Lave e guarde a sua mente, o seu coração – e não somente as suas mãos! – e serás verdadeiramente puro

O homem, tocado e envolvido pela Palavra de Jesus, se transforma numa pessoa íntegra. Pessoa capaz de revelar o que traz no seu coração. Isto exigirá dela uma pureza interior.
A pureza não ocorre por acaso e nem “brota da noite para o dia”. O apóstolo Pedro compara-a ao processo de depuração do ouro (cf. 1 Pedro 1,6-7). O ourives tem de aquecer esse metal várias vezes para que as impurezas e ligas venham à superfície, e assim ele possa removê-las.
Isto nos leva a concluir que a purificação é um processo. Contudo, não basta desejarmos ser puros. E mesmo que sejamos sinceros e nos empenhemos duramente, isso não é suficiente. Precisamos ter o propósito de sermos conforme à imagem de seu Filho (cf. Rm 8,29).
Jesus deixou bem claro que é impossível servir a dois senhores. “Onde estiver nosso tesouro, aí estará também o nosso coração” (Mt 6,21). Na luta pela formação de um caráter santo, precisaremos guardar no coração certos elementos e barrar a entrada de outros. Quem não cuida bem de seu coração, está se predispondo a ter problemas. Quem o guarda com todo cuidado, vence.
O único fator que pode impedir que um homem se entregue à impureza é o intenso amor pela pureza interior. Portanto, lave e guarde a sua mente, o seu coração – e não somente as suas mãos! – e serás verdadeiramente puro.

fonte: http://www.cristominhacerteza.com/2012/10/homilia-comentario-e-reflexao-do_15.html

O coração cheio de maldades – Lc 11,37-41

Enquanto Jesus estava falando, um fariseu o convidou para jantar em sua casa. Jesus foi e pôs-se à mesa. O fariseu ficou admirado ao ver que ele não tinha feito a lavação ritual antes da refeição. O Senhor disse-lhe: “Vós, fariseus, limpais por fora o copo e a travessa, mas o vosso interior está cheio de roubos e maldades. Insensatos! Aquele que fez o exterior não fez também o interior? Antes, dai em esmola o que está dentro, e tudo ficará puro para vós”.

imagem fonte: http://diariodepositividade.blogspot.com.br/2013_10_01_archive.html

ORAÇÃO

Ó Espírito Santo! Dai-me um coração grande, aberto à vossa silenciosa e forte palavra inspiradora; fechado a todas as ambições mesquinhas, alheio a qualquer desprezível competição humana, compenetrado do sentido da Santa Igreja! Um coração grande, desejoso de se tornar semelhante ao Coração do Senhor Jesus. Um coração grande e forte, para amar a todos, para servir a todos, para sofrer por todos. Um coração grande e forte, para superar todas as provações, todo tédio, todo cansaço, toda ofensa, toda desilusão. Um coração grande e forte e constante até o sacrifício, quando for necessário. Um coração, cuja felicidade é palpitar com o coração de Cristo, e cumprir humilde e fielmente a vontade do Pai. Amém. (Papa Paulo VI)

fonte: https://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=evangelho&id=5375

Anúncios

A criança é para nós o símbolo maior de que o Reino de Deus está vivo e presente no meio de nós

Precisamos nos tornar como uma criança, nos refugiar, nos esconder, nos colocar nos braços de nosso Pai e depender d’Ele em tudo aquilo que fazemos!

“Quem receber esta criança em meu nome, estará recebendo a mim” (Lucas 9, 48).

A criança representa a plenitude do Reino dos Céus. Humanamente, em muitas culturas, a criança não tem valor, nem significado é, muitas vezes, desprezada, excluída e não se leva em conta aquilo que ela diz, pensa e sente.

Mas, na verdade, é na criança que está o Reino de Deus em sua plenitude. A criança é para nós o símbolo maior de que o Reino de Deus está vivo e presente no meio de nós. A criança, com sua pureza, bondade, retidão, com tudo aquilo que uma criança pode ensinar ao nosso coração. Quanto menor, quanto menos idade tiver uma criança, mais perto do céu se encontra, está mais pura, menos contagiada por este mundo cercado de maldades e malícias.

