus não quer que deixemos ninguém de lado. Ele quer que cuidemos do outro e façamos da nossa vida uma oblação, para cuidarmos dos sofrimentos do nosso próximo. Quando cuidamos do outro, Deus está cuidando de todos nós.

Não sejamos movidos pelo egoísmo, mas pelo amor que faz nova todas as coisas.

Fonte: https://homilia.cancaonova.com

estende a mão

ORAÇÃO

Jesus Mestre, que dissestes:

“Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome,

eu aí estarei no meio deles”,

ficai conosco,

aqui reunidos (pela grande rede da internet),

para melhor meditar

e comungar com a vossa Palavra.

Sois o Mestre e a Verdade:

iluminai-nos, para que melhor compreendamos

as Sagradas Escrituras.

Sois o Guia e o Caminho:

fazei-nos dóceis ao vosso seguimento.

Sois a Vida:

transformai nosso coração em terra boa,

onde a Palavra de Deus produza frutos

abundantes de santidade e missão.

(Bv. Alberione)

Fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2012/09/homilia-comentario-e-reflexao-do_9.html

Cristo vive! Ressuscitou!

Jo 20,1-9

No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo.

Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”.

Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo. Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo. Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou.

Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte.

Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo. Ele viu, e acreditou.

De fato, eles ainda não tinham compreendido a Escritura, segundo a qual ele devia ressuscitar dos mortos.

Reflexão:  Não há descrição da ressurreição. Ninguém testemunhou o fato mais revolucionário da história. Estamos diante de um mistério. Algo aconteceu, é verdade. Olhando de longe, como Maria Madalena, podemos chegar a acreditar em boatos: Os discípulos vieram de noite e levaram o corpo de Jesus (Mt 28.13). Boatos geram incerteza, medo e tristeza.

Temos que chegar mais perto. Como comunidade cristã, temos de correr a corrida da fé, em busca da fé e da esperança. Como Pedro e o discípulo amado, corremos em velocidades diferentes. Nossas forças não são iguais; uns conhecem atalhos que outros ignoram. Mas corremos. Buscamos a presença de Jesus Cristo. Este é o nosso objetivo. Buscamos o corpo de Jesus. A corrida da fé em busca da fé nos leva a todos diante do túmulo vazio e escuro. De fora vemos que o corpo de Jesus não está mais ali onde pensávamos encontrá-lo. Inacreditável! Será que estamos vendo certo? Temos que verificar mais de perto ainda. Temos de entrar no túmulo vazio e escuro, temos de passar por ele. Temos de passar com Cristo pela morte (Jo 12.24; Mc 8.34-35). Somente dentro do túmulo se abrirão os nossos olhos: no escuro do túmulo vazio, na ausência do corpo de Cristo, veremos, qual luz no fim do túnel, o brilho da ressurreição. O que fora estava oculto aos nossos sentidos, dentro se evidencia aos olhos da fé. Deus o ressuscitou no terceiro dia!. Crê somente!

Aos nossos sentidos se revela a realidade marcada pela morte em nosso tempo: no rosto dos desempregados, marcados pelo medo e pela incerteza; no rosto de crianças famintas de pão e de carinho; no rosto das moças que vendem sua vida por alguns trocados; no rosto de pessoas corruptas e gananciosas, que não hesitam em usar outros para seu próprio benefício; nas cicatrizes expostas da natureza depredada. Temos que passar pelo vale escuro, pelo túmulo vazio e olhar para além da nossa realidade.

Aos olhos da fé é revelada a possibilidade e a realidade de uma vida renovada, de um mundo renovado integralmente. Como Pedro e o outro discípulo, nós vamos para casa crendo. Saímos do túmulo repletos de fé e esperança. Saímos renovados. Fomos do túmulo à procura do corpo de Jesus e saímos de lá como corpo de Cristo. Nós somos o corpo que sumiu. Pela fé nos foi revelado que nossa única esperança está além do túmulo. Passamos por ele. Morremos com Cristo. Saímos dele. Fomos ressuscitados juntamente com Cristo e elevados acima da morte (Cl 3.1-4). Nosso corpo já não se presta para servir à morte, mas à libertação de todas as formas de morte e sofrimento.