A criança, quanto mais criança for, nos ensina a ‘minoridade’. E o que é a ‘minoridade’? É a dependência de alguém maior. A criança quanto menor é, mais dependente é de seus pais, se coloca no colo de seus pais . Quanto mais ela cresce, mais vai fugindo do colo dos pais. Por isso, precisamos nos tornar como uma criança, nos refugiar, nos esconder, nos colocar nos braços de nosso Pai e depender d’Ele em tudo aquilo que fazemos!

Pode parecer que Deus não queira que cresçamos, pelo contrário, Ele quer que cresçamos, que tenhamos maturidade, responsabilidade, que assumamos os nossos compromissos. Mas, que não percamos a sensibilidade de uma criança dependente de seus pais. Que nos tornemos dependentes de Deus, que tenhamos a pureza que uma criança tem, porque assim o Reino de Deus se abrirá para nós!

Se na sua casa tem criança, se por onde você anda vê crianças, as abençoe, acolha estes pequeninos, não as despreze nunca. Pelo contrário, esteja de coração aberto para acolher essa expressão magnífica do Reino de Deus!

Eu chamo a sua atenção para tantas crianças abandonadas, que estão nos orfanatos, que estão refugiadas. A nossa ajuda fraterna, o nosso acolhimento amigo e se você pode, financeiramente, fazer algo por essas crianças, não deixe de fazer. É grave, é uma situação emergente em qualquer país, em qualquer cidade, em qualquer estado, em qualquer lugar do mundo deixarem nossas crianças perecerem por falta de cuidado.

Se queremos crescer no Reino dos Céus, cuidemos dos pequenos, pois são os maiores no coração de Deus!

fonte: http://homilia.cancaonova.com/homilia/sejamos-sempre-dependentes-de-deus-pai/

O maior é aquele que serve – Lc 9,46-50

Surgiu entre os discípulos uma discussão sobre qual deles seria o maior. Sabendo o que estavam pensando, Jesus pegou uma criança, colocou-a perto de si e disse-lhes: “Quem receber em meu nome esta criança, estará recebendo a mim mesmo. E quem me receber, estará recebendo Aquele que me enviou. Pois aquele que entre todos vós for o menor, esse é o maior”. Tomando a palavra, João disse: “Mestre, vimos alguém expulsar demônios em teu nome, mas nós lhe proibimos, porque não anda conosco”. Jesus respondeu: “Não o proibais, pois quem não é contra vós, está a vosso favor”.

imagem fonte: http://www.ofminmaculada.org/

ORAÇÃO

Senhor,

queremos tanto ter poder e ser reconhecidos!

Faz-nos pequeninos no orgulho, Senhor, e “grandes” na humildade.

Amém.

fonte: http://apenasoracao.blogspot.com.br/2013/09/rezando-o-evangelho-de-hoje-lc-946-50.html

A autoridade de Jesus é uma autoridade de vida

Nós, hoje, estamos refletindo a autoridade que Jesus tem sobre os demônios e os espíritos malignos. A autoridade d’Ele, que vem do Pai, age no poder do Espírito e é cada vez mais reconhecida pelo povo, sobretudo, porque não é humana, mas uma autoridade de vida. Ele vive o que prega, aquilo que crê; Ele é revestido da graça do Alto.

Quando vivemos uma vida coerente, quando vivemos uma vida em Deus, os demônios não têm poder sobre nós, pois eles não se misturam àquilo que é puro, justo e correto.

Quem de nós vive cem por cento puro ou íntegro? Todos nós podemos nos esforçar para viver uma vida de pureza e integridade nos pensamentos e sentimentos, na vontade e, mais ainda, submetermo-nos à autoridade de Jesus, porque Ele tem poder sobre os espíritos impuros.

Os demônios são espíritos malignos que estão aí para oprimir a humanidade, oprimir os corações e semear confusão no meio de nós. Muitas vezes, chegamos numa casa onde as coisas estão perdidas, perniciosas, parece que tudo está azedo e amargo. Precisamos invocar a autoridade de Jesus sobre essa casa, sobre esse lugar e essa família.

Quando olhamos para nossa própria vida, não é que estejamos possessos pelo demônio e ele esteja reinando em nós; não que nos contaminamos, muitas vezes, por aquilo que os demônios semeiam nos ares, mas vivemos rodeados de pessoas e de situações diante das quais, muitas vezes, há maledicência, fofocas e conversas inconvenientes. Quantos de nós deixamos essas coisas entrar em nossos ouvidos e tudo vai para a nossa cabeça e nosso coração? São coisas que só nos fazem mal! Isso nos oprime por dentro e por fora!

Precisamos nos submeter à autoridade de Jesus, para que Ele purifique o nosso coração, para que mande para longe de nós toda a ação do maligno.

Não podemos deixar os demônios falarem em nós e por meio de nós; precisamos dizer o que Jesus disse e fazer o que Ele fez: “Silêncio! Cala-te!”. Quando a confusão, o ressentimento, o ódio e a inverdade começam a tomar força em nosso meio, precisamos ser revestidos por essa força do Alto e não permitir que o maligno ajam em nós, porque maior é o Deus a quem servimos!

fonte: http://homilia.cancaonova.com/homilia/jesus-tem-autoridade-sobre-os-espiritos-malignos/

Jesus ensina com autoridade – Lc 4,31-37

Jesus desceu para Cafarnaum, cidade da Galileia, e lá os ensinava, aos sábados. Eles ficavam maravilhados com os seus ensinamentos, pois sua palavra tinha autoridade. Na sinagoga estava um homem que tinha um espírito impuro, e ele gritou em alta voz: “Que queres de nós, Jesus de Nazaré? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: o Santo de Deus!”. Jesus o repreendeu: “Cala-te, sai dele!”. O demônio então lançou o homem no chão e saiu dele, sem lhe fazer mal algum. Todos ficaram espantados e comentavam: “Que palavra é essa? Ele dá ordens aos espíritos impuros, com autoridade e poder, e eles saem”. E sua fama se espalhava por todos os lugares da redondeza.

imagem fonte: http://criatividadecatolica.com/blog/a-autoridade-dos-ensinamentos-de-jesus/

ORAÇÃO

Pai, faze-me forte para enfrentar e vencer as forças malignas que cruzam meu caminho, tentando afastar-me de ti. Como Jesus, quero abalar o poder do mal deste mundo. Amém!

fonte:https://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=evangelho

Deus vê no segredo, onde os olhos não alcançam.

A oposição entre exterior e interior – Mt 23,27-32

Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! Sois como sepulcros caiados: por fora parecem belos, mas por dentro estão cheios de ossos de cadáveres e de toda podridão! Assim também vós: por fora, pareceis justos diante dos outros, mas por dentro estais cheios de hipocrisia e injustiça. Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! Construís sepulcros para os profetas e enfeitais os túmulos dos justos, e dizeis: “Se tivéssemos vivido no tempo de nossos pais, não teríamos sido cúmplices da morte dos profetas”. Com isso, confessais que sois filhos daqueles que mataram os profetas. Vós, pois, completai a medida de vossos pais!

Será que Jesus no evangelho de hoje está dizendo alguma coisa para nós? Será que nós também não lavamos muito bem o nosso corpo e até passamos perfume e deixamos a nossa alma embaçada pelo pecado? Ou será que nós procuramos manter uma aparência de santos, de quem observa todos os mandamentos de Jesus, e tudo mais, porém, na realidade, não passamos de pecadores maiores que aqueles que ao ver as nossas aparências de justos se sentem pequeninos em relação a nós?

Você acha que Deus está vendo as suas ações de caridade? Você tem sido fiel, justo(a) e misericordioso(a) com as pessoas com quem você convive? Você faz alguma coisa para aparecer?

Pai, dá-me pureza de coração para que do meu interior brotem a justiça, a misericórdia e a fidelidade, e assim, eu possa guiar meus semelhantes na caminhada para ti.

fonte:http://www.liturgiadapalavra.com/

Deus conhece tudo

imagem fonte: http://www.belasmensagens.com.br/religiosa/page/3

ORAÇÃO

Pai, torna-me de tal modo transparente que meu íntimo possa ser revelado por meus gestos e atitudes.

Livra-me de ser como um sepulcro caiado! Amém!

fonte: https://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=evangelho

Que Deus tempere o nosso coração com a simplicidade, com a humildade e a pureza de uma criança!