Ocorreu um redirecionamento de nossa existência no mundo. Buscamos os valores que estão além e acima da morte. Não mais violência, corrupção, mentira, falta de dignidade, exploração, mas amor, fé, esperança, bondade, alegria. Sem ver a plenitude e a glória da ressurreição, sabemos que nossa vida está guardada em Deus e cremos na palavra dos apóstolos. Nossa vida não é a glória, mas reflexo da mesma. Para o nosso tempo somos luzes no fim do túnel, que indicam para o sol da ressurreição e da vida renovada, que é Jesus Cristo.

Ao sairmos daqui, o que temos a fazer? Através de nossa maneira de viver vamos explicar, tornar presença, tornar corpo, tornar palpável, vivenciável a nova realidade da ressurreição, para que mais gente se sinta animada a dar o passo de fé para além do túmulo.
Fonte: https://www.cebi.org.br/2017/04/10/reflexao-de-domingo-ressurreicao-de-jesus-joao-20-1-9-nelio-schneider/

Fonte: http://decristorevestidos.blogspot.com.br/2016/03/reflexao-do-evangelho-domingo-de-pascoa.html

ORAÇÃO

Senhor Jesus, te seguimos nos momentos difíceis de tua Paixão e Morte, sem nos envergonhar de tua cruz redentora. Agora queremos viver contigo a verdadeira alegria, a alegria que brota de um coração apaixonado e entregue, a alegria da resurreição. Mas ensina-nos a não fugir da cruz, porque antes do triunfo ocorre a tribulação. E só tomando tua cruz poderemos nos encher dessa alegria que nunca acaba. Amém!

Fonte: http://www.coracaodemaria.org.br/index.php/mega-news/128-mega-latest-news/capela-de-oracoes/capela-de-oracoes/1037-oracao-para-pascoa-via-lucis-caminho-da-luz

Vamos viver na dignidade de filhos de Deus

Lc 21,20-28

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: “Quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, ficai sabendo que a sua destruição está próxima. Então, os que estiverem na Judeia, devem fugir para as montanhas; os que estiverem no meio da cidade, devem afastar-se; os que estiverem no campo, não entrem na cidade. Pois esses dias são de vingança, para que se cumpra tudo o que dizem as Escrituras. Infelizes das mulheres grávidas e daquelas que estiverem amamentando naqueles dias, pois haverá uma grande calamidade na terra e ira contra este povo. Serão mortos pela espada e levados presos para todas as nações, e Jerusalém será pisada pelos infiéis, até que o tempo dos pagãos se complete. Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra, as nações ficarão angustiadas, com pavor do barulho do mar e das ondas. Os homens vão desmaiar de medo, só em pensar no que vai acontecer ao mundo, porque as forças do céu serão abaladas. Então eles verão o Filho do Homem, vindo numa nuvem com grande poder e glória. Quando estas coisas começarem a acontecer, levantai-vos e erguei a cabeça, porque a vossa libertação está próxima”.