O maior no Reino dos Céus – Mt 18,1-5.10.12-14

Naquela hora, os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Quem é o maior no Reino dos Céus?”. Jesus chamou uma criança, colocou-a no meio deles e disse: “Em verdade vos digo, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, não entrareis no Reino dos Céus. Quem se faz pequeno como esta criança, esse é o maior no Reino dos Céus. E quem acolher em meu nome uma criança como esta, estará acolhendo a mim mesmo. Cuidado! Não desprezeis um só destes pequenos! Eu vos digo que os seus anjos, no céu, contemplam sem cessar a face do meu Pai que está nos céus. Que vos parece? Se alguém tiver cem ovelhas, e uma delas se extraviar, não deixará as noventa e nove nos morros, para ir à procura daquela que se perdeu? E se ele a encontrar, em verdade vos digo, terá mais alegria por esta do que pelas noventa e nove que não se extraviaram. Do mesmo modo, o Pai que está nos céus não deseja que se perca nenhum desses pequenos”.

Reflexão: O maior no Reino dos Céus é aquele que se parece com uma criança, pois – o pequeno ou a pequena – ela ocupa um lugar central no Evangelho. Primeiro, porque todas as crianças, quanto mais crianças forem, tanto mais abençoadas e comunicadoras da graça de Deus passam a ser. Ao passo que, quanto mais crescemos e quanto mais adultos nos tornamos parece que mais nos afastamos do Reino dos Céus.

No entanto, isso não é para nós um relaxamento no sentido de que devemos ser pessoas infantis. Não, não é isso, pelo contrário, precisamos ser pessoas adultas e maduras a ponto de descobrir que existe uma criança dentro de nós e que esta não pode morrer. Esta criança precisa estar viva dentro de nós, porque foi no nosso ser criança que a graça de Deus entrou em nós.

Alguns elementos na vida de uma criança tornam a nossa vida humana mais sadia, mais plena e mais agraciada. O primeiro [elemento] deles é a simplicidade, porque a criança é muito simples e não tem a cabeça complexa, como é a cabeça dos adultos, cheia de intempéries, de gostos e contragostos. Criança sabe ver o mundo de modo mais simples e descomplica aquilo que nós complicamos.

O coração de uma criança é humilde. Ela precisa de colo, de aconchego, de cuidado, não se faz de arrogante, nem de que “tudo sabe e tudo pode”. E por mais que esperneie de um lado e de outro a criança é sempre dependente do pai e da mãe. Como precisamos, com elas, aprender a ser dependentes de Deus e a ocupar o nosso lugar no colo e no coração de Deus!

Toda criança é pura e não sabe misturar a maldade, ela não é contaminada pelos vícios, pelas impurezas e pela malícia deste mundo. Pouco a pouco, a vida foi introduzindo entre nós o tempero da maldade e da malícia. E como a vida adulta é cercada destes elementos! Se quisermos entrar no Reino dos Céus, nós precisaremos resgatar os valores de uma criança dentro do nosso coração.

Que Deus tempere o nosso coração com a simplicidade, com a humildade e a pureza de uma criança para que não percamos o Reino dos Céus!

fonte: http://homilia.cancaonova.com/homilia/que-o-nosso-coracao-seja-simples-humilde-e-puro/

imagem fonte: http://www.movimentoapostolico.it/new/page.php?p=vangelo&data=14/08/2012&lang=it

ORAÇÃO

Dulcíssimo Menino Jesus, Cordeiro imaculado cheio de bondade, misericórdia e amor! Para nos restituirdes a santa inocência, baixastes do Céu à terra, sofrestes pobreza e perseguições.
.
Eu vos agradeço, ó menino amorosíssimo, e vos amo de todo o meu coração; e por vosso amor proponho hoje firmemente guardar com todo o desvelo a santa pureza do coração.
.
Ó meu Jesus, abençoai meu corpo para que seja sempre um templo do Espírito Santo, e minha alma para que seja sempre um santuário de inocência e pureza. Fazei que eu evite com cuidado todo o pecado mortal, como uma peste contagiosa.
.
Ó Jesus inocentíssimo e todo imaculado, pelo vosso amor e pela vossa inocência concedei-me a virtude da santa pureza, para que eu, depois da minha morte, tenha a felicidade de vos ver no Céu. Amém.

fonte:http://www.aascj.org.br/home/2013/07/31/oracao-ao-menino-jesus-para-alcancar-a-virtude-da-pureza/

Ser feliz é possível para quem não tira o seu olhar de Deus e coloca em prática os Seus mandamentos!