Reflexão: A palavra “libertação” é característica da teologia paulina (1 Cor 1,30; cfr. Rom 3,24; 8,23; Col 1,14), na qual é usada para definir o resultado da ação redentora de Jesus em favor dos homens. O projeto de salvação/libertação da humanidade, concretizado nas palavras e nos gestos de Jesus, é apresentado como o resgate de uma humanidade prisioneira do egoísmo, do pecado, da morte. Trata-se, portanto, da libertação de tudo o que escraviza os homens e os impede de viver na dignidade de filhos de Deus.
A mensagem, proposta aos discípulos, é clara: espera-vos um caminho marcado pelo sofrimento, pela perseguição; no entanto, não vos deixeis afundar no desespero, porque Jesus virá novamente. Com a Sua vinda gloriosa cessará a escravidão insuportável que vos impede de conhecer a vida em plenitude e nascerá um mundo novo de alegria e de felicidade plenas.
Os “sinais” catastróficos apresentados não são um quadro do fim do mundo, mas imagens utilizadas pelos profetas para falar do Dia do Senhor, isto é, o dia em que Deus intervirá na história para libertar definitivamente o seu povo da escravidão, inaugurando uma era de vida, de fecundidade e de paz sem fim. O quadro destina-se, portanto, não a amedrontar, mas a abrir os corações à esperança: quando Jesus vier com a Sua autoridade soberana, o mundo velho do egoísmo e da escravidão cairá e surgirá o dia novo da salvação/libertação sem fim.
Há, ainda, um convite à vigilância: é necessário manter uma atenção constante, a fim de que as preocupações terrenas e as cadeias escravizantes não impeçam os discípulos de reconhecer e de acolher o Senhor que vem.
A reflexão acerca do Evangelho de hoje pode tocar, entre outros, os seguintes pontos: a realidade da história humana está marcada pelas nossas limitações, pelo nosso egoísmo, pela destruição do planeta, pela escravidão, pela guerra e pelo ódio, pela prepotência dos senhores do mundo. Quantos milhões de homens conhecem, dia a dia, um quadro de miséria e de sofrimento que os torna escravos, roubando-lhes a vida e a dignidade! A Palavra de Deus, que hoje nos é servida, abre a porta à esperança e grita a todos os que vivem na escravidão: “Alegrai-vos, pois a vossa libertação está próxima!” Com a vinda próxima de Jesus, o projeto de salvação/libertação de Deus vai tornar-se uma realidade viva; o mundo velho vai converter-se numa nova realidade de vida e de felicidade para todos.
No entanto, a salvação/libertação que há de transformar as nossas existências não é uma realidade que deva ser esperada de braços cruzados. É preciso “estar atento” a essa salvação que nos é oferecida como dom e aceitá-la. Jesus virá, mas é necessário reconhecê-lo nos sinais da história, no rosto dos irmãos, nos apelos dos que sofrem e que buscam a salvação.
É preciso, também, ter a vontade e a liberdade de acolher o dom de Jesus, deixar que Ele nos transforme. É preciso, ainda, ter presente que este mundo novo – o qual está permanentemente a fazer-se e depende do nosso testemunho – nunca será uma realidade plena nesta Terra, mas sim uma realidade escatológica, cuja plenitude só acontecerá depois de Cristo, o Senhor, haver destruído definitivamente o mal que nos torna escravos.
Padre Bantu Mendonça

fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2012/11/homilia-comentario-e-reflexao-do_9953.html

28

imagem fonte: http://www.franciscanos.org.br/?p=48924

ORAÇÃO

Invocações a Jesus Mestre
Jesus Mestre, santificai minha mente e aumentai minha fé.
Jesus, Mestre vivo na Igreja, atraí todos à vossa escola.
Jesus Mestre, libertai-me do erro,
dos pensamentos inúteis e das trevas eternas.
Jesus Mestre, caminho entre o Pai e nós,
tudo vos ofereço e de vós tudo espero.
Jesus, caminho da santidade, tornai-me vosso fiel seguidor.
Jesus caminho, tornai-me perfeito como o Pai que está nos céus.
Jesus vida, vivei em mim, para que eu viva em vós.
Jesus vida, não permitais que eu me separe de vós.
Jesus Vida, fazei-me viver eternamente na alegria do vosso amor.
Jesus verdade, que eu seja luz para o mundo.
Jesus caminho, que eu seja vossa testemunha autêntica
diante dos homens.
Jesus vida, fazei que minha presença contagie a todos
com o vosso amor e a vossa alegria.

Beato Tiago Alberione

fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2012/11/homilia-comentario-e-reflexao-do_9953.html