Felicidade não é sinônimo de ausência de tristezas e de situações difíceis, segundo Jesus. Não, na verdade, a felicidade é um estado de espírito escolhido a ser vivido de acordo com a vontade de Deus e as disposições do Reino do Senhor.

Para isso, o Senhor nos aponta um programa de vida: muitas vezes, nós precisamos em nossa vida nos programar e ter metas e pontos a ser atingidos para que possamos realmente desenvolver aquilo que nós necessitamos. Precisamos fazer um plano de vida para que a nossa vida seja de acordo com a vontade de Deus e, mais ainda: um plano de vida, cuja meta é a felicidade!

Os critérios são apresentados por Jesus, quando nos diz que o Reino dos Céus se conjuga com a simplicidade, com a pobreza e com o despojamento, porque um coração muito cheio é sempre agitado e sempre inquieto. Ao passo que, quando é simples, pobre e despojado, mesmo tendo todas as coisas, o coração não há de se agitar por aquilo que tem ou não.

Um coração despojado é também um coração manso que não se agita por qualquer coisa, não é revoltado nem provoca revoltas nos outros. Não se trata de se conformar com as injustiças; muito pelo contrário, nós não podemos nos conformar de maneira nenhuma com as injustiças do mundo! O que não podemos é ser justiceiros, olhar a justiça a partir do nosso ponto de vista, do nosso prazer pessoal ou de nossas necessidades pessoais.

A justiça é algo muito amplo e envolve as pessoas, a sociedade e o mundo em que vivemos, sobretudo, quando olhamos o que temos e os outros não têm o mesmo direito de ter. E quando a todos nós é privado o direito de ter aquilo que é o essencial para uma vida digna e justa. Nós não nos conformamos com as injustiças deste mundo!

Feliz é aquele que promove a paz e não a discórdia e o enfrentamento; não aquele que semeia o mal pelo mal. Promover a paz é levar ao coração dos homens o entendimento! E só quem tem paz consigo pode levar a paz aos outros. Não há bem-estar maior na vida – mesmo sabendo que você possa viver muitos conflitos, oposições e passar por apertos e dificuldades – quando a paz reina no seu coração, pois que a tem leva aos outros corações.

Feliz é aquele que tem misericórdia no coração e trata o seu irmão com misericórdia, não o trata de acordo com suas fraquezas, mas tem compaixão dos sofrimentos e da luta dele, tem compaixão das fraquezas individuais de cada um, assim como Deus tem miséricórdia e compaixão de todas as nossas fraquezas.

Felizes são os puros de coração! A pureza é uma graça tão necessária para todas as etapas de nossa vida. A pureza é a capacidade de enxergar o bem e não olhar o mundo pela ótica da maldade e da malícia. Somos, frequentemente, contaminados pelo olhar malicioso do mundo e pela maldade do coração das pessoas e, por vezes, agimos do mesmo modo.

Que Deus nos purifique das impurezas para que possamos vê-Lo onde Ele tem agido e onde a Sua graça tem atuado no meio de nós. Ser feliz é possível, é uma realidade para quem não tira o seu olhar de Deus e coloca em prática os Seus mandamentos!

trecho da Homilia Diária Canção Nova, veja aqui na integra: http://homilia.cancaonova.com/homilia/a-felicidade-e-uma-meta-para-quem-vive-em-cristo/

Roteiro homilético do 7.º domingo do tempo comum – ano a – verde – 23.02.2014 (1)

imagem fonte: http://pt.slideshare.net/JosLuizSilvaPinto/roteiro-homiltico-do-7-domingo-do-tempo-comum-ano-a-verde-23022014-1

ORAÇÃO

Senhor Jesus, não permitas que eu me curve aos caprichos do mundo,

e faze-me caminhar firme na estrada das bem-aventuranças.

Amém!